[2019] Leituras de Fevereiro

Literatura, Na Estante

Minha gente, esse ano tá voando! Pisquei e fevereiro já chegou ao fim. Parece que foi ontem que eu vim aqui contar sobre as minhas Leituras de Janeiro e falar a respeito da minha resolução cheia de projetos pessoais.

O post com essas resoluções e o resumo das minhas metas de 2019 ainda vou ficar devendo, mas as minhas Leituras de Fevereiro já estão entre nós!

Na correria que foi esse segundo mês do ano acabei não resenhando nenhum livro aqui no blog, mas vou deixar vocês com o resumão de tudo o que fez a minha cabeça no quesito literatura:


1) “Tinderela e o Coração de Cristal” – Bianca Briones

Beatriz é uma mulher na casa dos trinta, que coleciona decepções amorosas. Ela não se encaixa no padrão de beleza imposto pela sociedade e não se importa muito com isso, porém sente uma necessidade imensa de ser amada, essa carência a coloca em situações que a machucam emocionalmente cada vez mais.

Em uma brincadeira de amigos, ela acaba no Tinder, um pouco receosa a princípio, depois passa a crer que poderá, enfim, encontrar o amor. 

Tinderela e o Coração de Cristal é uma história contada em 12 volumes, que serão lançados ao longo de 2019, um a cada mês, sempre na última semana. Na saga, acompanharemos um ano na vida de Beatriz, e sua busca desesperada por amor. E, assim como ela, descobriremos, aos pouquinhos, que antes de encontrar um grande amor, precisamos encontrar a nós mesmos.

Eu nunca canso da escrita da Bianca Briones, é incrível como ela consegue criar personagens tão reais e atuais. O único defeito dessa história é que é curta demais e eu já estou mais do que ansiosa pra ler o volume 2!


2) “Em Pedaços (Recomeços #1)” – Lauren Layne

Uma garota com segredos corrosivos. Um ex-soldado com cicatrizes externas e internas. Um amor que pode salvar ambos… ou destrui-los de vez.

Aos vinte e dois anos, Olivia Middleton tem Nova York aos seus pés. Por fora, ela é a garota perfeita — linda, inteligente e caridosa — mas, por dentro, guarda um segredo terrível: um erro que a afastou das duas únicas pessoas que realmente importavam na sua vida. Determinada a esquecer o passado, ela deixa Manhattan e vai trabalhar como cuidadora de um soldado recém-saído da guerra. O que ela não esperava era que seu paciente seria um jovem enigmático de vinte e quatro anos tão amargurado quanto atraente.

Paul Langdon está furioso — com o mundo, com a vida, com o seu pai e, principalmente, consigo mesmo. Depois de sofrer na pele os horrores da Guerra do Afeganistão, a última coisa que ele quer é a companhia de uma princesinha nova-iorquina linda, mimada e irritante. A presença de Olivia parece tóxica para Paul: ela o incomoda, mas ele não consegue afastá-la, por mais que tente.

Nessa recontagem moderna de A Bela e a Fera, Lauren Layne nos traz uma história irresistível de perdão, cura e, acima de tudo, amor.

Me descobri obcecada pelos livros da Lauren Layne! São histórias absurdamente clichês, que você sabe exatamente todos os pontos de virada e o final, nada surpreendente. Entretanto a escrita dela é completamente viciante e você não consegue largar o livro até chegar à página final. Terminei esse numa sentada só e em seguida já estava obcecada procurando pelo próximo.


3) “Como Num Filme (Recomeços #0.5)” – Lauren Layne

As regras são claras… até o momento em que são quebradas. Neste livro da série Recomeços, conheça a história de Ethan. As únicas coisas que o mauricinho Ethan e a rebelde Stephanie têm em comum são o curso de cinema na Universidade de Nova York e o roteiro que precisam desenvolver juntos. Mas, quando a proposta de recriar clássicos de Hollywood se confunde com a realidade, eles acabam se tornando os protagonistas de uma história de amor digna de Oscar! Ela quer um quarto confortável em uma boa casa. Ele quer ficar longe de sua ex. Eles precisam de uma boa nota.

Convencidos a ajudar um ao outro, os dois entram em um acordo: Stephanie será a namorada de mentirinha de Ethan enquanto ele a deixa morar em seu apartamento. Para isso, ela deverá fingir ser uma perfeita lady: discreta, arrumadinha e, claro, completamente apaixonada… igualzinha à personagem do filme que estão criando. Contudo, à medida que os dois se aproximam, Ethan se vê completamente apaixonado pela garota cheia de mistérios e contradições ao seu lado. Agora, ele vai ter que decidir: será que seus sentimentos são pela Stephanie de verdade? Ou apenas pela versão que ele criou?

Esse livro se passa antes dos acontecimentos de “Em Pedaços”, mas deve ser lido só após o término do primeiro. A história deste romance segue o mesmo padrão do anterior: clichê, previsível e sem nenhuma surpresa, mas também mantêm a mesma qualidade de seu predecessor: é impossível desgrudar das páginas até chegar ao final! Você consegue lê-lo de uma vez só e é aquele livro ideal para espairecer entre uma leitura mais pesada e outra.


3) “Os 27 Crushes de Molly” – Becky Albertalli

Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos dezessete anos, a menina acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, vive dizendo que ela precisa ser mais corajosa, mas Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas.

Tudo muda quando Cassie começa a namorar Mina, e Molly pela primeira vez tem que lidar com uma solidão implacável e sentimentos muito conflitantes. Por sorte, um dos melhores amigos de Mina é um garoto hipster, fofo e lindo, o vigésimo sétimo crush perfeito e talvez até um futuro namorado. Se Molly finalmente se arriscar e se envolver com ele, pode dar seu primeiro beijo e ainda se reaproximar da irmã.

Só tem um problema, que atende pelo nome de Reid Wertheim, o garoto com quem Molly trabalha. Ele é meio esquisito. Ele gosta de Tolkien. Ele vai a feiras medievais. Ele usa tênis brancos ridículos. Molly jamais, em hipótese alguma, se apaixonaria por ele. Certo?

Em Os 27 Crushes de Molly, a perspicácia, a delicadeza e o senso de humor de Becky Albertalli nos conquistam mais uma vez, em uma história sobre amizade, amadurecimento e, claro, aquele friozinho na barriga que só um crush pode provocar.

Eu amei muito esse livro! Terminou e eu só queria pegar a Molly e colocar ela dentro de um potinho! Eu queria virar amiga dela e dos amigos dela! Amo a escrita da Becky (mesma autora de “Simon vs. a Agenda Homo Sapiens”), amo que seus personagens são super bem construídos e como existe toda uma preocupação em retratar a inclusão de diversas etnias e tipos de opção sexual entre os seus personagens. O nome disso é representatividade e a escritora faz com maestria enquanto nos guia por uma história completamente envolvente! 

P.S.: esse livro se passa no mesmo Universo dos outros livros 
da autora, então você pode ter um infarto ou dois com a 
citação à personagens que já conhecemos e amamos!


5) “Leah Fora de Sintonia (Creekwood #2)” – Becky Albertalli

Sequência do sucesso Com Amor, Simon.

Leah odeia demonstrações públicas de afeto. Odeia clichês adolescentes. Odeia quem odeia Harry Potter. Odeia o novo namorado da mãe. Odeia pessoas fofas e felizes. Ela odeia muitas coisas e não tem o menor problema em expor suas opiniões. Mas, ultimamente, ela tem se sentido estranha, como se algo em sua vida estivesse fora de sintonia. No último ano do colégio, em poucas semanas vai ter que se despedir dos amigos, da mãe, da banda em que toca bateria, de tudo que conhece. E, para completar, seus amigos não fazem ideia de que ela pode estar apaixonada por alguém que até então odiava, uma garota que não sai de sua cabeça.

Nesta sequência do sucesso “Com Amor, Simon”, vamos mergulhar na vida e nas dúvidas da melhor amiga de Simon Spier. Em um livro só dela, mas com participações mais do que especiais dos personagens do primeiro livro, vamos acompanhar Leah em sua luta para se encontrar e saber com quem dividir suas verdades e seus sentimentos mais profundos.

Em Leah fora de sintonia, Becky Albertalli mostra por que é uma das vozes mais importantes e necessárias de sua geração. Sem nunca soar didática, a escritora lança mão dos mesmos ingredientes que tornaram “Com Amor, Simon” um sucesso mundial: a leveza, o senso de humor, a representatividade e a certeza de que vale a pena contar histórias sobre jovens que podem até estar perdidos, mas estão determinados a encontrar seu caminho.

Esse livro dividiu muitas opiniões! Principalmente por que mostra um outro lado da Leah, um bem diferente do que foi mostrado em “Simon vs. a Agenda Homo Sapiens” e eu não sei se foi por que as pessoas não entenderam bem, mas eu adorei demais essa história. A Leah não é uma personagem fácil e estar dentro da cabeça dela por 320 páginas pode não ser uma missão fácil se você não compreender a personagem. Existem motivos pra ela ser como é e, conforme a gente se aprofunda na história dela, vai compreendendo melhor suas ações. Essa é a magia desse livro e dos outros escritos pela Becky: ela não cria personagens perfeitos! Todo mundo é cheio de defeitos e dramas e tem sua própria jornada de descoberta pra percorrer. É sempre uma honra poder acompanhá-los por todo esse caminho.

P.S.: é ideal que esse livro seja lido depois do da Molly, pois têm acontecimentos relacionados.


6) “O Natal dos Neves” – Ray Tavares

A família Neves é… peculiar. Grande, barulhenta e cheia de opiniões, é exatamente o oposto do ambiente em que Isadora cresceu. Talvez seja por isso que Andrei esteja tão receoso em apresenta-la aos pais e aos irmãos durante a data mais caótica do ano: o Natal. Ou talvez seja porque ele está 100% pronto para dizer as temerosas três palavrinhas para a namorada, “eu te amo”, mas precise encontrar o momento perfeito para isso.

Observação: o conto se passa após o final de “Os 12 Signos de Valentina”, porém, antes do epílogo do livro.

Aquele conto curtinho pra matar a saudade de personagens tão queridos! Foi ótimo acompanhar a história pelo ponto de vista do Andrei e ficar suspirando a cada página pelo jeito como ele vê a Isadora. Que amor lindo! Além do romance, não podia faltar muita comédia, afinal é uma história da Ray Tavares, e se ela não me fizer gargalhar pelo menos uma vez por capítulo tem alguma coisa errada!


7) “Dumplin'” – Julie Murphy

Especialmente para os fãs de John Green e Rainbow Rowell, apresentamos uma destemida heroína e sua inesquecível história sobre empoderamento feminino, bullying, relação mãe e filha, e a busca da autoaceitação.

Sob um céu estrelado e ao som de Dolly Parton, questões como o primeiro beijo, a melhor amiga, a perda de alguém que amamos demais e “estou acima do peso e ninguém tem nada com isso” fazem de Dumplin’ um sucesso que mexerá com o seu coração. Para sempre.

Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo… até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular… e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca. Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela.

Puta que pariu! Esse livro é incrível! Uma das melhores coisas que li na minha vida e acho que deveria ser lido PELO MUNDO INTEIRO! Alguém coloca ele nas pautas das escolas, todo mundo deveria conhecer a história da Will. Adorei a narrativa da Julie Murphy e se pudesse teria lido o livro inteiro de uma vez só. Ainda não conferi a adaptação para as telas, mas quero muito fazer um comparativo assim que assistir o filme na Netflix.


8) “Amor Plus Size” – Larissa Siriani

Maitê Passos é uma garota linda, de dezessete anos e mais de cem quilos. Ela passou a infância e a adolescência sendo resumida ao peso. Mas e quando é justamente esse o fator que pode mudar completamente a sua vida?

Em meio ao turbilhão do ensino médio, com uma mãe obcecada por dietas, um crush antigo por Alexandre, o cara mais gato da escola, e uma amizade deliciosa com Isaac, fotógrafo amador, Maitê vai descobrir que não precisa ser igual a todas as outras meninas para ser feliz.

Neste romance corajoso e cheio de reviravoltas, Larissa Siriani narra a história de uma jovem descobrindo seu lugar no mundo, construindo uma jornada incrível de autoconhecimento, aceitação e empoderamento.

A mensagem desse livro é maravilhosa! Se no que li anterior à ele a protagonista já era completamente empoderada, nesse a gente acompanha de perto a jornada de auto-conhecimento da personagem central, ao se dar conta que é linda exatamente do jeito que é e só precisa enxergar isso e tomar o poder para si. Adorei a história e acho que deveria ser pauta nas escolas também. Esse é um livro muito importante, que dá voz e representatividade à um público que precisa de atenção e relevância na nossa sociedade também.


9) “Um Dia dos Namorados (im)Perfeito” – Larissa Siriani

Tudo o que Isaac quer é dar à namorada um primeiro Dia dos Namorados perfeito, com direito a flores, jantar e, quem sabe, se ele der sorte, uma noite inesquecível. Mas quando tudo começa a dar errado e ele é forçado a improvisar. Isaac percebe que o mais importante não é como vai passar o dia 12 de Junho – é com quem.

Um contro amorzinho de “Amor Plus Size” que vem pra matar a saudade de personagens super queridos! Adorei que ele é do ponto de vista de Isaac e a gente pode dar uma espiadinha nos pensamentos dele! Super romântico e com pitadas de humor, não pode ficar de fora da sua lista de leituras!


10) “O Amante da Princesa” – Larissa Siriani

Um romance sensual e divertido sobre as escolhas que são feitas por nós — e sobre tomar as rédeas da vida nas próprias mãos.

Maria Amélia de Bragança é princesa do Brasil, prometida a Maximiliano Habsburgo, arquiduque da Áustria. Mas não há nada que ela deseje menos do que esse casamento: como alguém pode querer que ela se case com um homem que nem sequer conhece? O que Amélia não esperava é que seu noivo chegasse ao Palácio das Janelas Verdes, em Lisboa, acompanhado do amigo Klaus Brachmann, um homem charmoso e experiente que se sente compelido a seduzir a princesa apenas pelo prazer da conquista. Uma viagem inesperada que Maximiliano precisa fazer se mostra a oportunidade perfeita para que Klaus ensine uma coisinha ou outra a Amélia entre quatro paredes… E, conforme o jogo avança, a possibilidade de casamento se torna cada vez mais remota para a princesa, que agora precisa proteger seu coração a todo custo.

Eu fiquei completamente arrasada com o final desse livro! Sério, floi um romance arrebatador! Me apaixonei completamente por todos os personagens, torci e me identifiquei com eles, ri e me diverti, chorei e sofri e ainda me emocionei pra caramba. ESSE É UM LIVRO COMPLETO, MINHA GENTE! Esse é aquele romance histórico nacional (que ainda por cima é inspirado por personagens reais) que falta na sua estante! Amém Larissa Siriani, já quero toda uma série de livros de época inspirados em personagens reais!


11) “O Natal dos Brachmann” – Larissa Siriani

Klaus Brachmann é um homem recluso, que não quer nada além de criar sua filha em paz. Mas o Natal é uma data para ser celebrada em família, e nada impedirá Berta Prilgsheim de ver seu querido irmão este ano. E quando um desastre transforma as festas em desespero, os Brachmann precisarão se unir mais do que nunca para superarem suas dores juntos e descobrirem o verdadeiro sentido do Natal.

O conto se passa alguns anos após o livro ” O Amante da Princesa” e aqui a gente consegue visualizar como alguns personagens tão amados estão depois daqueles eventos traumáticos. Não vou mentir, chorei praticamente o conto inteiro, ainda de coração partido. Mas achei a história muito importante por dar um background pra vilã do livro e fazer a gente perceber que ela não era má só por ser, haviam motivos e aqui ela se redime.


12) “Uma História de Verão” – Pam Gonçalves

É o último verão de Analu perto de casa antes da faculdade. Entre a dificuldade de se entender com seus pais, que queriam que ela cursasse Direito e não Cinema, e as persistentes comparações com seu irmão gêmeo, André Luiz, o grande exemplo de filho que faz tudo para agradar, a garota está cansada de tanta hipocrisia e da cobrança de todos e só quer aproveitar suas férias com os amigos. O lugar é lindo, o clima está ideal e não faltam lembranças em cada cantinho da praia. Pena que nem todas são boas: a primeira decepção amorosa e grande paixão de Ana Luísa, Murilo, está de volta com o sorriso cafajeste de sempre e novas promessas. De um lado, o futuro em uma nova e incrível cidade, São Paulo; do outro, os amigos, a família e um amor traiçoeiro que ao mesmo tempo machuca e envolve.

Eu tô besta com esse livro! Foi o primeiro que li da minha xará, a Pam Gonçalves, e senti como se estivesse lendo uma das histórias da Meg Cabot, só que ambientada no nosso BRzão. Além de ser um romance para Jovens Adultos, super leve e fluído, que aborda diversos assuntos, também é uma história cotidiana, que pode estar sendo vivida por diversos jovens. O que mais amei foi o final inesperado, nem um pouco clichê, mas completamente verdadeiro. Aprendi aqui algumas lições com a Analu e vou levar essa história de verão comigo pra sempre.


Bom gente, sigo muito feliz com as minhas leituras de 2019 até agora. Todos os livros foram maravilhosos e me mantiveram nesse ritmo incrível!

Adorei que esse mês li vários livros representativos, com personagens que são gordas e empoderadas! Acho muito importante ter espaço para esse tipo de literatura nos dias de hoje, assim a gente conscientiza todas essas jovens impressionáveis que não precisa existir um padrão de beleza imposto pela sociedade, VOCÊ É LINDA SIM! O importante é se amar do jeitinho que você é!

Mês que vem eu volto com as Leituras de Março!

E vocês, o que andam lendo?

Anúncios

Oscar 2019: Os Vencedores da Noite

Cinema

Na noite do último domingo (24/02) foi ao ar a cerimônia do Oscar 2019 e quem me acompanha pelo Instagram pôde conferir em momento real a premiação. Se você perdeu meus surtos, não se preocupe! Tá tudo registradíssimo nos destaques da minha bio, e você pode conferir aqui.

Esse Oscar me deu algumas rasteiras, e várias coisas que eu considerava como certas acabaram se revelando equivocadas. Entre elas: o flop de “A Favorita”, um dos meus filmes prediletos dessa temporada, que teve 10 indicações e acabou levando apenas uma estatueta, e essa estatueta era justamente a que eu jurava já pertencer à Glenn Close, atualmente a atriz viva com mais “derrotas” no Oscar (parece que ela caiu na Maldição do DiCaprio).

Eu, assistindo esse Oscar

Sem mais delongas, vou listar abaixo os filmes vencedores e tecer alguns comentários:

Bohemian Rhapsody, foi o grande vencedor da noite, abocanhando 4 estatuetas, entre elas:

Melhor Edição de Som;
Melhor Mixagem de Som;
Melhor Montagem;
Melhor Ator;

E eu tô bem pistola com esses prêmios todos. Sério gente, a Academia surtou geral. Ou esse Oscar tá comprado. São as únicas explicações pra “Bohemian Rhapsody”, um longa divertido e sobre uma banda que todo mundo ama, sim, porém cheio de problemas técnicos e com uma das Montagens mais cagadas que já vi na vida ter levado esse prêmio.

Eu, assistindo esse Oscar

E não vou nem falar do desgosto que foi esse Oscar de Melhor Ator pro lip sync mais caricato de todos os tempos. Eu sei que a atuação do Rami Malek dividiu opiniões, mas sinceramente, eu não senti que ele estava atuando ali, achei a imitação dele do Fred Mercury tremendamente irrisória e não entendi por que resolveram premiar isso. Todos os atores que concorriam nessa categoria tinham atuações muito mais consistentes que a do Malek, até o Bradley Cooper merecia mais.

Sobre os prêmios de som, faz sentido, com todas aquelas cenas de shows, porém, se fosse pra ir por esse lado, preferia que “Nasce Uma Estrela” levasse.

Rami Malek, vencedor do Oscar de Melhor Ator por “Bohemian Rhapsody”

Green Book, mesmo cercado por diversas polêmicas, não se deixou abater e garantiu 3 estatuetas, entre elas a do prêmio principal:

Melhor Filme;
Melhor Roteiro Original;
Melhor Ator Coadjuvante;

Olha gente, sinceramente gostei muito de Green Book, e achei sim que ele tinha condições de levar Melhor Roteiro e Melhor Filme, ENTRETANTO, e esse é um grande entretanto, premiar um filme envolvido em diversos escândalos que vão do racismo ao assédio sexual, é um tapa na cara que transforma todos os esforços de inclusão que a Academia teve ao indicar filmes como “Infiltrado na Klan”, “Pantera Negra”, “Roma” e “Se a Rua Beale Falasse”, em pó. É como se estivessem legitimando preconceito e misoginia. Não faz sentido e ainda me faz pensar que a Academia está mudando sim, mas para pior.

Sinceramente, só não questiono o Oscar do Mahershala Ali.

Mahershala Ali, vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por “Green Book: O Guia”

Roma, um dos grandes favoritos da noite, com 10 indicações, levou apenas 3 estatuetas e me deixou bem desconfortável por não ter levado o prêmio de Melhor Filme, que além de merecido, ia mostrar pra industria qual era a nova cara da Academia. Seus prêmios foram:

Melhor Direção;
Melhor Fotografia;
Melhor Filme Estrangeiro;

Acho que quando foi anunciado o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro eu já sabia que Roma não levaria o prêmio principal da noite, mas não esperava a rasteira que citei aqui em cima. No mais, temos que exaltar muito Alfonso Cuarón, que roteirizou, produziu, fez a fotografia e dirigiu essa verdadeira obra de arte.

Alfonso Cuarón com seus prêmios de Melhor Direção, Melhor Fotografia e Melhor Filme Estrangeiro

Pantera Negra, com 7 indicações, o primeiro filme de herói a ser indicado na categoria principal do prêmio, também não decepcionou e faturou 3 estatuetas:

Melhor Direção de Arte;
Melhor Figurino;
Melhor Trilha Sonora;

Eu não tenho do que reclamar desses prêmios. Apesar de só ter apostado que levariam Melhor Figurino, cada uma dessas estatuetas foi mais do que merecida.

Jay Hart e Hannah Beachler, vencedores do Oscar de Melhor Direção de Arte por “Pantera Negra”

Vice, que era um dos favoritos, com 8 indicações, e que na minha opinião deveria ter levado os prêmios de Melhor Montagem e Melhor Ator também, acabou ficando apenas com a estatueta de Melhor Maquiagem.

Outro queridinho tombado, A Favorita, com 10 indicações, levou apenas o inesperado Oscar de Melhor Atriz para Olivia Colman. Não que a performance de Olivia tenha sido ruim, passou bem longe disso, ela foi incrível neste longa, porém dividia o protagonismo do filme com Emma Stone e Rachel Weiz (inclusive acredito que todas elas tenham praticamente o mesmo tempo de tela, o que me deixou bem confusa com essa indicação), e além de tudo tem a questão de que tava todo mundo contando com esse Oscar pra Glenn Close.

Esse provavelmente foi aquele momento em que pensaram “Eita, esquecemos de premiar um dos favoritos, toma esse Oscar aqui mesmo”.

Olivia Colman, vencedora do prêmio de Melhor Atriz por “A Favorita”

Meus tombos prosseguiram com os vencedores das categorias a seguir:

Melhor Curta-Metragem: Skin;
Melhor Documentário: Free Solo;
Melhores Efeitos Visuais: O Primeiro Homem;

Mesmo tendo errado esses palpites, o único que me incomodou levar o prêmio foi O Primeiro Homem. Eu até entendo os motivos: se pararmos pra pensar nos Efeitos Visuais que realmente tornaram reais os acontecimentos do filme, é bem merecido, nunca vou esquecer a primorosidade daquela cena do primeiro pouso na Lua.

Porém, em “Vingadores: Guerra Infinita” vemos pousos ATRAVÉS DO UNIVERSO, um monte deles aliás, bando de arrombado!

Desculpa, mas fico com a impressão que a Academia deu esse prêmio só para O Primeiro Homem levar alguma coisa pra casa, tipo um “cala boca”, e além disso ainda entra ai aquele velho preconceito que o Oscar tem com os filmes da Marvel.

Paul Lambert, Ian Hunter, Tristan Myles e J.D. Schwalm, vencedores do Oscar de Melhores Efeitos Visuais por “O Primeiro Homem”

Graças a Deus nem só de rasteiras foi esse Oscar! Também acertei mais algumas categorias, que, obviamente, na minha opinião, foram prêmios mais do que merecidos e aqueles que mais vibrei:

Melhor Curta de Animação: Bao;
Melhor Curta Documentário: Period. End of Sentence.;
Melhor Animação: Homem Aranha no Aranhaverso;
Melhor Roteiro Adaptado: Infiltrado na Klan;
Melhor Atriz Coadjuvante: Regina King, por “Se a Rua Beale Falasse”;
Melhor Canção Original: “Shallow” de “Nasce uma Estrela”;

Spike Lee recebendo seu Oscar pelo Melhor Roteiro Adaptado de “Infiltrado na Klan”, em um dos meus momentos favoritos dessa premiação!

No fim das contas acabei contabilizando 12 acertos daqueles palpites que dei aqui nesse post. E apesar da revolta ser bem grande, não apenas pelos prêmios que não acertei, mas por aqueles que acredito piamente não terem sido merecidos, foi uma cerimônia bacana, com momentos incríveis!

Entre os melhores momentos da noite estão: a abertura com o show do Queen + Adam Lambert; o discurso emocionante de Regina King ao receber sua estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante; Keegan-Michael Key, encarnando a Mary Poppins e descendo de guarda-chuva no meio da cerimônia; o discurso da Lady Gaga ao tomar posse de seu prêmio de Melhor Canção Original; e claro, O MEU MOMENTO FAVORITO, NÃO SÓ DO OSCAR, MAS DO ANO INTEIRO, Lady Gaga subindo ao palco com Bradley Cooper para cantar “Shallow”.

E é com o vídeo dessa performance incrível que eu termino o post de hoje ♥

Lady Gaga e Bradley Cooper performam “Shallow” de “Nasce uma Estrela

E vocês, pessoal, acertaram muita coisa ou também foram tombados como eu?

Contem pra mim aqui nos comentários 😉

Oscar 2019: Palpites e Previsões

Cinema

A noite do próximo domingo (24/02), que coroa os melhores na industria cinematografia, se aproxima e, conforme prometido nesse post, chegou a hora de dividir com vocês meus palpites e previsões sobre os prováveis vencedores do Oscar 2019.

Ainda não consegui assistir todos os filmes que concorrem este ano e, infelizmente, não acredito que vá conseguir. Algumas categorias, como Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Documentário, Melhor Curta, Melhor Curta Documentário e Melhor Curta de Animação irão sofrer com a minha falta de embasamento para minhas opiniões.

É extremamente difícil encontrar os filmes que concorrem nessas categorias e salvo um ou outro, sei que não vou conseguir assistir a maioria, mas, tendo finalizado a maratona com os longas que concorrem nas categorias principais, me sinto preparada pra vir aqui palpitar.

Lembrando que sou apenas uma entusiasta da 7ª arte, minha gente… longe de mim vir aqui com a pretensão de ser algum tipo de guru no assunto. Deus sabe que o cinema pra mim é um hobby e nunca estudei a fundo pra ter alguma propriedade profissional nesse quesito.

Com esse ponto devidamente esclarecido, passemos às previsões desta reles fã que vos fala:

Melhor Curta de Animação

Começando pelas categorias que tenho menos conhecimento, aqui acredito que o vencedor seja o Curta “Bao”, da Pixar. Pra quem não conhece, a Animação esteve em cartaz junto com “Os Incríveis 2” e fala sobre a maternidade de um jeito bem diferente. Faz algum tempo que assisti, mas me lembro de ficar profundamente emocionada com a metáfora, que trata do poder nocivo da superproteção dos pais. O curta problematiza a maternidade superprotetora e chama atenção para a importância de não centralizar a vida emocional da mãe no filho ou na filha. 

Por se tratar de um curta atemporal, poético e provocador, pra mim é um dos favoritos para receber o Oscar nesta categoria.

Cena de “Bao”, indicado na categoria “Melhor Curta de Animação”

Melhor Curta-Documentário

Nesta categoria, infelizmente não consegui assistir nenhum filme, mas com alguma pesquisa sobre os indicados e os favoritos da crítica, minha aposta é em “Period. End of Sentence.”. O documentário explora os costumes de uma aldeia rural nos arredores de Delhi, na Índia, onde as mulheres lideram uma revolução silenciosa. Eles lutam contra o estigma profundamente enraizado da menstruação. O filme fala sobre esse triste cenário, em que são proliferadas informações errôneas, disseminando distorções que desembocam em constrangimentos sociais.

Conseguindo desenhar um esboço contundente da força das outrora subjugadas mulheres que arregaçam as mangas em função da própria liberdade, na minha opinião este é o vencedor nessa categoria.


Cena de “Period. End of Sentence.”, indicado na categoria “Melhor Curta-Documentário”

Melhor Curta-Metragem

Mais uma categoria que não consegui assistir nenhum dos filmes, então, me baseando no enredo dos indicados e na opinião da critica, minha aposta é em “Marguerite”, o curta que mostra o relacionamento de uma mulher idosa e sua enfermeira, e como elas desenvolvem uma amizade que a inspira a descobrir desejos não reconhecidos e, assim, ajudá-la a fazer as pazes com seu passado.

Aqui dou meu palpite baseada na opinião da crítica.


Cena de “Marguerite”, indicado na categoria “Melhor Curta-Metragem”

Melhor Documentário

Nesta categoria, minha aposta é o documentário “RBG”, que conta a história de Ruth Bader Ginsberg, justificando a fama da diligente juíza norte-americana, que dedicou sua carreira a lutar contra a discriminação de gênero, fazendo isso com impressionante resiliência e estratégia, foi responsável por momentos decisivos para a evolução das leis dos EUA que, pela precedência e poder de influência do país, tiveram impactos progressistas em todo o mundo.

Escolhido como o Melhor Documentário de 2018 pelo National Board of Review, acredito que levará a estatueta de Melhor Documentário no domingo à noite.


“RBG”, indicado na categoria “Melhor Documentário”

Melhor Filme Estrangeiro

Confesso que só assisti a um dos filmes que concorrem nesta categoria, e foi o sucesso de critica, distribuído pela Netflix e dirigido por Alfonso Cuarón. Com 10 indicações ao Oscar, “Roma” é um dos favoritos em diversas categorias e não precisei pensar muito para elegê-lo o “Melhor Filme Estrangeiro”. Na verdade, o longa tem grandes chances de abocanhar o principal prêmio da noite.

Cena de “Roma”, indicado à “Melhor Filme Estrangeiro”

Melhor Mixagem de Som

Chegando às categorias mais técnicas, finalmente posso me basear nos meus próprios feelings, tendo assistido à todos os filmes indicados aqui, acredito que este prêmio fique com “O Primeiro Homem”, a cinebiografia de Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua. Gente, a inteligência de toda a Equipe de Som deste filme é surreal! Tanto a mixagem, quando a edição, são insanas!

Melhor Edição de Som

E é por isso que acredito que “O Primeiro Homem” também leva a estatueta de “Melhor Edição de Som” este ano. Tanto na pré, quanto na pós produção, a sonoridade do longa é impecável. Não vejo como nenhum dos concorrentes nessas categorias possam superar a qualidade da Mixagem e Edição deste longa.

“O Primeiro Homem” indicado nas categorias “Melhor Mixagem de Som” e “Melhor Edição de Som”

Melhor Edição

No quesito edição, pra mim, “Vice”, é imbatível! O filme sobre Dick Cheney, ex vice-presidente americano, que é completamente anti-Dick Cheney, foi indicado em mais 7 categorias e encanta pela montagem! A forma genial como são intercaladas cenas metafóricas com as situações apresentadas no longa e uma das sequências finais, que mescla cenas de um transplante de coração com um desastre, com certeza vai render a estatueta de “Melhor Edição” pra esse filme, na minha opinião.

“Vice”, indicado à “Melhor Edição”

Melhores Efeitos Visuais

Aqui eu vou seguir meu coração e ser bem tendenciosa. Isso por que todos os filmes que concorrem nessa categoria são surreais no quesito Efeitos Visuais! Todos eles são sensacionais e não deixam a desejar quando falamos de trazer o irreal para o mundo real. São filmes com efeitos impecáveis e quando olhei pra lista de concorrentes soltei um riso nervoso, por que me parece impossível decidir entre eles. Nessa sinuca de bico, resolvi favorecer “Vingadores: Guerra Infinita” no meu palpite. Além de ter sido um espetáculo cinematográfico, o longa foi um dos meus favoritos em 2018 e nunca vou me esquecer dos efeitos visuais que transformaram o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, aqui no Brasil, no Planeta Vormir.

Cena de “Vingadores: Guerra Infinita”, indicado à categoria de “Melhores Efeitos Visuais”. Aqui podemos ver Thanos no Planeta Vormir, que ganhou vida graças às gravações no Maranhão.

Melhor Maquiagem

Aqui, novamente, acredito que o vencedor seja “Vice”. O trabalho impecável da equipe transformou Christian Bale em Dick Cheney e eu nem sequer reconheci o Sam Rockwell quando assisti o filme, minha gente! Vi o nome dele nos créditos e fui procurar que personagem ele tinha interpretado por que “não vi” ele no longa. Quase caí pra trás quando me dei conta de que ele interpretou o ex-presidente George W. Bush filho.

Christian Bale e Sam Rockell, caracterizados, respectivamente, como Dick Cheney e George W. Bush, em “Vice”, que concorre ao prêmio de “Melhor Maquiagem”

Melhor Figurino

Essa categoria me deixou completamente confusa. Os concorrentes também são impecáveis no quesito figurino e fiquei tão cheia de dúvidas quanto na categoria de Efeitos Visuais. Depois de muito pensar cheguei à dois favoritos: “Pantera Negra” e “A Favorita” e aqui vou usar o mesmo critério de desempate que utilizei com a questão dos efeitos: vou apostar em um dos meus filmes favoritos do ano passado, um gigante que não pode ser considerado apenas um filme de super herói, com sua crítica social e politica e reflexões tão atuais. É um prazer poder presenciar uma produção como essa ser indicada em 7 categorias do maior prêmio do cinema! Pode entrar “Pantera Negra”, você não merece apenas a estatueta de “Melhor Figurino”, você merece o mundo!

Cena de “Pantera Negra” que concorre na categoria “Melhor Figurino”

Melhor Trilha Sonora

Acredito que a partir de agora vou me repetir bastante falando sobre como fiquei em dúvida entre 2 ou mais filmes por categoria. Aqui fiquei entre dois filmes, que apesar de muito diferentes, possuem semelhanças incríveis, entre elas a Trilha Sonora espetacular. Falo mais uma vez de “Pantera Negra” e “Se a Rua Beale Falasse”, novo filme do diretor de “Moonlight”, que concorre em mais 2 categorias. Mesmo sendo encantada pela trilha sonora de “Pantera Negra”, desta vez meu critério de desempate é a opinião da crítica, que coroa “Se a Rua Beale Falasse” como o favorito nesta categoria. Não por menos, já que é possível perceber o quanto o trabalho executado pelo compositor é fundamental para se acompanhar esse drama de um homem injustamente acusado de ter cometido um estupro e a luta de sua família para livrá-lo da condenação.

Cena de “Se a Rua Beale Falasse”, indicado à categoria “Melhor Trilha Sonora”

Melhor Canção Original

Aqui eu sigo meu coração descaradamente! E é possível perceber isso desde esse post aqui. Por sorte, acredito que meu coração possa estar com a razão, se a gente levar em consideração a opinião da crítica sobre o grande favorito nesta categoria. “Shallow”, canção do filme estrelado por Bradley Cooper e Lady Gaga e interpretada pelos dois no sucesso de público e crítica “Nasce Uma Estrela” é, sem sombra de duvidas, umas das minhas canções favoritas de todos os tempos. O remake dirigido por Cooper ainda concorre em mais 7 categorias e na minha opinião vai garantir pelo menos a estatueta de “Melhor Canção Original”.

Lady Gaga e Bradley Cooper interpretando a canção “Shallow” no longa “Nasce Uma Estrela”, que concorre à “Melhor Canção Original”

Melhor Animação

Pra mim, o vencedor dessa categoria poderia facilmente ser indicado na de Melhor Filme também. Estou falando de “Homem-Aranha no Aranhaverso”, animação da Sony Pictures que narra as aventuras de Miles Morales sob o manto do Homem-Aranha. Aqui no blog fiz inclusive uma critica ao filme, rasgando elogios e apostando na indicação dele ao prêmio máximo do cinema. Na minha opinião, o longa não é apenas a Melhor Animação do ano, É A MELHOR DE TODOS OS TEMPOS!!! Se você leu a minha crítica ou assistiu ao filme vai concordar comigo sobre a qualidade superior dessa animação em relação as outras, que são ótimas também, mas “HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO” É DISRUPTIVO! Essa animação está muito à frente das outras…

Cena de “Homem-Aranha no Aranhaverso”, que concorre na categoria “Melhor Animação”

Melhor Roteiro Adaptado

Essa categoria é disputada por filmes geniais, que poderiam levar, cada um, uma estatueta pela adaptação sensacional do roteiro. Mais uma vez sou obrigada a seguir meu coração e eleger “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee, como o favorito à “Melhor Roteiro Adaptado”. Além de ter tido uma passagem meteórica por Cannes, recebendo diversos elogios pela sua história, seu roteiro genial, repleto de tapas na cara, tem tudo para levar esse prêmio.

“Infiltrado na Klan” disputa o prêmio de “Melhor Roteiro Adaptado”

Melhor Roteiro Original

Mais uma vez divida entre dois filmes espetaculares, neste caso “Roma” e “A Favorita”, precisei pensar não apenas com meu coração aqui, mas ler muitas críticas pra conseguir desempatar os dois longas. Depois de muito matutar, elejo “A Favorita” como o possível vencedor do prêmio de “Melhor Roteiro Original” devido aos seus diálogos afiados e humor negro sensacional. É um dos roteiros mais elogiados da temporada, narrando um jogo político de poder repleto de manipulações e subterfúgios. É um filme inteligentíssimo, que acredito levar a melhor sobre o roteiro dramático de “Roma” no próximo domingo.

Cena de “A Favorita”, indicado à “Melhor Roteiro Original”

Melhor Fotografia

A verdade é que “Roma” e “A Favorita” são os maiores indicados da noite, cada um concorrendo em 10 categorias, e isso não é por acaso, a qualidade dos dois longas é inegável, e fruto de muita dúvida, pelo menos pra mim, na hora de apontar um possível vencedor. No quesito “Melhor Fotografia” nem se fala! Enquanto o filme de Yorgos Lanthimos abusa dos planos abertos com lentes panorâmicas, rendendo um resultado estupidamente original à fotografia, Alfonso Cuarón aposta na simplicidade de um longa todo em preto e branco, mas de forma aguçada, trabalha os movimentos de câmera com uma expertise descomunal. Por esse motivo, acredito que quem leva essa estatueta seja “Roma”.

“Roma”, indicado à “Melhor Fotografia”

Melhor Direção de Arte

E o embate entre “A Favorita” e “Roma” prossegue. Aqui, acredito que o longa estrelado por Emma Stone, Rachel Weiz e Olivia Colman seja o favorito, principalmente por que produções de época sempre são prestigiadas pela Academia e, nas últimas dez cerimônias, quatro filmes do gênero saíram com o prêmio.​ Além disso, “A Favorita” trata-se de um filme belíssimo, visualmente encantador, com cenários construídos de forma que nunca vi igual… é uma produção de tirar o fôlego!

“A Favorita”, indicado à “Melhor Direção de Arte”

Melhor Atriz Coadjuvante

Uma das categorias que me deixou mais confusa foi essa. Na hora que fizeram as indicações esqueceram a Claire Foy, que foi uma das melhores coisas em “O Primeiro Homem”; tiraram o nome da Marina de Tavira só Deus sabe de onde; e indicaram Emma Stone e Rachel Weiz, ambas de “A Favorita”, como coadjuvantes, quando poderiam ter indicado Olivia
Colman, que facilmente levaria a estatueta nessa categoria. Aqui fica a dúvida entre Amy Adams (Vice) e Regina King (Se a Rua Beale Falasse), mas acredito que esta ultima fature a estatueta, já que, no papel da mãe da uma garota que vê seu noivo sendo injustamente acusado de um crime e tendo que pagar por isso, ela é a força moral do filme, em uma atuação contida, porém nunca menos que segura.

Regina King em “Se a Rua Beale Falasse”, indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante

Melhor Ator Coadjuvante

Aqui eu não tive nenhuma dúvida! E acho que ninguém deve ter também… Apesar de ter admirado a performance de Richard E. Grant em “Poderia me Perdoar?” não tem como ignorar o talento absurdo de Mahershala Ali, que brilha insanamente em “Green Book: O Guia”. Baseei minha previsão aqui particularmente em uma cena do longa de Peter Farrelly, aquela na chuva, onde o personagem de Ali perde a compostura pela primeira vez no filme, e fala sobre como é ser um homem negro e gay, que não se encaixa com seu “próprio povo” devido à sua cultura e muito menos é tratado com dignidade pelos brancos americanos no final dos anos 60. Essa cena, amigos, me tirou o folego, me deixou toda arrepiada e a emoção nos olhos de Mahershala me fez chorar.

Mahershala Ali concorre ao Oscar de “Melhor Ator Coadjuvante” pelo longa “Green Book: o Guia”

Melhor Atriz

Se eu fosse seguir meu coração, daria esse Oscar pra Lady Gaga, que me surpreendeu e emocionou em “Nasce Uma Estrela”. Porém, quando olho para suas concorrentes, acredito que a performance dela não tem força pra brigar pela estatueta. Aqui descarto Olivia Colman, que não me pareceu uma protagonista em “A Favorita” e Yalitza Aparicio, de “Roma”, que não parece ter culhões pra essa briga de cachorro grande. Fiquei em dúvida entre Melissa McCarthy e seu trabalho incrível em “Poderia me Perdoar?” (gente, eu juro que essa mulher se transforma quando não tá tentando ser engraçada) e Glenn Close, numa performance METEÓRICA em “A Esposa”. Mesmo cheia de dúvidas, meu palpite é na Glenn, que durante o longa conseguia transmitir as mais diversas emoções apenas com um olhar.

Glenn Close, indicada ao Oscar de “Melhor Atriz” por “A Esposa”

Melhor Ator

Mesmo competindo com gigantes como Willem Dafoe (que acabou com a minha vida na pele de Van Gogh, durante o longa “No Portal da Eternidade”) e Viggo Mortensen de “Green Book: O Guia”, acredito que esse Oscar pertença à Christian Bale e sua transformação em Dick Cheney no filme “Vice”. Mesmo que aqui o favorito seja Rami Malek e seu Freddie Mercury de “Bohemian Rhapsody”, não vou conseguir respeitar a Academia se ela premiar a performance que mais imita do que atua de Malek.

Christian Bale em “Vice”, que disputa o prêmio de “Melhor Ator”

Melhor Direção

Minha aposta aqui é em Alfonso Cuarón por “Roma”. Além de ter sido indicado e saído vitorioso nas principais cerimônias do cinema, Cuarón representou, através de “Roma”, uma infinidade de coisas para o universo da sétima arte e ainda conseguiu emplacar um filme nada comercial, que não tem efeitos grandiosos, tem um ritmo lento, é todo preto e branco e ainda conta uma história muito particular sobre a vida e a dor de uma pessoa comum.  O sucesso desse longa desconstrói preconceitos, padrões e métricas para o cinema e suas pomposas premiações.

Alfonso Cuarón dirige Yalitza Aparicio em cena de “Roma” e concorre na categoria de “Melhor Direção”

Melhor Filme

Essa é a categoria que mais me deixou confusa e principal pivô da demora para que esse post visse a luz do dia. A razão é muito simples: EU NÃO FAÇO A MENOR IDEIA DE QUEM PODE LEVAR ESSE PRÊMIO!

“A Favorita”, que já mencionei ser brilhante em inúmeros quesitos é um dos meus favoritos nessa categoria, e talvez “Green Book: O Guia”, que é excelente, mas que não deve ir muito longe devido aos escândalos em que foi envolvido. “Infiltrado na Klan” é um filme genial, mas que não sei se tem condições de levar essa estatueta. Não acredito que a Academia premiaria “Pantera Negra” ou “Bohemian Rhapsody” e eleger o remake de um remake, como “Nasce Uma Estrela”, parece meio bizarro. “Vice” possui montagem e atuações estupendas, mas seria o bastante pra fazer dele o Melhor Filme?

Cenas dos Indicados ao Oscar de “Melhor Filme”

No fim das contas, sempre acabo voltando pra um filme: “Roma”.

Sei que “Roma” enfrenta inúmeras desvantagens em relação aos outros indicados. Como citei acima, trata-se de um filme nada comercial, que não tem efeitos grandiosos, tem um ritmo lento, é todo preto e branco, não é falado em língua inglesa e ainda por cima foi distribuído por um serviço de Streaming, para horror da Academia. Porém, não consigo deixar de apostar as minhas fichas nesse sucesso de crítica.

Então, seja o que Deus quiser. Mesmo cheia de dúvidas, tá na hora de fechar meu bolão particular e eleger meu palpite na categoria de “Melhor Filme”, e é em “Roma” que eu aposto.

“Roma”, indicado à “Melhor Filme”

Pra você que chegou até aqui, neste que foi o maior post que já escrevi na minha vida, meus parabéns! Se tiver interesse em conferir todos os indicados em todas as categorias do Oscar 2019, o link para o post esta aqui 😀 e também vou dividir a planilha que usei para me organizar na hora de assistir todos os filmes, dividida por prioridades (quantidade de indicações e categorias mais importantes), que ainda conta com a aba de palpites.

Obrigada pelas visitas e não deixem de compartilhar comigo suas opiniões e apostas para os grandes vencedores do Oscar 2019 aqui nos comentários!

Grammy 2019: Confira os vencedores da noite

Música

Na noite deste último domingo (10/02) aconteceu o 61º Grammy Awards, uma das principais premiações do mundo da música, e teve como anfitriã a maravilhosa Alicia Keys, consagrando “This is America”, de Child Gambino, que levou 4 prêmios, entre eles Melhor Gravação e Melhor Canção.

Além disso, Kacey Musgraves, a atual queridinha do country, ficou com o Álbum do Ano, entre diversos outros prêmios específicos do gênero country, nossa Lady Gaga foi premiada em 3 categorias e Dua Lipa foi a Artista Revelação.

Alicia Keys, anfitriã da noite

Confira abaixo os vencedores de todas as categorias:

ÁLBUM DO ANO
Invasion of Privacy – Cardi B
By the Way, I Forgive You – Brandi Carlie
Scorpion – Drake
H.E.R – H.E.R
Beerbongs and Bentleys – Post Malone
Dirty Computer – Janelle Monae
Golden Hour – Kacey Musgraves – VENCEU
Black Panther: The Album – Kendrick Lamar e vários artistas

GRAVAÇÃO DO ANO
I Like It – Cardi B, Bad Bunny & J Balvin
The Joke – Brandi Carlile
This is America – Childish Gambino – VENCEU
God’s Plan – Drake
Shallow – Lady Gaga & Bradley Cooper
All the Stars – Kendrick Lamar & SZA
Rockstar – Post Malone Feat. 21 Savage
The Middle – Zedd, Maren Morris & Grey

Childish Gambino, em “This is America”, Gravação e Canção do Ano

CANÇÃO DO ANO (COMPOSIÇÃO)
All the Stars – Kendrick Lamar & SZA (Compositores: Kendrick Duckworth, Solána Rowe, Al Shuckburgh, Mark Spears & Anthony Tiffith)
Boo’d Up – Ella Mai (Compositores: Larrance Dopson, Joelle James, Ella Mai & Dijon McFarlane)
God’s Plan – Drake (Compositores: Aubrey Graham, Daveon Jackson, Brock Korsan, Ron LaTour, Matthew Samuels & Noah Shebib)
In My Blood – Shawn Mendes (Compositores: Teddy Geiger, Scott Harris, Shawn Mendes & Geoffrey Warburton)
The Joke – Brandi Carlile (Compositores: Brandi Carlile, Dave Cobb, Phil Hanseroth & Tim Hanseroth)
The Middle – Zedd, Maren Morris & Grey (Compositores: Sarah Aarons, Jordan K. Johnson, Stefan Johnson, Marcus Lomax, Kyle Trewartha, Michael Trewartha & Anton Zaslavski)
Shallow – Lady Gaga & Bradley Cooper (Compositores: Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando & Andrew Wyatt)
This is America – Childish Gambino (Compositores: Donald Glover & Ludwig Goransson) – VENCEU

ARTISTA REVELAÇÃO
Chloe x Halle
Luke Combs
Greta Van Fleet
H.E.R
Dua Lipa – VENCEU
Margo Price
Bebe Rexha
Jorja Smith

Dua Lipa, Artista Revelação

MELHOR ÁLBUM DE POP COM VOCAIS
Camila – Camila Cabello
Meaning Of Life – Kelly Clarkson
Sweetener – Ariana Grande – VENCEU
Shawn Mendes – Shawn Mendes
Beautiful Trauma – P!nk
Reputation – Taylor Swift

MELHOR PERFORMANCE POP SOLO
Colors – Beck
Havana – Camila Cabello
Gos Is a Woman – Ariana Grande
Joanne (Where Do You Think You’re Goin?) – Lady Gaga – VENCEU
Better Now – Post Malone

Ariana Grande, Melhor Álbum Pop

MELHOR PERFORMANCE POP DE DUO OU GRUPO
Fall in Line – Christina Aguilera feat. Demi Lovato
Don’t Go Breaking My Heart – Backstreet Boys
‘S Wonderful – Tony Bennett & Diana Krall
Shallow – Lady Gaga e Bradley Cooper – VENCEU
Girls Like You – Maroon 5 feat. Cardi B
Say Something – Justin Timberlake e Chris Stapleton
The Middle – Zedd, Maren Morris e Grey

MELHOR MÚSICA DE RAP
Drake – God’s Plan – VENCEU
Kendrick Lamar – King’s Dead
Eminem – Lucky You
Travis Scott – Sicko Mode
Kendrick Lamar – Win

Drake, Melhor Música de Rap

MELHOR PERFORMANCE DE RAP
Be Careful – Cardi B
Nice For What – Drake
King’s Dead – Kendrick Lamar, Jay Rock, Future e James Blake – VENCEU
Bubblin – Anderson .Paak – VENCEU
Sicko Mode – Travis Scott, Drake, Big Hawk e Swae Lee

MELHOR PERFORMANCE DE ‘RAP CANTADO’
Like I Do – Christina Aguilera Featuring Goldlink
Pretty Little Fears – 6lack Featuring J. Cole
This Is America – Childish Gambino – VENCEU
All The Stars – Kendrick Lamar & SZA
Rockstar – Post Malone Featuring 21 Savage

Kendrick Lamar, Melhor Performance de Rap

MELHOR ÁLBUM DE RAP
Invasion of Privacy – Cardi B – VENCEU
Swimming– Mac Miller
Victory Lap – Nipsey Hussle
Daytona – Pusha T
Astro World – Travis Scott

MELHOR ÁLBUM DE R&B
Sex & Cigarettes – Toni Braxton
Good Thing – Leon Bridges
Honestly – Lalah Hathaway
H.E.R – H.E.R. – VENCEU
Gumbo Unplugged (Live) – PJ Morton

Card B, Melhor Álbum de Rap

MELHOR PERFORMANCE DE R&B
Long as I Live – Toni Braxton
Summer – The Carters
Y O Y – Lalah Hathaway
Best Part – H.E.R. feat. Daniel Caesar – VENCEU
First Began – PJ Morton

MELHOR MÚSICA DE R&B
“Boo’d Up” — Ella Mai – VENCEU
“Come Through And Chill” — Miguel Featuring J. Cole & Salaam Remi
“Feels Like Summer” — Childish Gambino
“Focus” — H.E.R.
“Long As I Live” — Toni Braxton

Ella Mai, Melhor Música de R&B

MELHOR PERFORMANCE DE ROCK
Four Out of Five – Arctic Monkeys
When Bad Does Good – Chris Cornell – VENCEU
Made An America – THE FEVER 333
Highway Tune – Greta Van Fleet
Unconfortable – Halestorm

MELHOR MÚSICA DE ROCK

Black Smoke Rising — Greta Van Fleet
Jumpsuit — Twenty One Pilots
MANTRA — Bring Me The Horizon
Masseduction — St. Vincent – VENCEU
Rats — Ghost

Os filhos de Chris Cornell, Toni Cornell e Christopher Cornell Jr. recebem o prêmio póstumo de Melhor Performance de Rock

MELHOR ÁLBUM DE ROCK
Rainier Fog – Alice In Chains
M A N I A – Fall Out Boy
Prequelle – Ghost
From The Fires – Greta Van Fleet – VENCEU
Pacific Daydream – Weezer

MELHOR GRAVAÇÃO DANCE/ELETRÔNICA
Northern Soul – Above & Beyond Featuring Richard Bedford
Ultimatum – Disclosure (Featuring Fatoumata Diawara)
Losing It – Fisher
Electricity – Silk City & Dua Lipa Featuring Diplo & Mark Ronson – VENCEU
Ghost Voices – Virtual Self


Greta Van Fleet, Melhor Álbum de Rock

MELHOR ÁLBUM DANCE / ELETRÔNICA
Singularity – Jon Hopkins
Woman Worldwide – Justice – VENCEU
Treehouse – Sofi Tukker
Oil Of Every Pearl’s Un-Insides – SOPHIE
Lune Rouge – TOKiMONSTA

MELHOR ÁLBUM DE URBAN CONTEMPORÂNEO
Everything Is Love – The Carters – VENCEU
The Kids Are Alright – Chloe x Halle
Chris Dave And The Drumhedz – Chris Dave And The Drumhedz
War & Leisure – Miguel
Ventriloquism – Meshell Ndegeocello

Justice, Melhor Álbum Dance/Eletrônica

MELHOR PERFORMANCE SOLO DE COUNTRY
Wouldn’t It Be Great? – Loretta Lynn
Mona Lisas And Mad Hatters – Maren Morris
Butterflies – Kacey Musgraves – VENCEU
Millionaire – Chris Stapleton
Parallel Line – Keith Urban

MELHOR PERFORMANCE EM DUPLA OU GRUPO DE COUNTRY
Shoot Me Straight – Brothers Osborne
Tequila – Dan Shay – VENCEU
When Someone Stops Loving You – Little Big Town
Dear Hate – Maren Morris Featuring Vince Gill
Meant To Be – Bebe Rexha & Florida Georgia Line

Dan + Shay, Melhor Performance em Dupla ou Grupo de Country

MELHOR CANÇÃO DE COUNTRY
Break Up In The End – Cole Swindell
Dear Hate – Maren Morris Featuring Vince Gill
I Lived It – Blake Shelton
Space Cowboy – Kacey Musgraves – VENCEU
Tequila – Dan + Shay
When Someone Stops Loving You – Little Big Town

MELHOR ÁLBUM DE COUNTRY
Unapologetically – Kelsea Ballerini
Port Saint Joe – Brothers Osborne
Girl Going Nowhere – Ashley McBryde
Golden Hour – Kacey Musgraves – VENCEU
From A Room: Volume 2 – Chris Stapleton


Kacey Musgraves, Melhor Canção de Country e Melhor Álbum de Country

MELHOR ÁLBUM DE POP LATINO
Prometo – Pablo Alborán
Sincera – Claudia Brant – VENCEU
Musas (Un Homenaje Al Folclore Latinoamericano En Manos De Los Macorinos), Vol. 2 – Natalia Lafourcade
2:00 am – Raquel Sofía
Vives – Carlos Vives

MELHOR COMPILAÇÃO DE TRILHA-SONORA
Call Me By Your Name – (Various Artists)
Deadpool 2 – (Various Artists)
The Greatest Showman – (Various Artists) – VENCEU
Lady Bird – (Various Artists)
Stranger Things – (Various Artists)

Claudia Brant, Melhor Álbum de Pop Latino

MELHOR TRILHA-SONORA ORIGINAL
Black Panther – VENCEU
Blade Runner 2049
Coco
The Shape Of Water
Star Wars: The Last Jedi

MELHOR CANÇÃO FEITA ESPECIALMENTE PARA MÍDIA VISUAL
All The Stars – Kendrick Lamar (Pantera Negra)
Mystery Of Love – Sufjan Stevens (Me Chame pelo seu Nome)
Remember Me – Miguel Feat. Natalia Lafourcade (Coco – A Vida é uma Festa)
Shallow – Lady Gaga & Bradley Cooper (Nasce uma Estrela) – VENCEU
This Is Me – Keala Settle (O Rei do Show)

Lady Gaga, Melhor Canção Feita Especialmente para Mídia Visual

PRODUTOR DO ANO, NÃO CLÁSSICO
Boi-1da
Larry Klein
Linda Perry
Kanye West
Pharrell Williams – VENCEU

MELHOR VIDEOCLIPE
Apes*** – The Carters
This Is America – Childish Gambino – VENCEU
I’m Not Racist – Joyner Lucas
PYNK – Janelle Monáe
MUMBO JUMBO – Tierra Whack

Pharrell Williams, Produtor do Ano – Não Clássico

Além disso a cerimônia do Grammy 2019 ainda contou com diversas performances, entre elas: Lady Gaga subiu ao palco com os co-compositores de “Shallow” e Shawn Mendes dividiu os holofotes com Miley Cyrus em um dueto maravilhoso de “In My Blood”. Rolou homenagem para a Dolly Parton, que reuniu Katy Perry, Miley Cyrus e Kacey Musgraves cantando com a lenda do country americano.

O ícone Alicia Keys ainda fez um medley sensacional onde cantou músicas que gostaria de ter escrito, enquanto tocava DOIS pianos! Entre as canções performadas pela dona de 15 Grammys, estão: “Killing Me Softly” (Roberta Flack), “Unforgettable” (Nat King Cole), “Use Somebody” (Kings Of Leon), “In My Feelings” (Drake) e “Empire State of Mind”, sua parceria com JAY-Z.

E aí, o que acharam dos vencedores da premiação que reúne e celebra os grandes nomes da música no ano?

[2019] Leituras de Janeiro

Literatura, Na Estante

Todo mundo já sabe que a leitura é um dos meus maiores hobbies, entretanto o ano passado e o anterior foram meio confusos nessa área da minha vida, e acabei vacilando um pouco com a minha meta de leituras nesses anos.

Como resolvi comigo mesma que 2019 seria um ano diferente em um monte de pontos, resolvi começar colocando meus objetivos literários em ordem e criando um cronograma de leitura diário pra conseguir cumprir com todos os desafios propostos (não apenas os literários, mas vamos falar disso em um outro post).

Janeiro foi um sucesso no quesito leituras, inclusive estava numa fase maravilhosa lendo vários romances LGBT em sequência, porém, com a correria do dia a dia, não consegui resenhar aqui todos os livros que li, então resolvi compartilhar todos eles num único post, com sinopses e comentários ocasionais.

Assim sendo, confiram abaixo a lista com as Leituras de Janeiro de 2019:

1 .”Minha Vida não é uma Comédia Romântica” – Lola Salgado

Chloe Tavares não aguenta mais assistir de camarote seus planos indo por água abaixo. Já desistiu de três faculdades, cansou de lidar com as implicâncias de tia Célia e, para piorar, ser atendente de telemarketing na CarreTel está longe de ser o emprego dos sonhos (o tarado que telefona diariamente é um dos motivos). Ela precisa tomar uma atitude e dar um jeito em sua vida. Por que, então, não começar com um amor como o das comédias românticas? É o item mais fácil da lista, certo? Porém, ela nem podia sonhar que acabaria sendo amaldiçoada no caminho. E, dentre todas as coisas saindo do controle, talvez a pior seja o fato de o seu melhor amigo, Tales Gentil, começar a provocar coisas esquisitas em seu coração.

A resenha completa deste livro vocês encontram aqui 😀


2. “O Primeiro Natal – Um conto da série Batidas Perdidas” – Bianca Briones

O Primeiro Natal é um conto da série Batidas Perdidas, em que Rafael e Viviane retornam para mostrar seu primeiro Natal como pais.
Nessa época tão linda e encantadora do ano, veremos como está a vida dos dois, como estão lidando com as perdas que tiveram ao longo dos anos e o quanto seu amor é forte para sustentá-los.



Este livro acabei não conseguindo resenhar, mas é sempre uma delicia poder reencontrar esses personagens que a gente tanto ama, principalmente num conto tão cheio de emoção quanto esse.


3. “Quinze Dias” – Vitor Martins

Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática. 

Mas as coisas fogem um pouco do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele estão viajando. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho. 

Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

A resenha completa deste livro vocês encontram aqui 😀


4. “Um Milhão de Finais Felizes” – Vitor Martins

Jonas não sabe muito bem o que fazer da vida. Entre suas leituras e ideias para livros anotadas em um caderninho de bolso, ele precisa dar conta de seus turnos no Rocket Café e ainda lidar com o conservadorismo de seus pais, sua mãe alimenta a esperança de que ele volte a frequentar a igreja, e seu pai não faz muito por ele além de trazer problemas.
Mas é quando ele conhece Arthur, um belo garoto de barba ruiva, que Jonas passa a questionar por quanto tempo conseguirá viver sob as expectativas de seus pais, fingindo ser uma pessoa diferente de quem é de verdade. Buscando conforto em seus amigos (e na sua história sobre dois piratas bonitões que se parecem muito com ele e Arthur), Jonas entenderá o verdadeiro significado de família e amizade, e descobrirá o poder de uma boa história.

Gente, esse livro! Eu não consigo nem explicar o turbilhão de emoções em que entrei ao ler esse livro! A única coisa que posso dizer é que quero ler Sereios Gays, então providenciem! 
(e se vocês não sabem do que estou falando, é por que está na hora de lerem essa história maravilhosa!)


5. “Você tem a Vida Inteira” – Lucas Rocha

As vidas de Ian, Victor e Henrique se encontram de uma forma inesperada.
Ian conhece Victor no dia em que recebe o resultado de seu teste rápido de HIV. Os dois são universitários. Victor está envolvido com Henrique. Ian está solteiro. Os três são gays.
Dois deles têm a vida atingida pela notícia de um diagnóstico positivo para o HIV. Um não tem o vírus. Um está indetectável. Dois estão apaixonados. Henrique é mais velho e, depois de Victor, pensou que poderia acreditar de novo em alguém. Victor têm medo do que o amor pode trazer para a sua vida. Ian sequer sabe se será capaz de amar. Os três são, ao mesmo tempo, heróis e vilões de uma história que não é sobre culpa, mas sim sobre amor, amigos e sobre como podemos formar nossas próprias famílias.

Eu fiquei tão impactada com esse livro. Só soube chorar com aquele final maravilhoso. E a mensagem mais importante, acima de tudo é: “Está tudo bem”.


6. “O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude” – Mackenzi Lee

Uma aventura romântica do século XVIII para a era moderna. Simon Versus a Agenda Homo Sapiens, encontra os anos 1700.

Henry “Monty” Montague nasceu e foi criado para ser um cavalheiro, mas nunca foi domado. Os melhores internatos da Inglaterra e a constante desaprovação do pai não conseguiram conter nenhuma das suas paixões – jogos de azar, álcool e dividir a cama com mulheres e homens.

Mas agora sua busca constante por uma vida cheia de prazeres e vícios está em risco. O pai quer que ele tome conta dos negócios da família. Mas antes Monty vai partir em seu Grand Tour pela Europa, com a irmã mais nova, Felicity, e o melhor amigo, Percy – por quem ele mantém uma paixão inconsequente e impossível. Monty decide fazer desta última escapada umafesta hedonista e flertar com Percy de Paris a Roma. Mas quando uma de suas decisões imprudentes transforma a viagem em uma angustiante caçada através da Europa, isso faz com que ele questione tudo o que conhece, incluindo sua relação com o garoto que ele adora.

Este, com certeza, foi um dos livros mais apaixonantes que já li em toda a minha vida! Fiquei muito impactada com a história, não apenas o romance me tirou o chão, mas toda a aventura e o mistério me deixaram sem fôlego.


7. “Apenas uma Garota” – Meredith Russo

Prestes a entrar na vida adulta, Amanda Hardy acabou de mudar de cidade, mas a verdadeira mudança de sua vida vai ser encarar algo muito mais importante: a afirmação de sua identidade. Tudo que ela mais quer é viver como qualquer outra garota. E, embora acredite firmemente que toda mudança traz a promessa de um recomeço, ainda não se sente livre para criar laços afetivos. Até que ela conhece Grant, um garoto diferente de todos os outros. Ela não consegue evitar: aos poucos, vai permitindo que Grant entre em sua vida. Quanto mais eles convivem, mais ela se sente impelida a se abrir e revelar seu passado, mas ao mesmo tempo tem muito medo do que pode acontecer se ele souber toda a verdade. Porque o segredo que Amanda esconde é que ela era um menino.

Em seu romance de estreia, Meredith Russo retrata o processo de transição de uma adolescente transexual, parcialmente inspirada em suas próprias experiências. Enquanto traz à tona questões difíceis como dilemas existenciais, preconceito e bullying, o livro também fala de forma esperançosa e leve sobre amizade, descobertas e autoaceitação.

Achei esse livro muito importante. Embora a história tenha me parecido um pouco fraca e superficial, a gente não pode negar a importância de um livro escrito por uma mulher trans, com uma protagonista trans e uma modelo trans na capa, abrindo caminho para muitos outros livros com este tema.


8. “Fera” – Brie Spangler

Dylan não é como a maior parte dos garotos de quinze anos. Ele é corpulento, tem quase dois metros de altura e tantos pelos no corpo que acabou ganhando o apelido de Fera na escola. Quando ele conhece Jamie, em uma sessão de terapia em grupo para adolescentes, se apaixona quase instantaneamente. Ela é linda, engraçada, inteligente e, ao contrário de todas as pessoas de sua idade, parece não se importar nem um pouco com a aparência dele. O que Dylan não sabe de início, porém, é que Jamie também não é como a maioria das garotas de quinze anos – ela é transgênera, ou seja, se identifica com o gênero feminino, mas foi designada com o sexo masculino ao nascer. Agora Dylan vai ter que decidir entre esconder seus sentimentos por medo do que os outros podem pensar ou enfrentar seus preconceitos e seguir seu coração.

Enquanto minha leitura anterior à essa foi um tanto quanto rasa, este livro, mesmo não tendo a protagonista trans, foi muito mais intenso e impactante. Nós não temos em nenhum momento o ponto de vista da Jamie, mas é possível sentir suas emoções e ter uma empatia gigantesca pela personagem. Além de falar sobre uma adolescente transgênera, o livro também aborda o bullying, o medo, o preconceito e a aceitação do próprio corpo, seja você transgênero ou não.


Enfim gente, essas foram as minhas leituras de janeiro. Preciso dizer que estou bem orgulhosa de ter voltado ao meu antigo ritmo, já que fiquei bem chateada comigo mesma quando vi que a minha lista de leituras de 2018 contou apenas com 30 livros 💔

Agora é só manter o ritmo e voltar no final de fevereiro com a minha listinha de livros do mês 😉

E aí, o que vocês estão lendo?

Confira os Indicados ao Oscar 2019

Cinema

Atenção, cinéfilos e cinéfilas do meu Brasil!

A espera finalmente acabou!

Foi liberada hoje (terça-feira, 22/01), às 11h20 (horário de Brasília) a tão aguardada lista com os filmes que concorrem ao prêmio máximo do cinema!

Apertem os cintos, e confiram abaixo os Indicados ao Oscar 2019:

Melhor Filme

Pantera Negra
Infiltrado na Klan
Bohemian Rhapsody
A Favorita
Green Book: O Guia
Roma
Nasce Uma Estrela
Vice

“Green Book”

Melhor Atriz

Yalitza Aparicio (Roma)
Glenn Close (A Esposa)
Olivia Colman (A Favorita)
Lady Gaga (Nasce Uma Estrela)
Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

Melhor Ator

Christian Bale (Vice)
Bradley Cooper (Nasce Uma Estrela)
Willem Dafoe
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

“Nasce uma Estrela”

Melhor Atriz Coadjuvante

Amy Adams (Vice)
Marina De Tavira (Roma)
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
Emma Stone (A Favorita)
Rachel Weisz (A Favorita)

Melhor Ator Coadjuvante

Mahershala Ali (Green Book)
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
Sam Rockwell (Vice)

“Vice”

Melhor Direção

Spike Lee
Pawel Pawlikowski
Yorgos Lanthimos
Alfonso Cuarón
Adam McKay

Melhor Roteiro Original

The Favourite
First Reformed
Green Book
Roma
Vice

“Infiltrado na Klan”

Melhor Roteiro Adaptado

The Ballad of Buster Scruggs
BlacKkKlansman
Can You Ever Forgive Me?
If Beale Street Could Talk
A Star is Born

Melhor Figurino

The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra
A Favorita
O Retorno de Mary Poppins
Duas Rainhas

“A Favorita”

Melhor Cabelo

Border
Mary Queen of Scots
Vice

Melhor Direção de Arte/Design de Produção

Black Panther
The Favourite
First Man
Mary Poppins Returns
Roma

“Roma”

Melhor Trilha Sonora

Pantera Negra
Infiltrado na Klan
Se a Rua Beale Falasse
Ilha de Cachorros
O Retorno de Mary Poppins

Melhor Canção Original

All the Stars – Black Panther
I’ll Fight – RBG
The Place Where Lost Things Go – Mary Poppins Returns
Shallow – A Star is Born
When A Cowboy Trades His Spurs For Wings – Ballad of Buster Scruggs

“Pantera Negra”

Melhor Fotografia

Cold War
The Favourite
Never Look Away
Roma
A Star is Born

Melhor Edição

Infiltrado na Klan
Bohemian Rhapsody
A Favorita
Green Book: O Guia
Vice

“Bohemian Rhapsody”

Melhor Edição de Som

Pantera Negra
Bohemian Rhapsody
O Primeiro Homem
Um Lugar Silencioso
Roma

Melhor Mixagem de Som

Pantera Negra
Bohemian Rhapsody
O Primeiro Homem
Roma
Nasce Uma Estrela

“O Primeiro Homem”

Melhores Efeitos Visuais

Avengers: Infinity War
Christopher Robin
First Man
Ready Player One
Solo: A Star Wars Story

Melhor Documentário

Free Solo
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Of Fathers and Sons
RBG

“Vingadores – Guerra Infinita”

Melhor Animação

Os Incríveis 2
Ilha de Cachorros
Mirai
Wifi Ralph
Homem-Aranha no Aranhaverso

Melhor Filme Estrangeiro

Capernaum
Cold War
Never Look Away
Roma
Shoplifters

“Homem-Aranha no Aranhaverso”

Melhor Curta Metragem – Animação

Animal Behavior
Bao
Late Afternoon
One Small Step
Weekends

Melhor Curta Metragem – Documentário

Black Sheep
End Game
Lifeboat
A Night at the Garden
Period. End of Sentence.

“Animal Behavior”

Melhor Curta Metragem – Live-Action

Detainment
Fauve
Marguerite
Mother
Skin

Já estou preparando meu plano de ação para assistir a maioria desses filmes antes da cerimônia e fazer as minhas previsões, mas não é preciso ser um grande gênio para afirmar que “Green Book” e “Roma” são os favoritos da noite.

A cerimônia do Oscar vai ao ar no dia 24 de fevereiro, domingo, a partir das 22h (horário de Brasília).

E vocês, gente? Já têm suas apostas?

Me contem aqui nos comentários 😉

“Quinze Dias”

Literatura, Na Estante

Acho que já devo ter comentado aqui como tenho muita raiva de mim mesma quando fico muito tempo com um livro espetacular esquecido na prateleira.

Pois é, aconteceu de novo.

Comprei o “Quinze Dias” na Bienal do Livro do Rio de Janeiro de 2017, por puro consumismo, depois de conhecer o Vitor Martins, autor dessa obra prima contemporânea, no estande da Globo Alt e ele narrar pra mim a premissa de sua história:

Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática. 

Mas as coisas fogem um pouco do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele estão viajando. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho. 

Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

Por mais que “Quinze Dias” pareça ser um livro com uma jornada “mundana”, sobre duas pessoas se conhecendo e se apaixonando durante 15 dias, havia algo de muito especial nessa premissa, uma coisa que a gente não vê por aí com muita frequência: um romance LGBT, leve e gostoso, como se fosse um desses filmes românticos, e sem final trágico (segundo o próprio Vitor Martins me informou antes da minha compra).

“E então, para quebrar o silêncio, eu digo a verdade. Porque quem diz a verdade abre o caminho para as coisas boas. Acho que foi minha mãe quem disse isso uma vez. Ou Dumbledore.”

Não me entendam mal, mas eu tô cansada de assistir filmes LGBT em que no final as duas pessoas nunca conseguem ser felizes, sempre tem uma delas que morre, ou não consegue sair do armário, ou um milhão de outros dramas. Eu só queria uma história leve e engraçada, cheia de amor e com um final maravilhoso e eu finalmente encontrei!

E essa é a minha coisa favorita sobre “Quinze Dias”.

Minha outra coisa favorita é que, mesmo o Felipe sendo gay, esse não é o “problema” da vida dele, pelo contrario, o personagem é muito bem resolvido sobre sua sexualidade, porém enfrenta muitos problemas de auto-estima e é assombrado pelas inseguranças que só um adolescente gordo, que sofre diariamente com bullying na escola, é capaz de entender.

“Terapia não é coisa de maluco! Na verdade, tem muita gente que fica maluca por falta de terapia!”

Nesses “Quinze Dias”, além de conviver com Caio, Felipe também vai amadurecer e aprender a se amar e a se achar lindo, exatamente do jeito que ele é. É notável a evolução do personagem durante a história. Como ele passa da pessoa que não consegue trocar duas palavras com Caio, para o garoto que conversa com o outro apenas no escuro, até enfim, depois de muito trabalho na terapia, conseguir falar com seu crush e mostrar quem realmente é.

“Eu já assisti a comédias românticas e frequentei sessões de terapia por tempo demais para saber que a minha felicidade não pode depender de outra pessoa. Mas ainda assim eu queria ter alguém que me chamasse de Vida e me convencesse a entrar na piscina e dissesse que me ama baixinho, de um jeito que só dá pra ouvir bem de perto.”

Todos os personagens são muito bem construídos, e muito bem aproveitados no decorrer da história, e eu me apaixonei por cada um deles de um jeito muito único e especial, principalmente pela mãe do Felipe. Que mulher maravilhosa, gente! Que personagem carismática e incrível.

“Todas as mães são, Felipe. Está na nossa genética. É difícil não ficar doida depois que um ser humano sai de dentro de você.”

Também me apaixonei pela pluralidade de seres humanos habitando as 208 páginas de “Quinze Dias”. Obrigada, Vitor, por me dar gays, lésbicas, gordos e gordas, e por trazer essa mensagem tão importante:

“Você não deveria ter vergonha de ser quem você é.”

O livro é super leve e gostoso de ler, Deus sabe que, se tivesse tido tempo nessa vida corrida, teria lido numa sentada só, por que não queria e mal conseguia parar de ler! Apesar de abordar homossexualidade, bullying, preconceito e as diferentes relações familiares, a trama flui de maneira natural e suave, com todos os temas sendo bem explorados, mas sem sufocar o leitor.

“Gente babaca vai existir sempre, mas a gente aprende a resistir. E isso é o mais importante. Não abaixar a cabeça e lutar pelo que você acredita.”

Chorei e me emocionei com os diálogos mais tocantes e também dei risadas muito altas no transporte público com inúmeras situações vividas por esses personagens tão queridos. Fiquei estupidamente empolgada com todas as referências à Cultura Pop e morri de amores por esse casal fofo e maravilhoso. Eu queria muito ser amiga deles. Sério.

“Conversas que nos ensinam coisas novas são as melhores conversas.”

No mais, a escrita do Vitor Martins é muito especial. Em momento algum senti que estava lendo um livro. A cada página, mais parecia que um amigo estava me contando essa história. Fiquei fascinada com a narrativa, com a simplicidade do enredo e das situações cotidianas, tão bem orquestradas, que mais pareciam a vida real. Só posso desejar que algum dia eu consiga escrever desse jeito.

“O mundo inteiro é seu.”

Enfim, “Quinze Dias” é um livro espetacular, a comédia romântica LGBT que todos nós pedimos à Deus, e ainda têm o bônus de ter sido escrito por um autor nacional mais do que talentoso!

E aí, já leu essa história?

Me conta aqui nos comentários 😉

“Homem-Aranha no Aranhaverso”

Cinema, Nas Telonas

Durante a CCXP de 2017 pude acompanhar o painel da Sony Pictures e assistir em primeira mão a entrevista com os produtores Christopher Miller e Phil Lord, que nos apresentaram, com exclusividade, o primeiro teaser de “Homem-Aranha no Aranhaverso”.

Desde então estou completamente obcecada com a ideia desse filme e praticamente fiz um calendário mental para contar os dias até sua estreia.

A espera acabou na última quinta-feira, 10 de janeiro, quando chegou aos cinemas de todo Brasil a mais nova animação do Teioso.

Situada no Universo Ultimate, a trama acompanha os passos do jovem Miles Morales, que se tornou o Homem-Aranha inspirado no legado de Peter Parker, já falecido. Entretanto, ao visitar o túmulo de seu ídolo em uma noite chuvosa, ele é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói aracnídeo sob um sobretudo. A surpresa fica ainda maior quando Miles descobre que ele veio de uma dimensão paralela, assim como outras versões do Homem-Aranha.

“Homem-Aranha no Aranhaverso” é um respiro delicioso depois de todos os longas centrados em Peter Parker. Parece que a Sony finalmente entendeu que o público já estava meio cansado da mesma história de origem e resolveu investir em um novo protagonista, com uma nova história, novos dilemas e novos problemas.

A animação é uma das coisas mais bonitas e diferentes que já vi. Não EXISTE nada assim na história do cinema e parece que estamos assistindo a um quadrinho animado em três dimensões. Sério, a Direção de Arte desse filme é inacreditável, tudo nele é visualmente impressionante.

Além do visual belíssimo, que mistura diversos estilos de animação, o filme ainda faz várias referências aos quadrinhos, com os quadros de pensamento e os sons e barulhos. Fora todas as homenagens sutis aos Aranhas anteriores, não só os animados, mas também os live-actions e até os memes da internet.

O design é impecável e equilibra muito bem os traços em 2D dos Aranhas secundários com os em 3D do trio principal. Amei a clara referência aos animes com a Peni Parker e aos cartoons com o Porco Aranha, e tudo isso sem forçar a barra, é muito natural e bonito na tela.

Falando em coisas naturais e bonitas na tela, a interação entre os personagens é fantástica e cada um deles têm seu espaço para brilhar. Até mesmo os vilões, que tem pouco tempo em tela, são apresentados com uma profundidade palpável.

Outro ponto alto da animação é a trilha sonora, que estou escutando desde que sai do cinema:

O roteiro é impecável e muito bem desenvolvido, com diálogos coerentes e uma trama super convincente. O longa sabe equilibrar perfeitamente as sequências de ação, com a comédia e os momentos mais emocionantes. Perdi as contas de quantas vezes gargalhei no cinema, quantas vezes vibrei e gritei pelos personagens, e também quantas chorei em momentos de emoção pura.

“Homem-Aranha no Aranhaverso” não é apenas a melhor animação que já assisti, quiça o melhor filme do Homem-Aranha já feito. Talvez seja também o melhor longa de Super Heróis da atualidade.

Além de cair no gosto do público, o filme ainda levou o Globo de Ouro e o Critics Choice Movie Awards de Melhor Animação e estou com os dedos cruzados e torcendo muito para que ele receba também uma estatueta do Oscar

E aí, já foi aos cinemas conferir a nova aventura do Cabeça de Teia?

Me conta o que achou aqui nos comentários 😉

P.S.: a animação conta não apenas com uma, mas com duas cenas pós-créditos e, acredite em mim, você não vai querer sair do cinema sem assisti-las!

“Minha vida (não) é uma comédia romântica”

Literatura, Na Estante

No ano passado tive o prazer imenso de conhecer a escrita da autora Lola Salgado, através de seu livro “Sol em Júpiter“, publicado pela Harlequin. Lembro de ter sido fisgada primeiramente pela capa maravilhosa, pelo nome, que me remetia à astrologia (e todos sabemos que esse é meu calcanhar de Aquiles – vejam aqui), e, por fim, me apaixonei pela sinopse. Devorei o livro em pouquíssimo tempo e ele virou um dos meus favoritos de 2018.

Sério, eu fiquei tão obcecada pela história, e consequentemente pela autora, que minha primeira parada na Bienal do Livro de 2018 foi no estande da HarperCollins pra poder conhecê-la e dizer o quanto “Sol em Júpiter” tinha sido importante pra mim. Os detalhes desse encontro, vocês podem ler neste post aqui.

Sendo assim, a minha primeira leitura de 2019 não poderia deixar de ser o novo livro da autora, lançado em e-book pela Amazon, “Minha vida (não) é uma comédia romântica” entrou pra minha lista de desejos assim que a Lola liberou a capa no seu Instagram, em outubro, junto com a sinopse:

Chloe Tavares não aguenta mais assistir de camarote seus planos indo por água abaixo. Já desistiu de três faculdades, cansou de lidar com as implicâncias de tia Célia e, para piorar, ser atendente de telemarketing na CarreTel está longe de ser o emprego dos sonhos (o tarado que telefona diariamente é um dos motivos). Ela precisa tomar uma atitude e dar um jeito em sua vida. Por que, então, não começar com um amor como o das comédias românticas? É o item mais fácil da lista, certo?
Porém, ela nem podia sonhar que acabaria sendo amaldiçoada no caminho. E, dentre todas as coisas saindo do controle, talvez a pior seja o fato de o seu melhor amigo, Tales Gentil, começar a provocar coisas esquisitas em seu coração.

Pela sinopse pode parecer só mais um daqueles livros super clichês sobre se apaixonar pelo melhor amigo, mas gente, GENTE, não é! NÃO É SÓ ISSO NÃO! Eu ainda diria que o romance, mesmo sendo o foco principal da protagonista, acaba ficando em segundo plano quando a gente analisa o livro como um todo. “Minha vida (não) é uma comédia romântica” na verdade é sobre se descobrir e encontrar o seu lugar no mundo.

A Chloe tá perdidinha gente. Ela não sabe o que quer pra si mesma e nem qual rumo seguir na vida dela. A garota tá totalmente frustrada por trabalhar num telemarketing, ainda morar com os pais e não conseguir encontrar um curso na faculdade que vai realiza-la. O problema é que ela acha que arrumar um namorado vai fazer ela se sentir completa de novo e acaba ficando obcecada com isso, se metendo nas maiores enrascadas que vocês puderem imaginar.

Durante a leitura muitas vezes me vi na própria Chloe. Várias situações, inúmeras frases e incontáveis atitudes da personagem já aconteceram comigo, e me peguei as vezes rindo demais e as vezes chorando também, por que entendia muito bem os dramas pelos quais ela estava passando e sabia como certas coisas doíam.

A escrita da Lola é tão maravilhosa, que quando me dei conta estava percebendo as coisas junto com a Chloe. Por exemplo: no inicio da trama, a protagonista enxerga seu melhor amigo apenas assim, como um amigo, e eu também só o via assim. Chegou um ponto do livro em que fiquei morrendo de medo de não conseguir shippar o casal quando o momento chegasse. Mas então, quando Chloe começa a ter aqueles sentimentos conflitantes por Tales, GENTE, eu também comecei! Fiquei babando por ele igual ela!

Fora isso, todos os personagens são tão verdadeiros, tão tangíveis. É como se você virasse a esquina e pudesse dar de cara com eles, pois são pessoas comuns, com defeitos e qualidades. Eu desafio qualquer um a ler essa história e não enxergar na própria família uma Tia Célia, aquela pessoa que te ama sim (do jeito dela), mas não consegue deixar de fazer comentários mordazes, que fazem você se sentir um lixo, só pra poder se sentir melhor consigo mesma. Ou então uma Thais, aquela amiga que te entende por completo e nunca te julga.

A autora ainda foi super inclusiva, nos presenteando com uma variedade étnica enorme nesse livro, inclusive a própria protagonista é negra. Também amei que ela abordou a transição capilar e como a Chloe encontrou a própria identidade através dela, e ainda inspirou outras pessoas a passarem pelo processo.

“Minha vida (não) é uma comédia romântica” é aquele livro delicioso, que você termina de ler em uma sentada (se tiver tempo), que te faz rir loucamente, te faz chorar de emoção e de ódio em algumas situações, mas principalmente, é um livro que deixa o coração quentinho quando termina. Além de te fazer pensar um bocado na vida e nas suas escolhas.

Eu não poderia ter começado meu 2019 melhor ♥

E vocês, gente? O que estão lendo nesse 2019?

Me contem aqui nos comentários 🙂

“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”

Cinema, Nas Telonas

Na semana passada estreou nos cinemas de todo o Brasil um novo capítulo do “Wizard Word” concebido por J.K. Rowling, autora da série de livros do bruxo mais famoso do mundo. Desta vez a aventura é nas telas dos cinemas com “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald“, que conta com roteiro da própria Rowling e direção de David Yates, o responsável pelos quatro últimos filmes da série “Harry Potter” nos cinemas.

O segundo filme da franquia “Animais Fantásticos” se passa na Paris de 1928, apenas alguns meses após os acontecimentos de seu antecessor:

No longa, Newt Scamander (Eddie Redmayne) reencontra os queridos amigos Tina Goldstein (Katherine Waterston), Queenie Goldstein (Alison Sudol) e Jacob Kowalski (Dan Fogler). Ele é recrutado pelo seu antigo professor em Hogwarts, Alvo Dumbledore (Jude Law), para enfrentar o terrível bruxo das trevas Gellert Grindelwald (Johnny Depp), que escapou da custódia da MACUSA (Congresso Mágico dos EUA) e reúne seguidores, dividindo o mundo entre seres mágicos de sangue puro e seres não-mágicos.

Como Potterhead assumida, vou confessar que tinha grandes expectativas quanto à essa sequência, mas antes mesmo de comparecer aos cinemas para conferi-la fui bombardeada com inúmeros headlines de críticas negativas.

Obviamente evitei ler os textos pra não haver nenhuma influência na minha opinião, mas baixei minhas expectativas consideravelmente e devo dizer, nem isso ajudou muito.

Não é que o filme seja de todo ruim. Ele tem suas partes satisfatórias, como por exemplo o belíssimo visual, como todos os outros filmes desse Mundo Mágico, não decepciona. 
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” pode muito bem receber indicações ao Oscar por “Melhores Efeitos Visuais”, “Melhor Maquiagem e Penteado” e “Melhor Figurino”. Inclusive o 3D desse longa é uma das melhores experiências que já tive, e olha que não sou muito fã, mas neste filme foi quase como magia, rs.

Outro ponto alto do filme foi a participação de Jude Law na pele de Alvo Dumbledore. Embora com pouco tempo de tela, o ator nos mostrou toda sua versatilidade ao cumprir com louvor a missão de interpretar um personagem tão icônico quanto o futuro Diretor de Hogwarts em sua versão mais jovem. É incrível como até alguns trejeitos de Michael Gambon (o Dumbledore da franquia “Harry Potter”) foram incorporados à performance de Law e trouxeram muito mais veracidade para o personagem.

Outra atuação digna foi a de Johnny Depp, que retornou como Gerardo Grindelwald. Embora eu não saiba muito bem se foi a performance de Depp que foi boa ou se meu ranço pelo ator transcendeu e contribuiu pro meu ódio pelo personagem… O caso é que Depp é tremendamente convincente na pele desse vilão, que não distribui sorrisos ou trejeitos bizarros como seus personagens anteriores, mas é frio e polido, sem exageros, e não convence seus seguidores pelo medo, como o cruel Voldermort, mas sim pela lábia afiada.

No cinema até brincamos chamando o personagem de “Bolsonaro Bruxo” e no final das contas essa foi a comparação mais verdadeira que fizemos quanto ao antagonista desta franquia. Foi assustador de tão verídico acompanhar como ele arrebanhava discípulos com apenas um discurso distorcido.

Infelizmente os pontos altos do filme ficam por aqui e não foram suficientes para fazer de 
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” um longa satisfatório. Precisamos encarar um simples fato: J.K. Rowling é uma estupenda escritora de literatura, mas não é assim tão boa quando se trata de escrever um roteiro para o cinema.

E acho que o maior exemplo disso é o pouco brilho que o quarteto protagonista tem em tela. Não é um desempenho ruim, mas não é algo memorável como estamos acostumados em se tratando do Mundo Mágico (passaram bem longe de Harry, Rony e Herminone). Acho, inclusive, que se a gente tirasse Newt, Tina, Jacob e Queenie, a narrativa ficaria na mesma.

Me lembro da época em que “Animais Fantásticos e Onde Habitam” estreou nos cinemas e muita gente caiu matando em cima e criticou demais o roteiro da escritora, enquanto me mantive firme defendendo uma das minhas heroínas. E a verdade é que o roteiro do filme anterior da franquia não foi tão ruim e tão cheio de pontas soltas quanto esse. Muita gente vai dizer que essas pontas soltas na verdade são ganchos para as sequências, mas a sensação que tive na sala de cinema foi só a de enormes buracos na história. Assim não da pra te defender, J.K..

E que história, não é mesmo? Estou procurando pelos “Crimes de Grindelwald” até agora. E também pelos “Animais Fantásticos”. E se perguntarem, não consigo traçar uma linha clara do enredo desse filme. Parece que não acontece nada, mesmo que um milhão de coisas tenham acontecido. Juro que foi como sair do cinema depois da sessão de “O Hobbit: A Desolação de Smaug”: o mesmo filme longo, parado e em alguns pontos meio chato, com graves problemas de continuidade e sem nenhum clímax.

Mas pelo menos em O Hobbit eles tinham o dragão.

Acredito que se o roteiro tivesse focado em apenas dois plots e desenvolvido eles com propriedade, o filme teria sido um sucesso. Porém é muito difícil dar foco em 84 tramas diferentes no cinema. Pode ficar incrível nas páginas de um livro, mas as telas são uma mídia completamente diferente e algumas coisas precisam ser cortadas pelo bem do desenvolvimento do enredo.

Não quero nem comentar no desperdício da personagem Leta Lestrange, vivida por Zoë Kravitz, que poderia ter tido muito mais atenção e um plot muito mais bem desenvolvido. A história da personagem era incrível, mas acredito que se tivesse tido mais tempo para desenvolvimento em filmes futuros teria sido mais bem aproveitada. E olha que ela foi apenas um dos meus botes de expectativa afundados por esse longa. Decepção define.

Minha outra canoa naufragada foi a do Nicolau Flamel, que só apareceu como fan service e não fez nada de útil além de ser engraçadinho na cena com o Jacob. Gente, pra que colocar um dos nomes de mais peso no Mundo Bruxo num filme, se ele só vai aparecer pra ser inútil, contradizendo tudo o que ouvimos falar dele na saga “Harry Potter”?

E esse também é o caso da Nagini, concebida apenas pra ser a broderzinha do Credence, sem nenhuma relevância real para a história. E mais uma vez eu repito: pra que enfiar essa personagem no enredo? Pra que mais um plot com desenvolvimento precário?

Enfim, como puderam notar este é o relato de uma fã ensandecida de desgosto. Posso ficar aqui o dia todo falando mal desse filme, mas não garanto não jogar nenhum spoiler cabeludo na cara das pessoas.

No fim das contas  o que precisam saber é que é um filme lindo (visualmente falando), que, se você é um fã de Harry Potter, vale a pena sim conferir e tirar suas próprias conclusões. Se no final você não curtir, vai ter valido a pena por rever Hogwarts mais uma vez, ficar todo arrepiado (a) e chorar um pouquinho de saudade. Vai valer pelo Dumbledore e também pelo 3D mais magnifico que assistirá na vida.

Agora, é impontante ir preparado para um filme com muitos plots, onde nenhum deles é desenvolvido com eficiência, momentos em que você não sabe o que está acontecendo (e não de um jeito bom), e momentos totalmente desnecessários e que não fazem sentido algum.

Mas, talvez o mais importante: esteja preparado para um filme sem nenhum clímax no final e com um gancho para a sequência que deveria ser um plot-twist-mind-blowing, mas só conseguiu deixar os fãs confusos e furiosos, e gritando FAKE NEWS na sala de cinema. Inclusive, todos os possíveis plot twists dessa narrativa (e aqui inclui-se a mudança de lado de alguns personagens) foram tão mal elaborados que só pareceram um negócio meio sem pé nem cabeça.

E aí? Já assistiram “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”?

Me contem aqui nos comentários o que acharam.