Oscar 2019: Os Vencedores da Noite

Cinema

Na noite do último domingo (24/02) foi ao ar a cerimônia do Oscar 2019 e quem me acompanha pelo Instagram pôde conferir em momento real a premiação. Se você perdeu meus surtos, não se preocupe! Tá tudo registradíssimo nos destaques da minha bio, e você pode conferir aqui.

Esse Oscar me deu algumas rasteiras, e várias coisas que eu considerava como certas acabaram se revelando equivocadas. Entre elas: o flop de “A Favorita”, um dos meus filmes prediletos dessa temporada, que teve 10 indicações e acabou levando apenas uma estatueta, e essa estatueta era justamente a que eu jurava já pertencer à Glenn Close, atualmente a atriz viva com mais “derrotas” no Oscar (parece que ela caiu na Maldição do DiCaprio).

Eu, assistindo esse Oscar

Sem mais delongas, vou listar abaixo os filmes vencedores e tecer alguns comentários:

Bohemian Rhapsody, foi o grande vencedor da noite, abocanhando 4 estatuetas, entre elas:

Melhor Edição de Som;
Melhor Mixagem de Som;
Melhor Montagem;
Melhor Ator;

E eu tô bem pistola com esses prêmios todos. Sério gente, a Academia surtou geral. Ou esse Oscar tá comprado. São as únicas explicações pra “Bohemian Rhapsody”, um longa divertido e sobre uma banda que todo mundo ama, sim, porém cheio de problemas técnicos e com uma das Montagens mais cagadas que já vi na vida ter levado esse prêmio.

Eu, assistindo esse Oscar

E não vou nem falar do desgosto que foi esse Oscar de Melhor Ator pro lip sync mais caricato de todos os tempos. Eu sei que a atuação do Rami Malek dividiu opiniões, mas sinceramente, eu não senti que ele estava atuando ali, achei a imitação dele do Fred Mercury tremendamente irrisória e não entendi por que resolveram premiar isso. Todos os atores que concorriam nessa categoria tinham atuações muito mais consistentes que a do Malek, até o Bradley Cooper merecia mais.

Sobre os prêmios de som, faz sentido, com todas aquelas cenas de shows, porém, se fosse pra ir por esse lado, preferia que “Nasce Uma Estrela” levasse.

Rami Malek, vencedor do Oscar de Melhor Ator por “Bohemian Rhapsody”

Green Book, mesmo cercado por diversas polêmicas, não se deixou abater e garantiu 3 estatuetas, entre elas a do prêmio principal:

Melhor Filme;
Melhor Roteiro Original;
Melhor Ator Coadjuvante;

Olha gente, sinceramente gostei muito de Green Book, e achei sim que ele tinha condições de levar Melhor Roteiro e Melhor Filme, ENTRETANTO, e esse é um grande entretanto, premiar um filme envolvido em diversos escândalos que vão do racismo ao assédio sexual, é um tapa na cara que transforma todos os esforços de inclusão que a Academia teve ao indicar filmes como “Infiltrado na Klan”, “Pantera Negra”, “Roma” e “Se a Rua Beale Falasse”, em pó. É como se estivessem legitimando preconceito e misoginia. Não faz sentido e ainda me faz pensar que a Academia está mudando sim, mas para pior.

Sinceramente, só não questiono o Oscar do Mahershala Ali.

Mahershala Ali, vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por “Green Book: O Guia”

Roma, um dos grandes favoritos da noite, com 10 indicações, levou apenas 3 estatuetas e me deixou bem desconfortável por não ter levado o prêmio de Melhor Filme, que além de merecido, ia mostrar pra industria qual era a nova cara da Academia. Seus prêmios foram:

Melhor Direção;
Melhor Fotografia;
Melhor Filme Estrangeiro;

Acho que quando foi anunciado o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro eu já sabia que Roma não levaria o prêmio principal da noite, mas não esperava a rasteira que citei aqui em cima. No mais, temos que exaltar muito Alfonso Cuarón, que roteirizou, produziu, fez a fotografia e dirigiu essa verdadeira obra de arte.

Alfonso Cuarón com seus prêmios de Melhor Direção, Melhor Fotografia e Melhor Filme Estrangeiro

Pantera Negra, com 7 indicações, o primeiro filme de herói a ser indicado na categoria principal do prêmio, também não decepcionou e faturou 3 estatuetas:

Melhor Direção de Arte;
Melhor Figurino;
Melhor Trilha Sonora;

Eu não tenho do que reclamar desses prêmios. Apesar de só ter apostado que levariam Melhor Figurino, cada uma dessas estatuetas foi mais do que merecida.

Jay Hart e Hannah Beachler, vencedores do Oscar de Melhor Direção de Arte por “Pantera Negra”

Vice, que era um dos favoritos, com 8 indicações, e que na minha opinião deveria ter levado os prêmios de Melhor Montagem e Melhor Ator também, acabou ficando apenas com a estatueta de Melhor Maquiagem.

Outro queridinho tombado, A Favorita, com 10 indicações, levou apenas o inesperado Oscar de Melhor Atriz para Olivia Colman. Não que a performance de Olivia tenha sido ruim, passou bem longe disso, ela foi incrível neste longa, porém dividia o protagonismo do filme com Emma Stone e Rachel Weiz (inclusive acredito que todas elas tenham praticamente o mesmo tempo de tela, o que me deixou bem confusa com essa indicação), e além de tudo tem a questão de que tava todo mundo contando com esse Oscar pra Glenn Close.

Esse provavelmente foi aquele momento em que pensaram “Eita, esquecemos de premiar um dos favoritos, toma esse Oscar aqui mesmo”.

Olivia Colman, vencedora do prêmio de Melhor Atriz por “A Favorita”

Meus tombos prosseguiram com os vencedores das categorias a seguir:

Melhor Curta-Metragem: Skin;
Melhor Documentário: Free Solo;
Melhores Efeitos Visuais: O Primeiro Homem;

Mesmo tendo errado esses palpites, o único que me incomodou levar o prêmio foi O Primeiro Homem. Eu até entendo os motivos: se pararmos pra pensar nos Efeitos Visuais que realmente tornaram reais os acontecimentos do filme, é bem merecido, nunca vou esquecer a primorosidade daquela cena do primeiro pouso na Lua.

Porém, em “Vingadores: Guerra Infinita” vemos pousos ATRAVÉS DO UNIVERSO, um monte deles aliás, bando de arrombado!

Desculpa, mas fico com a impressão que a Academia deu esse prêmio só para O Primeiro Homem levar alguma coisa pra casa, tipo um “cala boca”, e além disso ainda entra ai aquele velho preconceito que o Oscar tem com os filmes da Marvel.

Paul Lambert, Ian Hunter, Tristan Myles e J.D. Schwalm, vencedores do Oscar de Melhores Efeitos Visuais por “O Primeiro Homem”

Graças a Deus nem só de rasteiras foi esse Oscar! Também acertei mais algumas categorias, que, obviamente, na minha opinião, foram prêmios mais do que merecidos e aqueles que mais vibrei:

Melhor Curta de Animação: Bao;
Melhor Curta Documentário: Period. End of Sentence.;
Melhor Animação: Homem Aranha no Aranhaverso;
Melhor Roteiro Adaptado: Infiltrado na Klan;
Melhor Atriz Coadjuvante: Regina King, por “Se a Rua Beale Falasse”;
Melhor Canção Original: “Shallow” de “Nasce uma Estrela”;

Spike Lee recebendo seu Oscar pelo Melhor Roteiro Adaptado de “Infiltrado na Klan”, em um dos meus momentos favoritos dessa premiação!

No fim das contas acabei contabilizando 12 acertos daqueles palpites que dei aqui nesse post. E apesar da revolta ser bem grande, não apenas pelos prêmios que não acertei, mas por aqueles que acredito piamente não terem sido merecidos, foi uma cerimônia bacana, com momentos incríveis!

Entre os melhores momentos da noite estão: a abertura com o show do Queen + Adam Lambert; o discurso emocionante de Regina King ao receber sua estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante; Keegan-Michael Key, encarnando a Mary Poppins e descendo de guarda-chuva no meio da cerimônia; o discurso da Lady Gaga ao tomar posse de seu prêmio de Melhor Canção Original; e claro, O MEU MOMENTO FAVORITO, NÃO SÓ DO OSCAR, MAS DO ANO INTEIRO, Lady Gaga subindo ao palco com Bradley Cooper para cantar “Shallow”.

E é com o vídeo dessa performance incrível que eu termino o post de hoje ♥

Lady Gaga e Bradley Cooper performam “Shallow” de “Nasce uma Estrela

E vocês, pessoal, acertaram muita coisa ou também foram tombados como eu?

Contem pra mim aqui nos comentários 😉

Anúncios

Oscar 2019: Palpites e Previsões

Cinema

A noite do próximo domingo (24/02), que coroa os melhores na industria cinematografia, se aproxima e, conforme prometido nesse post, chegou a hora de dividir com vocês meus palpites e previsões sobre os prováveis vencedores do Oscar 2019.

Ainda não consegui assistir todos os filmes que concorrem este ano e, infelizmente, não acredito que vá conseguir. Algumas categorias, como Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Documentário, Melhor Curta, Melhor Curta Documentário e Melhor Curta de Animação irão sofrer com a minha falta de embasamento para minhas opiniões.

É extremamente difícil encontrar os filmes que concorrem nessas categorias e salvo um ou outro, sei que não vou conseguir assistir a maioria, mas, tendo finalizado a maratona com os longas que concorrem nas categorias principais, me sinto preparada pra vir aqui palpitar.

Lembrando que sou apenas uma entusiasta da 7ª arte, minha gente… longe de mim vir aqui com a pretensão de ser algum tipo de guru no assunto. Deus sabe que o cinema pra mim é um hobby e nunca estudei a fundo pra ter alguma propriedade profissional nesse quesito.

Com esse ponto devidamente esclarecido, passemos às previsões desta reles fã que vos fala:

Melhor Curta de Animação

Começando pelas categorias que tenho menos conhecimento, aqui acredito que o vencedor seja o Curta “Bao”, da Pixar. Pra quem não conhece, a Animação esteve em cartaz junto com “Os Incríveis 2” e fala sobre a maternidade de um jeito bem diferente. Faz algum tempo que assisti, mas me lembro de ficar profundamente emocionada com a metáfora, que trata do poder nocivo da superproteção dos pais. O curta problematiza a maternidade superprotetora e chama atenção para a importância de não centralizar a vida emocional da mãe no filho ou na filha. 

Por se tratar de um curta atemporal, poético e provocador, pra mim é um dos favoritos para receber o Oscar nesta categoria.

Cena de “Bao”, indicado na categoria “Melhor Curta de Animação”

Melhor Curta-Documentário

Nesta categoria, infelizmente não consegui assistir nenhum filme, mas com alguma pesquisa sobre os indicados e os favoritos da crítica, minha aposta é em “Period. End of Sentence.”. O documentário explora os costumes de uma aldeia rural nos arredores de Delhi, na Índia, onde as mulheres lideram uma revolução silenciosa. Eles lutam contra o estigma profundamente enraizado da menstruação. O filme fala sobre esse triste cenário, em que são proliferadas informações errôneas, disseminando distorções que desembocam em constrangimentos sociais.

Conseguindo desenhar um esboço contundente da força das outrora subjugadas mulheres que arregaçam as mangas em função da própria liberdade, na minha opinião este é o vencedor nessa categoria.


Cena de “Period. End of Sentence.”, indicado na categoria “Melhor Curta-Documentário”

Melhor Curta-Metragem

Mais uma categoria que não consegui assistir nenhum dos filmes, então, me baseando no enredo dos indicados e na opinião da critica, minha aposta é em “Marguerite”, o curta que mostra o relacionamento de uma mulher idosa e sua enfermeira, e como elas desenvolvem uma amizade que a inspira a descobrir desejos não reconhecidos e, assim, ajudá-la a fazer as pazes com seu passado.

Aqui dou meu palpite baseada na opinião da crítica.


Cena de “Marguerite”, indicado na categoria “Melhor Curta-Metragem”

Melhor Documentário

Nesta categoria, minha aposta é o documentário “RBG”, que conta a história de Ruth Bader Ginsberg, justificando a fama da diligente juíza norte-americana, que dedicou sua carreira a lutar contra a discriminação de gênero, fazendo isso com impressionante resiliência e estratégia, foi responsável por momentos decisivos para a evolução das leis dos EUA que, pela precedência e poder de influência do país, tiveram impactos progressistas em todo o mundo.

Escolhido como o Melhor Documentário de 2018 pelo National Board of Review, acredito que levará a estatueta de Melhor Documentário no domingo à noite.


“RBG”, indicado na categoria “Melhor Documentário”

Melhor Filme Estrangeiro

Confesso que só assisti a um dos filmes que concorrem nesta categoria, e foi o sucesso de critica, distribuído pela Netflix e dirigido por Alfonso Cuarón. Com 10 indicações ao Oscar, “Roma” é um dos favoritos em diversas categorias e não precisei pensar muito para elegê-lo o “Melhor Filme Estrangeiro”. Na verdade, o longa tem grandes chances de abocanhar o principal prêmio da noite.

Cena de “Roma”, indicado à “Melhor Filme Estrangeiro”

Melhor Mixagem de Som

Chegando às categorias mais técnicas, finalmente posso me basear nos meus próprios feelings, tendo assistido à todos os filmes indicados aqui, acredito que este prêmio fique com “O Primeiro Homem”, a cinebiografia de Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua. Gente, a inteligência de toda a Equipe de Som deste filme é surreal! Tanto a mixagem, quando a edição, são insanas!

Melhor Edição de Som

E é por isso que acredito que “O Primeiro Homem” também leva a estatueta de “Melhor Edição de Som” este ano. Tanto na pré, quanto na pós produção, a sonoridade do longa é impecável. Não vejo como nenhum dos concorrentes nessas categorias possam superar a qualidade da Mixagem e Edição deste longa.

“O Primeiro Homem” indicado nas categorias “Melhor Mixagem de Som” e “Melhor Edição de Som”

Melhor Edição

No quesito edição, pra mim, “Vice”, é imbatível! O filme sobre Dick Cheney, ex vice-presidente americano, que é completamente anti-Dick Cheney, foi indicado em mais 7 categorias e encanta pela montagem! A forma genial como são intercaladas cenas metafóricas com as situações apresentadas no longa e uma das sequências finais, que mescla cenas de um transplante de coração com um desastre, com certeza vai render a estatueta de “Melhor Edição” pra esse filme, na minha opinião.

“Vice”, indicado à “Melhor Edição”

Melhores Efeitos Visuais

Aqui eu vou seguir meu coração e ser bem tendenciosa. Isso por que todos os filmes que concorrem nessa categoria são surreais no quesito Efeitos Visuais! Todos eles são sensacionais e não deixam a desejar quando falamos de trazer o irreal para o mundo real. São filmes com efeitos impecáveis e quando olhei pra lista de concorrentes soltei um riso nervoso, por que me parece impossível decidir entre eles. Nessa sinuca de bico, resolvi favorecer “Vingadores: Guerra Infinita” no meu palpite. Além de ter sido um espetáculo cinematográfico, o longa foi um dos meus favoritos em 2018 e nunca vou me esquecer dos efeitos visuais que transformaram o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, aqui no Brasil, no Planeta Vormir.

Cena de “Vingadores: Guerra Infinita”, indicado à categoria de “Melhores Efeitos Visuais”. Aqui podemos ver Thanos no Planeta Vormir, que ganhou vida graças às gravações no Maranhão.

Melhor Maquiagem

Aqui, novamente, acredito que o vencedor seja “Vice”. O trabalho impecável da equipe transformou Christian Bale em Dick Cheney e eu nem sequer reconheci o Sam Rockwell quando assisti o filme, minha gente! Vi o nome dele nos créditos e fui procurar que personagem ele tinha interpretado por que “não vi” ele no longa. Quase caí pra trás quando me dei conta de que ele interpretou o ex-presidente George W. Bush filho.

Christian Bale e Sam Rockell, caracterizados, respectivamente, como Dick Cheney e George W. Bush, em “Vice”, que concorre ao prêmio de “Melhor Maquiagem”

Melhor Figurino

Essa categoria me deixou completamente confusa. Os concorrentes também são impecáveis no quesito figurino e fiquei tão cheia de dúvidas quanto na categoria de Efeitos Visuais. Depois de muito pensar cheguei à dois favoritos: “Pantera Negra” e “A Favorita” e aqui vou usar o mesmo critério de desempate que utilizei com a questão dos efeitos: vou apostar em um dos meus filmes favoritos do ano passado, um gigante que não pode ser considerado apenas um filme de super herói, com sua crítica social e politica e reflexões tão atuais. É um prazer poder presenciar uma produção como essa ser indicada em 7 categorias do maior prêmio do cinema! Pode entrar “Pantera Negra”, você não merece apenas a estatueta de “Melhor Figurino”, você merece o mundo!

Cena de “Pantera Negra” que concorre na categoria “Melhor Figurino”

Melhor Trilha Sonora

Acredito que a partir de agora vou me repetir bastante falando sobre como fiquei em dúvida entre 2 ou mais filmes por categoria. Aqui fiquei entre dois filmes, que apesar de muito diferentes, possuem semelhanças incríveis, entre elas a Trilha Sonora espetacular. Falo mais uma vez de “Pantera Negra” e “Se a Rua Beale Falasse”, novo filme do diretor de “Moonlight”, que concorre em mais 2 categorias. Mesmo sendo encantada pela trilha sonora de “Pantera Negra”, desta vez meu critério de desempate é a opinião da crítica, que coroa “Se a Rua Beale Falasse” como o favorito nesta categoria. Não por menos, já que é possível perceber o quanto o trabalho executado pelo compositor é fundamental para se acompanhar esse drama de um homem injustamente acusado de ter cometido um estupro e a luta de sua família para livrá-lo da condenação.

Cena de “Se a Rua Beale Falasse”, indicado à categoria “Melhor Trilha Sonora”

Melhor Canção Original

Aqui eu sigo meu coração descaradamente! E é possível perceber isso desde esse post aqui. Por sorte, acredito que meu coração possa estar com a razão, se a gente levar em consideração a opinião da crítica sobre o grande favorito nesta categoria. “Shallow”, canção do filme estrelado por Bradley Cooper e Lady Gaga e interpretada pelos dois no sucesso de público e crítica “Nasce Uma Estrela” é, sem sombra de duvidas, umas das minhas canções favoritas de todos os tempos. O remake dirigido por Cooper ainda concorre em mais 7 categorias e na minha opinião vai garantir pelo menos a estatueta de “Melhor Canção Original”.

Lady Gaga e Bradley Cooper interpretando a canção “Shallow” no longa “Nasce Uma Estrela”, que concorre à “Melhor Canção Original”

Melhor Animação

Pra mim, o vencedor dessa categoria poderia facilmente ser indicado na de Melhor Filme também. Estou falando de “Homem-Aranha no Aranhaverso”, animação da Sony Pictures que narra as aventuras de Miles Morales sob o manto do Homem-Aranha. Aqui no blog fiz inclusive uma critica ao filme, rasgando elogios e apostando na indicação dele ao prêmio máximo do cinema. Na minha opinião, o longa não é apenas a Melhor Animação do ano, É A MELHOR DE TODOS OS TEMPOS!!! Se você leu a minha crítica ou assistiu ao filme vai concordar comigo sobre a qualidade superior dessa animação em relação as outras, que são ótimas também, mas “HOMEM-ARANHA NO ARANHAVERSO” É DISRUPTIVO! Essa animação está muito à frente das outras…

Cena de “Homem-Aranha no Aranhaverso”, que concorre na categoria “Melhor Animação”

Melhor Roteiro Adaptado

Essa categoria é disputada por filmes geniais, que poderiam levar, cada um, uma estatueta pela adaptação sensacional do roteiro. Mais uma vez sou obrigada a seguir meu coração e eleger “Infiltrado na Klan”, de Spike Lee, como o favorito à “Melhor Roteiro Adaptado”. Além de ter tido uma passagem meteórica por Cannes, recebendo diversos elogios pela sua história, seu roteiro genial, repleto de tapas na cara, tem tudo para levar esse prêmio.

“Infiltrado na Klan” disputa o prêmio de “Melhor Roteiro Adaptado”

Melhor Roteiro Original

Mais uma vez divida entre dois filmes espetaculares, neste caso “Roma” e “A Favorita”, precisei pensar não apenas com meu coração aqui, mas ler muitas críticas pra conseguir desempatar os dois longas. Depois de muito matutar, elejo “A Favorita” como o possível vencedor do prêmio de “Melhor Roteiro Original” devido aos seus diálogos afiados e humor negro sensacional. É um dos roteiros mais elogiados da temporada, narrando um jogo político de poder repleto de manipulações e subterfúgios. É um filme inteligentíssimo, que acredito levar a melhor sobre o roteiro dramático de “Roma” no próximo domingo.

Cena de “A Favorita”, indicado à “Melhor Roteiro Original”

Melhor Fotografia

A verdade é que “Roma” e “A Favorita” são os maiores indicados da noite, cada um concorrendo em 10 categorias, e isso não é por acaso, a qualidade dos dois longas é inegável, e fruto de muita dúvida, pelo menos pra mim, na hora de apontar um possível vencedor. No quesito “Melhor Fotografia” nem se fala! Enquanto o filme de Yorgos Lanthimos abusa dos planos abertos com lentes panorâmicas, rendendo um resultado estupidamente original à fotografia, Alfonso Cuarón aposta na simplicidade de um longa todo em preto e branco, mas de forma aguçada, trabalha os movimentos de câmera com uma expertise descomunal. Por esse motivo, acredito que quem leva essa estatueta seja “Roma”.

“Roma”, indicado à “Melhor Fotografia”

Melhor Direção de Arte

E o embate entre “A Favorita” e “Roma” prossegue. Aqui, acredito que o longa estrelado por Emma Stone, Rachel Weiz e Olivia Colman seja o favorito, principalmente por que produções de época sempre são prestigiadas pela Academia e, nas últimas dez cerimônias, quatro filmes do gênero saíram com o prêmio.​ Além disso, “A Favorita” trata-se de um filme belíssimo, visualmente encantador, com cenários construídos de forma que nunca vi igual… é uma produção de tirar o fôlego!

“A Favorita”, indicado à “Melhor Direção de Arte”

Melhor Atriz Coadjuvante

Uma das categorias que me deixou mais confusa foi essa. Na hora que fizeram as indicações esqueceram a Claire Foy, que foi uma das melhores coisas em “O Primeiro Homem”; tiraram o nome da Marina de Tavira só Deus sabe de onde; e indicaram Emma Stone e Rachel Weiz, ambas de “A Favorita”, como coadjuvantes, quando poderiam ter indicado Olivia
Colman, que facilmente levaria a estatueta nessa categoria. Aqui fica a dúvida entre Amy Adams (Vice) e Regina King (Se a Rua Beale Falasse), mas acredito que esta ultima fature a estatueta, já que, no papel da mãe da uma garota que vê seu noivo sendo injustamente acusado de um crime e tendo que pagar por isso, ela é a força moral do filme, em uma atuação contida, porém nunca menos que segura.

Regina King em “Se a Rua Beale Falasse”, indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante

Melhor Ator Coadjuvante

Aqui eu não tive nenhuma dúvida! E acho que ninguém deve ter também… Apesar de ter admirado a performance de Richard E. Grant em “Poderia me Perdoar?” não tem como ignorar o talento absurdo de Mahershala Ali, que brilha insanamente em “Green Book: O Guia”. Baseei minha previsão aqui particularmente em uma cena do longa de Peter Farrelly, aquela na chuva, onde o personagem de Ali perde a compostura pela primeira vez no filme, e fala sobre como é ser um homem negro e gay, que não se encaixa com seu “próprio povo” devido à sua cultura e muito menos é tratado com dignidade pelos brancos americanos no final dos anos 60. Essa cena, amigos, me tirou o folego, me deixou toda arrepiada e a emoção nos olhos de Mahershala me fez chorar.

Mahershala Ali concorre ao Oscar de “Melhor Ator Coadjuvante” pelo longa “Green Book: o Guia”

Melhor Atriz

Se eu fosse seguir meu coração, daria esse Oscar pra Lady Gaga, que me surpreendeu e emocionou em “Nasce Uma Estrela”. Porém, quando olho para suas concorrentes, acredito que a performance dela não tem força pra brigar pela estatueta. Aqui descarto Olivia Colman, que não me pareceu uma protagonista em “A Favorita” e Yalitza Aparicio, de “Roma”, que não parece ter culhões pra essa briga de cachorro grande. Fiquei em dúvida entre Melissa McCarthy e seu trabalho incrível em “Poderia me Perdoar?” (gente, eu juro que essa mulher se transforma quando não tá tentando ser engraçada) e Glenn Close, numa performance METEÓRICA em “A Esposa”. Mesmo cheia de dúvidas, meu palpite é na Glenn, que durante o longa conseguia transmitir as mais diversas emoções apenas com um olhar.

Glenn Close, indicada ao Oscar de “Melhor Atriz” por “A Esposa”

Melhor Ator

Mesmo competindo com gigantes como Willem Dafoe (que acabou com a minha vida na pele de Van Gogh, durante o longa “No Portal da Eternidade”) e Viggo Mortensen de “Green Book: O Guia”, acredito que esse Oscar pertença à Christian Bale e sua transformação em Dick Cheney no filme “Vice”. Mesmo que aqui o favorito seja Rami Malek e seu Freddie Mercury de “Bohemian Rhapsody”, não vou conseguir respeitar a Academia se ela premiar a performance que mais imita do que atua de Malek.

Christian Bale em “Vice”, que disputa o prêmio de “Melhor Ator”

Melhor Direção

Minha aposta aqui é em Alfonso Cuarón por “Roma”. Além de ter sido indicado e saído vitorioso nas principais cerimônias do cinema, Cuarón representou, através de “Roma”, uma infinidade de coisas para o universo da sétima arte e ainda conseguiu emplacar um filme nada comercial, que não tem efeitos grandiosos, tem um ritmo lento, é todo preto e branco e ainda conta uma história muito particular sobre a vida e a dor de uma pessoa comum.  O sucesso desse longa desconstrói preconceitos, padrões e métricas para o cinema e suas pomposas premiações.

Alfonso Cuarón dirige Yalitza Aparicio em cena de “Roma” e concorre na categoria de “Melhor Direção”

Melhor Filme

Essa é a categoria que mais me deixou confusa e principal pivô da demora para que esse post visse a luz do dia. A razão é muito simples: EU NÃO FAÇO A MENOR IDEIA DE QUEM PODE LEVAR ESSE PRÊMIO!

“A Favorita”, que já mencionei ser brilhante em inúmeros quesitos é um dos meus favoritos nessa categoria, e talvez “Green Book: O Guia”, que é excelente, mas que não deve ir muito longe devido aos escândalos em que foi envolvido. “Infiltrado na Klan” é um filme genial, mas que não sei se tem condições de levar essa estatueta. Não acredito que a Academia premiaria “Pantera Negra” ou “Bohemian Rhapsody” e eleger o remake de um remake, como “Nasce Uma Estrela”, parece meio bizarro. “Vice” possui montagem e atuações estupendas, mas seria o bastante pra fazer dele o Melhor Filme?

Cenas dos Indicados ao Oscar de “Melhor Filme”

No fim das contas, sempre acabo voltando pra um filme: “Roma”.

Sei que “Roma” enfrenta inúmeras desvantagens em relação aos outros indicados. Como citei acima, trata-se de um filme nada comercial, que não tem efeitos grandiosos, tem um ritmo lento, é todo preto e branco, não é falado em língua inglesa e ainda por cima foi distribuído por um serviço de Streaming, para horror da Academia. Porém, não consigo deixar de apostar as minhas fichas nesse sucesso de crítica.

Então, seja o que Deus quiser. Mesmo cheia de dúvidas, tá na hora de fechar meu bolão particular e eleger meu palpite na categoria de “Melhor Filme”, e é em “Roma” que eu aposto.

“Roma”, indicado à “Melhor Filme”

Pra você que chegou até aqui, neste que foi o maior post que já escrevi na minha vida, meus parabéns! Se tiver interesse em conferir todos os indicados em todas as categorias do Oscar 2019, o link para o post esta aqui 😀 e também vou dividir a planilha que usei para me organizar na hora de assistir todos os filmes, dividida por prioridades (quantidade de indicações e categorias mais importantes), que ainda conta com a aba de palpites.

Obrigada pelas visitas e não deixem de compartilhar comigo suas opiniões e apostas para os grandes vencedores do Oscar 2019 aqui nos comentários!

Confira os Indicados ao Oscar 2019

Cinema

Atenção, cinéfilos e cinéfilas do meu Brasil!

A espera finalmente acabou!

Foi liberada hoje (terça-feira, 22/01), às 11h20 (horário de Brasília) a tão aguardada lista com os filmes que concorrem ao prêmio máximo do cinema!

Apertem os cintos, e confiram abaixo os Indicados ao Oscar 2019:

Melhor Filme

Pantera Negra
Infiltrado na Klan
Bohemian Rhapsody
A Favorita
Green Book: O Guia
Roma
Nasce Uma Estrela
Vice

“Green Book”

Melhor Atriz

Yalitza Aparicio (Roma)
Glenn Close (A Esposa)
Olivia Colman (A Favorita)
Lady Gaga (Nasce Uma Estrela)
Melissa McCarthy (Poderia Me Perdoar?)

Melhor Ator

Christian Bale (Vice)
Bradley Cooper (Nasce Uma Estrela)
Willem Dafoe
Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
Viggo Mortensen (Green Book: O Guia)

“Nasce uma Estrela”

Melhor Atriz Coadjuvante

Amy Adams (Vice)
Marina De Tavira (Roma)
Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
Emma Stone (A Favorita)
Rachel Weisz (A Favorita)

Melhor Ator Coadjuvante

Mahershala Ali (Green Book)
Adam Driver (Infiltrado na Klan)
Sam Elliott (Nasce uma Estrela)
Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
Sam Rockwell (Vice)

“Vice”

Melhor Direção

Spike Lee
Pawel Pawlikowski
Yorgos Lanthimos
Alfonso Cuarón
Adam McKay

Melhor Roteiro Original

The Favourite
First Reformed
Green Book
Roma
Vice

“Infiltrado na Klan”

Melhor Roteiro Adaptado

The Ballad of Buster Scruggs
BlacKkKlansman
Can You Ever Forgive Me?
If Beale Street Could Talk
A Star is Born

Melhor Figurino

The Ballad of Buster Scruggs
Pantera Negra
A Favorita
O Retorno de Mary Poppins
Duas Rainhas

“A Favorita”

Melhor Cabelo

Border
Mary Queen of Scots
Vice

Melhor Direção de Arte/Design de Produção

Black Panther
The Favourite
First Man
Mary Poppins Returns
Roma

“Roma”

Melhor Trilha Sonora

Pantera Negra
Infiltrado na Klan
Se a Rua Beale Falasse
Ilha de Cachorros
O Retorno de Mary Poppins

Melhor Canção Original

All the Stars – Black Panther
I’ll Fight – RBG
The Place Where Lost Things Go – Mary Poppins Returns
Shallow – A Star is Born
When A Cowboy Trades His Spurs For Wings – Ballad of Buster Scruggs

“Pantera Negra”

Melhor Fotografia

Cold War
The Favourite
Never Look Away
Roma
A Star is Born

Melhor Edição

Infiltrado na Klan
Bohemian Rhapsody
A Favorita
Green Book: O Guia
Vice

“Bohemian Rhapsody”

Melhor Edição de Som

Pantera Negra
Bohemian Rhapsody
O Primeiro Homem
Um Lugar Silencioso
Roma

Melhor Mixagem de Som

Pantera Negra
Bohemian Rhapsody
O Primeiro Homem
Roma
Nasce Uma Estrela

“O Primeiro Homem”

Melhores Efeitos Visuais

Avengers: Infinity War
Christopher Robin
First Man
Ready Player One
Solo: A Star Wars Story

Melhor Documentário

Free Solo
Hale County This Morning, This Evening
Minding the Gap
Of Fathers and Sons
RBG

“Vingadores – Guerra Infinita”

Melhor Animação

Os Incríveis 2
Ilha de Cachorros
Mirai
Wifi Ralph
Homem-Aranha no Aranhaverso

Melhor Filme Estrangeiro

Capernaum
Cold War
Never Look Away
Roma
Shoplifters

“Homem-Aranha no Aranhaverso”

Melhor Curta Metragem – Animação

Animal Behavior
Bao
Late Afternoon
One Small Step
Weekends

Melhor Curta Metragem – Documentário

Black Sheep
End Game
Lifeboat
A Night at the Garden
Period. End of Sentence.

“Animal Behavior”

Melhor Curta Metragem – Live-Action

Detainment
Fauve
Marguerite
Mother
Skin

Já estou preparando meu plano de ação para assistir a maioria desses filmes antes da cerimônia e fazer as minhas previsões, mas não é preciso ser um grande gênio para afirmar que “Green Book” e “Roma” são os favoritos da noite.

A cerimônia do Oscar vai ao ar no dia 24 de fevereiro, domingo, a partir das 22h (horário de Brasília).

E vocês, gente? Já têm suas apostas?

Me contem aqui nos comentários 😉

“Homem-Aranha no Aranhaverso”

Cinema, Nas Telonas

Durante a CCXP de 2017 pude acompanhar o painel da Sony Pictures e assistir em primeira mão a entrevista com os produtores Christopher Miller e Phil Lord, que nos apresentaram, com exclusividade, o primeiro teaser de “Homem-Aranha no Aranhaverso”.

Desde então estou completamente obcecada com a ideia desse filme e praticamente fiz um calendário mental para contar os dias até sua estreia.

A espera acabou na última quinta-feira, 10 de janeiro, quando chegou aos cinemas de todo Brasil a mais nova animação do Teioso.

Situada no Universo Ultimate, a trama acompanha os passos do jovem Miles Morales, que se tornou o Homem-Aranha inspirado no legado de Peter Parker, já falecido. Entretanto, ao visitar o túmulo de seu ídolo em uma noite chuvosa, ele é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói aracnídeo sob um sobretudo. A surpresa fica ainda maior quando Miles descobre que ele veio de uma dimensão paralela, assim como outras versões do Homem-Aranha.

“Homem-Aranha no Aranhaverso” é um respiro delicioso depois de todos os longas centrados em Peter Parker. Parece que a Sony finalmente entendeu que o público já estava meio cansado da mesma história de origem e resolveu investir em um novo protagonista, com uma nova história, novos dilemas e novos problemas.

A animação é uma das coisas mais bonitas e diferentes que já vi. Não EXISTE nada assim na história do cinema e parece que estamos assistindo a um quadrinho animado em três dimensões. Sério, a Direção de Arte desse filme é inacreditável, tudo nele é visualmente impressionante.

Além do visual belíssimo, que mistura diversos estilos de animação, o filme ainda faz várias referências aos quadrinhos, com os quadros de pensamento e os sons e barulhos. Fora todas as homenagens sutis aos Aranhas anteriores, não só os animados, mas também os live-actions e até os memes da internet.

O design é impecável e equilibra muito bem os traços em 2D dos Aranhas secundários com os em 3D do trio principal. Amei a clara referência aos animes com a Peni Parker e aos cartoons com o Porco Aranha, e tudo isso sem forçar a barra, é muito natural e bonito na tela.

Falando em coisas naturais e bonitas na tela, a interação entre os personagens é fantástica e cada um deles têm seu espaço para brilhar. Até mesmo os vilões, que tem pouco tempo em tela, são apresentados com uma profundidade palpável.

Outro ponto alto da animação é a trilha sonora, que estou escutando desde que sai do cinema:

O roteiro é impecável e muito bem desenvolvido, com diálogos coerentes e uma trama super convincente. O longa sabe equilibrar perfeitamente as sequências de ação, com a comédia e os momentos mais emocionantes. Perdi as contas de quantas vezes gargalhei no cinema, quantas vezes vibrei e gritei pelos personagens, e também quantas chorei em momentos de emoção pura.

“Homem-Aranha no Aranhaverso” não é apenas a melhor animação que já assisti, quiça o melhor filme do Homem-Aranha já feito. Talvez seja também o melhor longa de Super Heróis da atualidade.

Além de cair no gosto do público, o filme ainda levou o Globo de Ouro e o Critics Choice Movie Awards de Melhor Animação e estou com os dedos cruzados e torcendo muito para que ele receba também uma estatueta do Oscar

E aí, já foi aos cinemas conferir a nova aventura do Cabeça de Teia?

Me conta o que achou aqui nos comentários 😉

P.S.: a animação conta não apenas com uma, mas com duas cenas pós-créditos e, acredite em mim, você não vai querer sair do cinema sem assisti-las!

“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”

Cinema, Nas Telonas

Na semana passada estreou nos cinemas de todo o Brasil um novo capítulo do “Wizard Word” concebido por J.K. Rowling, autora da série de livros do bruxo mais famoso do mundo. Desta vez a aventura é nas telas dos cinemas com “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald“, que conta com roteiro da própria Rowling e direção de David Yates, o responsável pelos quatro últimos filmes da série “Harry Potter” nos cinemas.

O segundo filme da franquia “Animais Fantásticos” se passa na Paris de 1928, apenas alguns meses após os acontecimentos de seu antecessor:

No longa, Newt Scamander (Eddie Redmayne) reencontra os queridos amigos Tina Goldstein (Katherine Waterston), Queenie Goldstein (Alison Sudol) e Jacob Kowalski (Dan Fogler). Ele é recrutado pelo seu antigo professor em Hogwarts, Alvo Dumbledore (Jude Law), para enfrentar o terrível bruxo das trevas Gellert Grindelwald (Johnny Depp), que escapou da custódia da MACUSA (Congresso Mágico dos EUA) e reúne seguidores, dividindo o mundo entre seres mágicos de sangue puro e seres não-mágicos.

Como Potterhead assumida, vou confessar que tinha grandes expectativas quanto à essa sequência, mas antes mesmo de comparecer aos cinemas para conferi-la fui bombardeada com inúmeros headlines de críticas negativas.

Obviamente evitei ler os textos pra não haver nenhuma influência na minha opinião, mas baixei minhas expectativas consideravelmente e devo dizer, nem isso ajudou muito.

Não é que o filme seja de todo ruim. Ele tem suas partes satisfatórias, como por exemplo o belíssimo visual, como todos os outros filmes desse Mundo Mágico, não decepciona. 
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” pode muito bem receber indicações ao Oscar por “Melhores Efeitos Visuais”, “Melhor Maquiagem e Penteado” e “Melhor Figurino”. Inclusive o 3D desse longa é uma das melhores experiências que já tive, e olha que não sou muito fã, mas neste filme foi quase como magia, rs.

Outro ponto alto do filme foi a participação de Jude Law na pele de Alvo Dumbledore. Embora com pouco tempo de tela, o ator nos mostrou toda sua versatilidade ao cumprir com louvor a missão de interpretar um personagem tão icônico quanto o futuro Diretor de Hogwarts em sua versão mais jovem. É incrível como até alguns trejeitos de Michael Gambon (o Dumbledore da franquia “Harry Potter”) foram incorporados à performance de Law e trouxeram muito mais veracidade para o personagem.

Outra atuação digna foi a de Johnny Depp, que retornou como Gerardo Grindelwald. Embora eu não saiba muito bem se foi a performance de Depp que foi boa ou se meu ranço pelo ator transcendeu e contribuiu pro meu ódio pelo personagem… O caso é que Depp é tremendamente convincente na pele desse vilão, que não distribui sorrisos ou trejeitos bizarros como seus personagens anteriores, mas é frio e polido, sem exageros, e não convence seus seguidores pelo medo, como o cruel Voldermort, mas sim pela lábia afiada.

No cinema até brincamos chamando o personagem de “Bolsonaro Bruxo” e no final das contas essa foi a comparação mais verdadeira que fizemos quanto ao antagonista desta franquia. Foi assustador de tão verídico acompanhar como ele arrebanhava discípulos com apenas um discurso distorcido.

Infelizmente os pontos altos do filme ficam por aqui e não foram suficientes para fazer de 
“Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald” um longa satisfatório. Precisamos encarar um simples fato: J.K. Rowling é uma estupenda escritora de literatura, mas não é assim tão boa quando se trata de escrever um roteiro para o cinema.

E acho que o maior exemplo disso é o pouco brilho que o quarteto protagonista tem em tela. Não é um desempenho ruim, mas não é algo memorável como estamos acostumados em se tratando do Mundo Mágico (passaram bem longe de Harry, Rony e Herminone). Acho, inclusive, que se a gente tirasse Newt, Tina, Jacob e Queenie, a narrativa ficaria na mesma.

Me lembro da época em que “Animais Fantásticos e Onde Habitam” estreou nos cinemas e muita gente caiu matando em cima e criticou demais o roteiro da escritora, enquanto me mantive firme defendendo uma das minhas heroínas. E a verdade é que o roteiro do filme anterior da franquia não foi tão ruim e tão cheio de pontas soltas quanto esse. Muita gente vai dizer que essas pontas soltas na verdade são ganchos para as sequências, mas a sensação que tive na sala de cinema foi só a de enormes buracos na história. Assim não da pra te defender, J.K..

E que história, não é mesmo? Estou procurando pelos “Crimes de Grindelwald” até agora. E também pelos “Animais Fantásticos”. E se perguntarem, não consigo traçar uma linha clara do enredo desse filme. Parece que não acontece nada, mesmo que um milhão de coisas tenham acontecido. Juro que foi como sair do cinema depois da sessão de “O Hobbit: A Desolação de Smaug”: o mesmo filme longo, parado e em alguns pontos meio chato, com graves problemas de continuidade e sem nenhum clímax.

Mas pelo menos em O Hobbit eles tinham o dragão.

Acredito que se o roteiro tivesse focado em apenas dois plots e desenvolvido eles com propriedade, o filme teria sido um sucesso. Porém é muito difícil dar foco em 84 tramas diferentes no cinema. Pode ficar incrível nas páginas de um livro, mas as telas são uma mídia completamente diferente e algumas coisas precisam ser cortadas pelo bem do desenvolvimento do enredo.

Não quero nem comentar no desperdício da personagem Leta Lestrange, vivida por Zoë Kravitz, que poderia ter tido muito mais atenção e um plot muito mais bem desenvolvido. A história da personagem era incrível, mas acredito que se tivesse tido mais tempo para desenvolvimento em filmes futuros teria sido mais bem aproveitada. E olha que ela foi apenas um dos meus botes de expectativa afundados por esse longa. Decepção define.

Minha outra canoa naufragada foi a do Nicolau Flamel, que só apareceu como fan service e não fez nada de útil além de ser engraçadinho na cena com o Jacob. Gente, pra que colocar um dos nomes de mais peso no Mundo Bruxo num filme, se ele só vai aparecer pra ser inútil, contradizendo tudo o que ouvimos falar dele na saga “Harry Potter”?

E esse também é o caso da Nagini, concebida apenas pra ser a broderzinha do Credence, sem nenhuma relevância real para a história. E mais uma vez eu repito: pra que enfiar essa personagem no enredo? Pra que mais um plot com desenvolvimento precário?

Enfim, como puderam notar este é o relato de uma fã ensandecida de desgosto. Posso ficar aqui o dia todo falando mal desse filme, mas não garanto não jogar nenhum spoiler cabeludo na cara das pessoas.

No fim das contas  o que precisam saber é que é um filme lindo (visualmente falando), que, se você é um fã de Harry Potter, vale a pena sim conferir e tirar suas próprias conclusões. Se no final você não curtir, vai ter valido a pena por rever Hogwarts mais uma vez, ficar todo arrepiado (a) e chorar um pouquinho de saudade. Vai valer pelo Dumbledore e também pelo 3D mais magnifico que assistirá na vida.

Agora, é impontante ir preparado para um filme com muitos plots, onde nenhum deles é desenvolvido com eficiência, momentos em que você não sabe o que está acontecendo (e não de um jeito bom), e momentos totalmente desnecessários e que não fazem sentido algum.

Mas, talvez o mais importante: esteja preparado para um filme sem nenhum clímax no final e com um gancho para a sequência que deveria ser um plot-twist-mind-blowing, mas só conseguiu deixar os fãs confusos e furiosos, e gritando FAKE NEWS na sala de cinema. Inclusive, todos os possíveis plot twists dessa narrativa (e aqui inclui-se a mudança de lado de alguns personagens) foram tão mal elaborados que só pareceram um negócio meio sem pé nem cabeça.

E aí? Já assistiram “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”?

Me contem aqui nos comentários o que acharam.

“Venom”

Cinema, Nas Telonas

Semana passada chegou aos cinemas BR a tão aguardada adaptação do filme encabeçado pelo clássico vilão dos quadrinhos do Homem-Aranha: “Venom”.

Esculachado pela crítica em suas sessões de teste e pré-estreias, e até mesmo comparado à fiascos como “Mulher-Gato” (2004) e “Quarteto Fantástico” (2015), o longa não é assim tão ruim, inclusive achei “legalzinho”, aquele filme meio “Temperatura Máxima”, que não é terrível, mas está bem longe de empolgar.

venomending-blogroll-1538505459077_1280w

Girando em torno do famoso jornalista Eddie Brock, o longa não faz nenhum tipo de referência ao Cabeça de Teia, inclusive, no meu entendimento, parece se passar em um Universo Paralelo, que nem conta com a existência do Teioso.

Imagino que talvez essa tenha sido a intenção da Sony depois das negociações de cessão de direitos do Homem-Aranha com a Marvel. Eles não deixam exatamente claro que o filme se passa em um outro universo, meio que jogando aquele verde pra ver se conseguem se encaixar dentro do MCU caso a oportunidade surja.

Venom-001

Fica muito claro que o estúdio não quer perder uma franquia nesse nicho de super-heróis, que faz tanto sucesso no mercado cinematográfico atualmente, e depois de sucessos como “Deadpool” e “Logan”, enxergaram em “Venom” sua grande oportunidade de abocanhar aquela fatia de mercado destinada aos anti-heróis, e cair no gosto do público com um filme mais adulto e mais violento.

E teria sido ótimo, se não tivessem cagado legal no pau, já que o filme não tem nada de adulto e muito menos de violência.

San Francisco, Estados Unidos. Eddie Brock (Tom Hardy) é um jornalista investigativo, que tem um quadro próprio em uma emissora local. Um dia, ele é escalado para entrevistar Carlton Drake (Riz Ahmed), o criador da Fundação Vida, que tem investido bastante em missões espaciais de forma a encontrar possíveis usos medicinais para a humanidade. Após acessar um documento sigiloso enviado à sua namorada, a advogada Anne Weying (Michelle Williams), Brock descobre que Drake tem feito experimentos científicos em humanos. Ele resolve denunciar esta situação durante a entrevista, o que faz com que seja demitido. Seis meses depois, o ainda desempregado Brock é procurado pela dra. Dora Skirth (Jenny Slate) com uma denúncia: Drake estaria usando simbiontes alienígenas em testes com humanos, muitos deles mortos como cobaias.

Primeiramente, pra dar aquela reduzida safada na classificação etária do filme, e conseguir levar um maior publico composto por adolescentes aos cinemas, o estúdio cortou praticamente todas as cenas “violentas” do longa. Existe, claro, uma menção à violência, que nunca é mostrada. Por exemplo: mal me lembro de ver sangue na tela de cinema, mesmo depois do Venom sair devorando cabeças por aí.

tumblr_pcqoqhZdWF1wntxaco1_500.gif

O ritmo é lento. Parece que o primeiro ato, aquele de apresentação dos personagens, acaba invadindo pelo menos metade do ato de desenvolvimento, e a história em si não anda! Fica todo mundo esperando o Eddie Brock ficar pronto, toda a trama em stand-by, no aguardo do mocinho chegar lá para alcança-la.

O roteiro é bem clichê, tremendamente comum e nada surpreendente. Tem um bocado de incoerências bizarras e aquelas conveniências escrachadas que dão uma bela de uma vergonha alheia. Temos toda uma sequência de invasão à um laboratório de última geração, onde nenhum dos personagens parece se importar com as câmeras de segurança, por exemplo.

af8bef50-aa77-11e8-8796-d12ba807e6e9_1280x720_025016

Outro ponto fraquíssimo é a comédia pastelão inserida no meio da trama. As cenas que eram pra ser engraçadas, com aquele humor ácido dos filmes adultos (e esse NÃO É um filme adulto), acabou ficando forçado e despropositado. Olha, eu amo o Tom Hardy e acho que ele fez um esforço descomunal nesse filme pra fazer a coisa toda funcionar, mas haviam momentos em que as expressões dele eram tão exageradas que beiravam o ridículo.

xTom-Hardy-em-cena-do-filme-Venom.jpg.pagespeed.ic.4NdLoLnR5K

E a Michelle Williams gente, 4 vezes indicada ao Oscar, totalmente desperdiçada nessa narrativa, e usando a pior peruca da história do cinema. Eu passei tanto tempo incomodada com a peruca, que nem consegui prestar muita atenção na performance dela.

michelle-williams-as-anne-weying-in-venom-movie-4k-zq-3840x2400-copy.jpg

Porém, ninguém me incomodou mais em “Venom” do que o Riz Ahmed, que encarnou o vilão Carlton Drake. Tenho certeza que a intenção dele era parecer um daqueles ricaços blasé, mas o tiro saiu pela culatra, e nem assim ele convence. O vilão não tem carisma nenhum, não cativa, e tem uma motivação bem porca e sem sentido.

riz_ahmed_venom.jpg

Acho que o problema de “Venom” foi a preguiça no desenvolvimento do roteiro. Parece que escolheram o caminho mais fácil, aquela jornada mais clichê impossível, a receita saída de um filme de ação dos anos 90, bem raso e bem fraco. Faltou sangue, faltou personalidade, faltou culhões da produção.

A CGI é meio precária, tanto que a produção usou e abusou das cenas escuras e noturnas, dos cortes abruptos onde não da pra ver direito o que tá acontecendo naquela sequência de ação, e desconfio que tudo isso foi pra disfarçar a pobreza dos efeitos especiais.

5b63b4317bbdf

Acho que eles poderiam ter sido muito mais felizes no desenvolvimento do projeto se tivessem dado um foco maior na relação Brock/Venom, que ficou meio sem pé nem cabeça, muito mal aproveitada e cheia de mais incoerências.

No todo, não é um filme assim tão ruim, mas todos esses probleminhas no decorrer de 2 horas e 20 minutos incomodam um pouco. Se formos parar pra pensar, o filme não entrega nada menos do que foi prometido nos trailers liberados. É exatamente aquilo lá, sem nenhuma pretensão além. Minha dica é ir assistir despretensiosamente, sem grandes expectativas.

tumblr_p7pgtuoN281x5540co1_500.gif

Ah, e o longa conta com 2 cenas pós-créditos: uma fazendo alusão a um personagem muito esperado em uma possível sequência, inclusive com Woody Harrelson, que aparece apenas nessa cena. A outra é uma prévia de “Homem-Aranha no Aranhaverso”, a animação protagonizada por Miles Morales, que estreia em 20 de dezembro aqui no BR e promete ser infinitamente melhor do que “Venom”.

Enfim, agora quero saber a opinião de vocês.

Já assistiram “Venom”? O que acharam?

Me contem aqui nos comentários!

A ansiedade para “Nasce uma Estrela” e minha obsessão musical da semana

Cinema, Música, Nas Telonas, Nos Fones de Ouvido

Na próxima semana, aqui no Brasil, vai rolar a estreia do remake de “Nasce uma Estrela”, protagonizado pelo ícone Lady Gaga e por Bradley Cooper, que além de ter dado uns pitacos no roteiro, também é o responsável pela direção do longa.

O engraçado é que esse filme já teve 3 versões anteriores:

A primeira, de 1937, estrelada por Janet Gaynor e Fredric March, tratava-se de um drama sobre uma jovem sonhadora, que chega à Hollywood na década de 30 com o desejo de se tornar uma estrela do cinema, e seu sonho vira realidade quando um famoso ator coloca os olhos nela numa festa em que trabalhava como garçonete. Apaixonado, ele impulsiona sua carreira e a transforma realmente em uma estrela.

A Star is Born (1937)

A segunda versão, de 1954, protagonizada por Judy Garland e James Mason, carrega o mesmo enredo da primeira, porém, desta vez, veio em formato de musical.

A Star is Born (1954)

As coisas mudam na versão de 1976, que apesar de ter sido um grande sucesso popular nos anos 70, é considerada pela crítica como a pior versão das três produções. Estrelando Barbra Streisand e Kris Kristofferson, a história desta vez gira em torno de uma jovem cantora iniciante que se envolve romanticamente com um famoso astro do rock. Ele a ajuda a deslanchar sua carreira, e ela começa também a se tornar uma estrela.

A Star is Born (1976)

A nova versão de 2018 possui o roteiro mais similar à sua predecessora, porém já vem sendo um sucesso de critica desde suas exibições de teste, e há quem fale em Oscars de Melhor Atriz para Lady Gaga e Melhor Ator e Diretor para Bradley Cooper.

16f96936d91496706a1c0ad7e403d82b.999x999x1.png

Uma curiosidade é que esse papel inicialmente não seria da Gaga e sim de Beyoncé, que precisou abandonar o projeto por causa da gravidez. Outra é que, originalmente, quem teve a ideia de uma nova versão de “Nasce uma Estrela”, foi Clint Eastwood, mas só Deus sabe o por quê de ele ter abandonado a direção do longa…

O caso é que parece que não perdemos nada com a saída de Clint Eastwood, pois enquanto Bradley Cooper surpreende como Diretor e também como cantor, Lady Gaga se revela uma grande atriz, que, além de ter composto grande parte das canções que recheiam o remake, também pediu para que todas as músicas do filme fossem gravadas ao vivo enquanto filmavam as cenas, em vez de em estúdio.

maxresdefault (2)

E foi por causa de uma dessas canções que o post de hoje veio à luz.

Na semana passada foi liberada a primeira faixa da trilha sonora do filme: “Shallow”, e eu estou completamente O-B-C-E-C-A-D-A por ela.

Do tipo que ouve o dia inteiro em looping infinito.

Do tipo que toda vez que assiste ao clipe chora igual um bebê.

A obsessão pela música foi tanta que acabou extravasando para o filme e então precisei escrever esse texto pra dividir com vocês a minha paixão absurda e precoce, além da ansiedade louca pra conferir esse longa nos cinemas.

E pra jogar ainda mais combustível na minha obsessão, hoje foi liberada a Soundtrack completa do filme, que conta com 34 faixas:

Enquanto o remake não estreia no Brasil, a gente segue aqui, completamente ansiosa e apaixonada por essa história que mal conhecemos, mas já consideramos pacas, e ouvindo essa trilha sonora inteira pra já chegar no cinema no dia 11 de outubro cantando junto com os personagens.

E vocês, ansiosos para a estreia de Lady Gaga nas telonas?

“Os Incríveis 2”

Cinema, Nas Telonas

Atrasada como sempre, lá vou eu trazendo a critica do filme quase um mês depois da sua estreia aqui no BR. O engraçado é que esse eu assisti logo no final de semana em que saiu, mas como a minha agenda está louquíssima ultimamente, e ainda tô tentando organizar uma grade de postagens bem decente aqui pro blog, equilibrando todas as minhas pamelisses pra vocês verem um pouquinho de cada por semana e não ficarem muito saturados com um assunto só, minha opinião sobre a nova animação da Disney e Pixar tá saindo só agora do forninho.

Depois de 14 anos de espera, chegou aos cinemas brasileiros, em 28 de junho de 2018, a sequência de um dos maiores sucessos de critica e bilheteria: “Os Incríveis 2”. Será que o novo filme, que traz de volta todos os personagens que conhecemos e amamos e nos apresenta alguns novos, faz jus ao original?

Vem comigo descobrir!

os-incríveis-2

O longa tem início exatamente no momento em que o filme anterior terminou. Vemos nossa família de super-heróis favorita enfrentando o vilão Escavador, numa sequência inicial de tirar o fôlego e gargalhadas dos espectadores.

Infelizmente o ato de heroísmo da família Incrível não é muito bem visto pela sociedade, já que provoca mais estragos do que benefícios e os heróis continuam sendo ilegais. Para reconquistar a opinião publica e trazer de volta o heroísmo de forma sancionada, surge um casal de irmãos cheios da grana, que recrutam a Mulher-Elástica para convencer as pessoas que ser super é tudo de bom. Eles só não contavam com o surgimento de um novo vilão sinistro, que ameaça botar fim ao heroísmo de uma vez por todas.

Na trama, Helena Pêra é chamada para voltar a lutar contra o crime como a super-heroína Mulher-Elástica, e cabe ao seu marido, Roberto, a tarefa de cuidar das crianças, especialmente o bebê Zezé. O que ele não esperava era que o caçula da família também tivesse superpoderes, que surgem sem qualquer controle.

Olha gente, primeiramente eu só queria exaltar a Pixar por sempre ter um cuidado mais do que especial com as sequências dos filmes que produz. Se você parar pra pensar, não importa quanto tempo passe, cada vez que o estúdio anuncia a continuação de um de seus grandes sucessos, é praticamente garantia de que vai ser maravilhoso. Assim como “Toy Story”, “Monstros S/A” e “Procurando Nemo”, que tiveram sequências brilhantes, “Os Incríveis 2” segue pelo mesmo caminho.

Com o mesmo espirito do longa de 2004, a história é bem ritmada, leve e engraçada, com elementos e acontecimentos muito bem distribuídos por toda a estrutura da trama. Quando a Mulher-Elástica é recrutada, a narrativa se divide em dois núcleos, o dela, enquanto combate o crime e o do Sr. Fantástico, enquanto cuida das crianças e da casa.

blogib_os-incriveis-2_feat

As duas partes da história são igualmente interessantes, não deixando a galera entediada em nenhum momento. Se nas cenas da Mulher-Elástica a gente tem ação sem limites, a apresentação de novos personagens (e heróis) e a inserção do vilão, num núcleo mais “agitado”, com o Sr. Incrível a gente curte o homem tentando se adaptar à vida de “dono de casa”, se descabelando pra dar conta de todos os filhos e percebendo que o trabalho da mulher não é assim tão fácil, tudo isso com muito humor e comédias exageradas para fazer o público gargalhar.

Essa é uma das coisas que mais adorei no filme, essa reflexão sobre a inversão dos papéis desse sistema patriarcal imposto pela nossa sociedade. Por que o Sr. Incrível se sente reduzido quando a mulher dele, e não ele, é escolhida para combater o crime, que que tem mais efetividade? Por que ficar em casa e cuidar das crianças faz ele se sentir rebaixado? Não deveria, afinal nenhum desses dois papéis é simples e, mesmo sendo diferentes, possuem igual valor.

naom_5b27c4488080d

Outro dos melhores pontos do filme é o bebê Zezé. No final do primeiro longa descobrimos que ele possui poderes, e não qualquer poder, mas basicamente TODOS, e é uma coisa muito louca e sem controle, que ninguém da família descobriu ainda, até que explode na mão do pai e ele não conta para a mulher, porque meio que é uma questão de honra resolver essa treta sozinho.

Zezé e seus poderes, rendem as melhores sequências cômicas do filme e, ainda arrisco dizer, que a melhor cena de ação e luta de todos os tempos é protagonizada pelo bebê e um guaxinim mais que azarado. Hilário é pouco para descrever.

zeze-os-incriveis

Talvez seja por isso que a parte mais legal desse filme seja seu humor. Não é forçado e não tem piadas que insultam os pais ou os filhos na sala de cinema. É tudo muito bem pensado e inteligente, com situações reais do cotidiano de qualquer um, só levemente exageradas e que fazem com que qualquer um, adultos ou crianças, deem gostosas risadas.

Tecnicamente falando, o filme não deixa de fazer jus à seu nome e ser incrível. Honrando os traços do original, ele não deixa pra trás toda a evolução tecnológica que tivemos nesses 14 anos entre um e outro, e podemos conferir isso nos efeitos especiais deslumbrantes, na montagem ágil das cenas de ação, que são instigantes e exploram muito bem todas as possibilidades que os poderes especiais dos supers tem à oferecer para aquele entretenimento ficar visualmente estonteante na tela.

A direção de arte segue com aquela mistura de retrô e futurista, que funciona super bem pra esse universo fantasioso que a Disney criou pra abrigar os personagens, tudo embalado pela trilha sonora regida à muito jazz e imprimindo todo um clima de espionagem ao longa.

mulher-elastica-em-acao-em-os-incriveis-2-1529953681662_v2_1920x1080

O roteiro é bem amarradinho, com uma trama super dinâmica, mas não consegue fugir muito da formula básica e sem grandes surpresas, chegando a ser até meio previsível em alguns momentos.

Pra mim, a unica coisa que deixou esse filme abaixo do primeiro foi o vilão. Não me entendam mal, os meios, os “poderes”, e todo o modus operandi dele são ótimos e poderia ter sido genial, se não fosse o fato do objetivo ser meio merda. Além da motivação ruim, se ele tivesse ficado no canto dele, sem se envolver, talvez teria conseguido o que queria de uma forma mais fácil.

Screenslaver-increibles-3-compressor-e1523831180748

Enfim, dica para o final de semana com as crianças ou até sem elas, feito para divertir pessoas de todas as idades, o filme é sensacional e vale a pena conferir com a família inteira.

E vocês? Já assistiram? Deixem aqui nos comentários a opinião de vocês 😀

“Homem-Formiga e a Vespa”

Cinema, Nas Telonas

Com a estreia de “Homem-Formiga e a Vespa”, a Marvel nos traz o retorno de um de seus heróis mais mortais e carismáticos, e nos apresenta à uma nova heroína.

Sumidos daquele quebra pau épico de “Vingadores: Guerra Infinita” (2018), a dupla aparece neste longa, que se passa antes e, por que não dizer, durante o último filme do estúdio, tendo suas próprias pendengas pra resolver.

ant-man-and-the-wasp-double-feature-poster-1119835-1280x0

Na trama, Scott Lang lida com as consequências de suas escolhas tanto como super-herói quanto como pai. Enquanto tenta reequilibrar sua vida com suas responsabilidades como o Homem-Formiga, ele é confrontado por Hope van Dyne e o Dr. Hank Pym com uma nova missão urgente. Scott deve mais uma vez vestir o uniforme e aprender a lutar ao lado da Vespa, trabalhando em conjunto para descobrir segredos do passado.

Enquanto Scott cumpre prisão domiciliar após os acontecimentos de “Capitão América: Guerra Civil” (2016), Hope assume o manto da Vespa e trabalha, junto com o pai, para encontrar uma forma de resgatar sua mãe, Janet Van Dyne, que ficou presa na Dimensão Quântica pelos últimos 30 anos. Para isso, mesmo que a contra gosto, eles precisam que Scott se junte a eles e seja novamente o Homem-Formiga. O que ninguém esperava era o surgimento da vilã Fantasma, que ameaça acabar com os planos de reencontro da família com sua matriarca.

tumblr_p81xl6cNpX1t4wjzko3_r1_540

Bom gente, o longa é bom, mas parece que falta alguma coisa. A impressão que eu tive com ele é de que se trata de um filme menor, com problemas menores. E isso não é ruim de jeito nenhum, basta a gente olhar pra “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” (2017), que pode ser classificado, quando comparamos com os outros gigantes da Marvel, como uma trama de escala menor. O problema, meus amigos, é que depois de toda a merda que rolou no ultimo filme dos Vingadores, jogar um enredo desses na nossa cara é muita falta de sacanagem.

Provavelmente isso é um problema meu e das minhas expectativas, mas acho que depois de tudo que vimos no ultimo lançamento do estúdio, todo o abalo que esse universo cinematográfico sofreu, eu esperava mais relação com a Guerra Infinita. A sensação que fica é que o filme ta ali só pra encher umas linguiças e cumprir agenda.

E isso não é um problema da produção ou do roteiro, que é bom é todo amarradinho, apesar de eu ter algumas ressalvas quanto à ele. O caso é que o filme vai ser muito melhor aproveitado e curtido pela audiência se for isolado dos outros longas desse universo e visto como uma aventura à parte.

antman-and-the-wasp-interview-paul-rudd-evangeline-lilly-6-1170x660

Com uma trama mais intimista, onde nenhum dos heróis está tentando salvar a vizinhança, ou seu país, ou seu povo, ou o mundo, ou ainda: o bem maior (inclusive o objetivo da dupla é até meio egoísta, se a gente for parar pra pensar), esse filme está longe de ser perfeito.

Uma das coisas que me chateou no longa, e daí pode culpar novamente as minhas expectativas, foi a falta de noção dos personagens a respeito da grandiosidade do que eles estavam fazendo ali. Cara, é uma missão ao Reino Quântico, sabe? Não um passeio no parque. Acho que faltou dar a atenção que a situação merecia, faltou desespero nos personagens, faltou agonia. Eu queria ter sentido angustia e desesperança em algumas cenas, mas foi tudo meio de boas.

ant-man-and-the-wasp-ant-man-wasp-flying-poster-4k-wallpaper-1024x576

Outra coisa que também acho que faltou, e nesse caso já enxergo como um desperdício de enredo promissor, foi explorarem melhor esse universo microscópico. Esse filme poderia ter tido um apelo tão maior e ser tão mais diferenciado se investissem numa coisa meio “Querida Encolhi as Crianças” (1989), mas não… vamos queimar tempo em tela com essa vilã, que apesar de bem motivada e justificada, não me convenceu, tá toda avulsa na história, não agregando nada além daquele “corre corre” de filme de herói, com os produtores e roteiristas investindo mais nessa mesmice, no que é mais cômodo e mais fácil.

Eu não vou nem entrar nas questões lógicas de encolhimento e desencolhimento de carros e prédios e todas as leis da física que foram desrespeitadas pra não dar spoilers, mas a minha dica é que fechem os olhos para essas coisas e aproveitem o entretenimento de qualidade que o filme oferece.

download (1)

Falando de coisas boas, além desse entretenimento de qualidade, todo o visual do filme é muito verossímil, e os efeitos são incríveis. Fiquei babando com as cenas no Vácuo Quântico, que super me remeteram aos inúmeros mundos apresentados em “Doutor Estranho” (2016).

The_Quantum_Realm

O longa possui uma narrativa bem humorada, com um encaixe perfeito de elementos e relações críveis entre os personagens. O diretor, Peyton Reed, responsável pelo primeiro “Homem-Formiga” (2015) e por filmes de comédia como: “Sim Senhor” (2008) e “Separados pelo Casamento” (2006), sabe muito bem como levar um filme “engraçadão” e acrescenta muito dinamismo à todos os diálogos cômicos. Mesmo a piadinha mais pastelona consegue arrancar pelo menos um sorriso da gente.

Inclusive, pra mim, um dos melhores momentos do filme é em uma dessas cenas cômicas com uma montagem incrível e muito carisma do elenco. Mini spoiler aqui: trata-se de uma sequencia de Luis, personagem de Michael Peña, com um possível soro da verdade.

screen-shot-2018-05-01-at-17.41.56

Paul Rudd e Evangeline Lilly estão incríveis na reprise de seus papéis. Inclusive acho que nesse longa o protagonismo ficou muito mais a cargo da Evangeline, já que sua personagem agiu como um motor, impulsionando toda a trama. Isso não quer dizer, em momento algum, que o Paul foi menos brilhante. A coisa maravilhosa desse filme é que existe um equilíbrio perfeito entre a dupla de heróis, cada um deles tem seus momentos, seus pontos fortes e fracos e eles se complementam e se salvam como uma verdadeira equipe.

A beleza de “Homem-Formiga e a Vespa” está justamente nessas limitações, que acabam humanizando e trazendo os personagens pra mais perto da realidade. O herói imbatível e sem limites, que só perde por conveniências num roteiro, que podem ou não ser desprezadas, não tem lá muita graça.

ant-man-and-the-wasp-mit-paul-rudd-und-evangeline-lilly

Além dos atores que dão nome aos protagonistas dessa história, não podemos esquecer de outros nomes de peso que compõe o elenco: Michael Douglas, Michelle Pfeiffer e Laurence Fishburne.

Meu sonho de princesa é um filme do Homem-Formiga de Hank Pym, ambientado no passado, contando as peripécias do herói acompanhado de sua Vespa e também do Golias, e obviamente usando CGI pra rejuvenescer essa galera por que quero todo mundo no elenco!

en7l9ow78u811

Pra finalizar, indico sim que todo mundo vá ao cinema e confira esse novo capítulo no Universo da Marvel, porém aconselho a desprezar esse universo na hora de apreciar a trama. O filme é muito melhor aproveitado se for assistido como uma aventura isolada, e com expectativas pé no chão.

E não se esqueçam das cenas adicionais características dos longas do estúdio. “Homem-Formiga e a Vespa” conta com duas: uma tremendamente importante e que situa o filme na linha do tempo da Marvel; e a segunda, que não é nada além de engraçadinha e pode frustrar quem ficar até o final dos créditos gigantescos.

Agora contem pra mim, quem já assistiu e o que acharam do filme?

 

 

“Jurassic World: Reino Ameaçado”

Cinema, Nas Telonas

Aproveitando a chegada do fim de semana, tá saindo agora, direto do meu forninho, a crítica de “Jurassic World: Reino Ameaçado”, novo filme da franquia, que estreou aqui no BR em 21 de junho.

Como eu disse pra vocês nesse post aqui, não sou nenhuma especialista em cinema nem nada do tipo. Não estudei pra isso e sou apenas uma reles apreciadora da sétima arte, que normalmente só da a sua humilde opinião, bem tendenciosa diga-se de passagem, sobre os longas e fala umas abobrinhas, então não me levem muito a sério.

jurassic-world-reino-ameaçado-bode-na-sala-2

Dirigindo pelo talentoso J.A. Bayona, responsável por sucessos como:  “O Orfanato” (2007),  “O Impossível” (2012) e “Sete Minutos Depois da Meia-Noite” (2016), o quinto filme da franquia de sucesso está para “O Mundo Perdido” (1997) assim como o requel, “Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros” (2015), esteve para “Jurassic Park” (1993).

“Owen e Claire retornam à ilha Nublar para salvar os dinossauros restantes de um vulcão que está prestes a entrar em erupção. Eles encontram novas e aterrorizantes raças de dinossauros gigantes ao descobrir uma conspiração que ameaça todo o planeta.”

Esse novo longa nos traz uma importante reflexão logo em suas cenas iniciais, com um “dialogo” protagonizado pelo Jeff Goldblum (que aqui só faz uma pontinha), retornando à seu personagem Ian Malcolm. Essa reflexão, apesar de ser apresentada no começo do filme, nos acompanha até os minutos finais: os dinossauros merecem ser salvos de sua eminente reextinção? A erupção do vulcão adormecido na Ilha Nublar seria uma ação da natureza tentando corrigir seu curso após a intervenção do homem que insiste em brincar de Deus?

JURASSIC WORLD: FALLEN KINGDOM Jeff Goldblum (as Ian Malcolm)

O filme é um daqueles entretenimentos gostosos, fluindo até que bem, com cenas frenéticas que se sucedem naturalmente, emendando um perigo atrás do outro de forma espontânea. O roteiro é bem amarradinho, mas suas qualidades acabam por aí.

Infelizmente o blockbuster acaba sendo meio que mais do mesmo. Se você está esperando um daqueles filmes surpreendentes, pode tirar seu cavalinho da chuva. Não tem nada de muito diferente do que já vimos nos filmes anteriores: rola aquela clássica cena do T-Rex chegando na hora H pra salvar os mocinhos; tem a parte da chegada da galera, toda maravilhada com o brontossauro fêmea; tem o tipico vilão com roupa caqui parecendo pronto pra fazer um Safari; tem também a nova criação horripilante dos outros vilões, por que depois de 5 filmes ninguém aprendeu ainda a NÃO CRIAR PREDADORES ENORMES QUE VÃO ACABAR COMENDO VOCÊ NO FINAL.

Jurassic World: Fallen Kingdom The Indoraptor

No geral achei o roteiro do filme bem fraquinho e cheio daquelas conveniências preguiçosas. Outro ponto negativo pra mim foi a construção das personagens antagonistas. São completamente rasas, parecendo muito aqueles vilões da Malhação, que são maus apenas por serem maus. Na minha opinião faltou trabalhar melhor esses caras, dar um background maior pra eles, uma motivação real por trás dos seus planos diabólicos de dominação mundial.

Outra coisa que detestei foi a personagem do Justice Smith, que nem me lembro o nome. Ele era pra ser o alivio cômico da história, mas acabou sendo só um pé no saco. Tudo foi muito forçado em volta dele, tanto que senti que o filme só começou a funcionar quando ele deu uma sumida.

jurassic_world-_fallen_kingdom_still_justice_smith

Apesar desse roteiro meio duvidoso, o filme não é ruim. Seu ponto forte é, com certeza, a direção de J.A. Bayona, que emprega muito de sua expertise com filmes-catástrofe e terror, e total domínio da câmera, imprimindo uma identidade mais diferenciada ao longa. Mesmo com todos os clichês do script, ele consegue redefinir toda a estética e o tom da franquia.

Esse é um cara que sabe trabalhar muito bem os enquadramentos, criando a atmosfera perfeita para cada cena, com total eficiência na hora de construir o suspense da trama. Inclusive tem uma cena em que a câmera passeia pelo telhado e se inverte na janela, simulando, de certa forma, o movimento sorrateiro do dinossauro. Essa sequência me deu arrepios!

Outra coisa que gostei, foram os truques de luz que ele usava, com o fundo totalmente escuro e então, durante um relâmpago ou um curto-circuito, podíamos visualizar aquele monstro escondido nas sombras.

jurassic-world-director

A trilha sonora de Michael Giacchino também não deixa a desejar. Misturando elementos da trilha original de John Williams, ele consegue criar algo novo, que se expande e se encaixa perfeitamente com os dois momentos do filme, seguindo lado a lado com a fotografia impecável.

Com o filme basicamente divido nessas duas partes: primeiro aquela aventura cheia de elementos catastróficos, enquanto nossos mocinhos correm contra o tempo tentando salvar os dinossauros ao mesmo tempo em que o vulcão da Ilha Nublar entra em erupção; e depois quando saímos da ilha e o longa ganha todos os tons sombrios, cheios de terror e suspense; conseguimos enxergar perfeitamente essas nuances e a mudança de clima através da trilha e da fotografia, aliás, a cena que marca a transição desse ato 1 para o ato 2, com o solitário brontossauro deixado para morrer na ilha, foi de partir o coração e me fez derrubar uma ou duas lagrimas.

Jurassic-World-2-O-Reino-Ameaçado-Gigante-e1529638544867

Ainda falando de coisas boas sobre “Jurassic World: Reino Ameaçado”, podemos exaltar a atuação do Chris Pratt, que finalmente parece bem à vontade com sua personagem neste longa. Desta vez, Owen Grady passa do carrancudo meio robótico do filme anterior, para um cara muito mais bem humorado, e isso naturalmente, sem ser um palhaço.

A relação dele com a Blue tem seu laço mais bem explorado nessa sequência, principalmente em algumas cenas de flashback onde vemos o vínculo dos dois durante a criação da nossa velociraptor favorita. Talvez eu tenha chorado um pouco nessas cenas também.

blogib_jurassic-world-reino-ameacado_feat

Já a Bryce Dallas Roward tinha apenas ONE JOB em seu retorno como Claire Dearing, e esse era basicamente sobreviver até o final do filme. A atriz não deixa de entregar uma performance impecável, mas eu acho que a personagem poderia ter tido uma missão maior, além de estar toda engajada na causa de “Salvem os Dinos” e ficar correndo pra lá e pra cá, dessa vez de botas, como fizeram questão de ressaltar.

Pra mim, uma das maiores surpresas foi a Isabella Sermon, que interpreta a Maisie Lookwood, neta de Benjamin Lookwood, o parceiro de John Hammond na empreitada que trouxe os dinossauros de volta à vida.

Parte de um plot dentro de outro plot, ela tem um papel “importante” na trama, mas que, não sei se devido à eu ter matado essa charada logo no inicio do filme, acabou se perdendo um pouco na hora da revelação do plot twist dela. Podiam ter dado uma atenção maior em vez de jogarem tudo na nossa cara durante um discurso do vilão.

jurassic-world-fallen-kingdom-2018-jm-1500x806

Enfim, mesmo com um ritmo meio irregular, que vai do frenesi à uma barrigada lá pela metade, mas se recupera na obscuridade da segunda parte, na minha opinião é um bom filme, com vários elementos e gêneros cinematográficos dentro de um, e que acaba tendo mais qualidades do que defeitos.

Só não digo que é um filme pra toda família, pois as crianças, apesar de amar os dinossauros, podem ficar meio assustadas com as cenas mais aterrorizantes (sei que eu fiquei), e os mais velhos podem acabar tendo um pequeno ataque cardíaco com os jump scare (sei que eu tive).

E vocês? Já assistiram ao filme? O que acharam?