[2019] Leituras de Maio, ou a resenha de “Rainha do Ar e da Escuridão”

Literatura, Na Estante

Não é surpresa pra ninguém que o mês de maio foi O PIOR MÊS DE LEITURA pra mim, desde 2018. Eu já esperava por isso, já que estava e férias e viajando.

A parte boa é que finalmente consegui ler o livro que me tomou metade do mês anterior.

A parte ruim é que só li metade de um livro em maio.

Vocês acompanham abaixo o resuminho do livro e a minha opinião sobre ele. Prometo explicar o porquê de ter demorado tanto nessa leitura:


1) “Rainha do Ar e da Escuridão” – Cassandra Clare

Rainha do Ar e da Escuridão é a conclusão épica para outra grande trilogia do universo de Instrumentos Mortais da autora best-seller Cassandra Clare.

Sangue inocente foi derramado nos degraus do Salão do Conselho, e o mundo dos Caçadores de Sombras se encontra à beira de uma guerra civil. Parte da família Blackthorn foge para Los Angeles, em uma tentativa de descobrir a origem da doença que está acabando com os bruxos. Enquanto isso, Julian e Emma tomam medidas desesperadas e embarcam em uma perigosa missão para o Reino das Fadas a fim de recuperar o Volume Negro dos Mortos. O que encontram é um segredo capaz de destruir o Mundo das Sombras e abrir um caminho tenebroso para um futuro que nunca poderiam ter imaginado. Em uma corrida contra o tempo, Emma e Julian devem salvar o mundo dos Caçadores de Sombras antes que o poder mortal da maldição parabatai destrua tudo o que amam.


Vou até mudar um pouco o formato desse post pra poder falar mais um pouco sobre o livro, já que foi o único concluído nesse mês. Não vai ser bem uma resenha, pois não vou detalhar nem nada, mas vou falar dos meus sentimentos a respeito.

Obviamente eu tenho uns mixed feelings aqui.

Entendam, Cassie Clare é uma das minhas autoras favoritas e eu passei os últimos 12 anos lendo as histórias dos Shadowhunters, então meio que sempre vou amar tudo o que ela escreve.

Minhas expectativas estavam altíssimas para ler a conclusão da trilogia de Os Artifícios das Trevas e o encerramento do arco de Julian e Emma em “Rainha do Ar e da Escuridão”, mas acabei quebrando a cara ao ir com muita sede ao pote e as coisas não serem tão perfeitas quanto eu achei que seriam.

Tipo, não foi ruim! Foi muito bom, mas tiveram coisas que me atrapalharam bastante e o primeiro problema é que esses livros demoram demais para serem lançados.

Eu havia lido “Senhor das Sombras”, o livro 2 da trilogia, em 2017, ou seja, HÁ DOIS ANOS ATRÁS. E acreditem, isso impactou muito a minha leitura. Claro que tiveram acontecimentos no final do livro anterior que foram inesquecíveis, mas grande parte daquele conteúdo se perdeu na minha memória e eu passei os primeiros capítulos do livro 3 completamente perdida.

Não bastasse estar super perdida no começo da história, o livro também começa com um ritmo bem lento e 84 pontos de vista diferentes.

Ok, não são realmente 84 POVs, mas a impressão que dá é essa, por que são muitos e nem todos eram tão interessantes assim. Pra mim isso é meio que um problema e impacta diretamente no meu ritmo de leitura. Acho que isso explica muito o por que de eu ter demorado 15 dias pra ler 300 páginas.

Deixando de lado o fato do livro enrolar demais e demorar pra pegar ritmo, ter todos aqueles pontos de vista que achei meio inúteis e que acho que poderiam ser facilmente cortados, quando ele entra nos trilhos a história suga a sua alma.

“Rainha do Ar e da Escuridão” é dividido em 3 partes e a coisa começa a ficar boa a partir da parte 2. Se eu demorei 15 dias pra ler 300 páginas, as outras 442 foram lidas basicamente em 2 dias e me deixou completamente desnorteada.

Mesmo com esses problemas no começo, é uma história muito bem estruturada e que aborda diversos plots. Acho que ali tinha história pra 2 ou 3 livros em vez de apenas 1.

Particularmente eu curto muito o arco d’A Tropa. Apesar de me deixar sempre muito puta quando lia (e ser até meio chato de ler, confesso), acho muito importante e muito legal quando autores fazem essa metáfora sobre problemas reais do governo atual dentro de seus livros. Infelizmente vivemos no Brasil um momento muito parecido com o que os norte-americanos vivem nos Estados Unidos, o que sempre faz com que a gente reflita e se identifique quando algo assim acontece. Nesse post sobre a série Supergirl eu falo um pouquinho sobre isso.

Claras referências à esses dois senhores

Apesar de ter gostado muito desse arco, detestei o final dele. Não vou dar nenhum tipo de spoiler aqui, mas a resolução pareceu meio forçada. Achei meio sem pé nem cabeça e bem conveniente (não pros mocinhos da história, sabe? por que deu merda e tal). Pareceu que a autora estava forçando uma situação que poderia ser resolvida de mil outras formas, mas que ela precisava que fosse dessa maneira. Provavelmente o final de “Rainha do Ar e da Escuridão” ficou como ficou devido à necessidade do plano de fundo da trilogia final que vai fechar as Crônicas dos Caçadores de Sombras: Os Poderes Perversos.

Fora os pontos negativos, a escrita da Cassie é impecável. Ela consegue misturar com maestria uma trama politica, caça à demônios e romance. Aconteceu tanta coisa nesse livro que me fez pirar que eu poderia ficar escrevendo aqui a noite inteira. Vou destacar algumas coisas pra vocês não acharem que só falei mal da história:

  • Toda a trajetória de Emma e Julian tem uma conclusão arrebatadora que me fez gritar e chorar, mas acredito que esse seja um dom da Cassie: seus protagonistas sempre sofrem de formas inimagináveis por amor. Você não conheceu o verdadeiro amor impossível até ler um livro da Cassandra Clare, meu bem;
  • Ty e Kit, e não vou falar mais pra não dar spoiler, mas o plot deles nesse livro foi uma das coisas que mais me causaram nervoso e me fizeram passar mal até o final. Além do mais eu shippo muito esses dois, aff…
  • Christina e todo o romance que a envolveu. Eu não quero falar demais pra não estragar a experiência de quem vai ler esse livro e berrar de excitação em certas partes, POR QUE O NEGÓCIO É BOM! Partiu meu coração no final? Partiu. Mas todo o percurso e descoberta foram incríveis! Amo como a Cassie consegue ser pioneira em inserir todas as formas de amor em seus livros de maneira super natural e verídica, sem forçar a barra. E amo e odeio o quanto ela faz até os personagens coadjuvantes sofrerem por amor;
  • Thule. Marquem esse nome, não vou dizer o que significa, mas tem todo um arco nesse livro e suspeito que ainda vá ser muito importante na última trilogia;
  • Os Blackthorn. Que família, amigos! Eles são completamente apaixonantes e já passaram por tanta merda que eu só queria que a próxima trilogia não fosse focada neles POR QUE JÁ CHEGA DE FAZER MEUS BEBÊS SOFREREM. Mas obviamente vai e com certeza não vai ser fácil pra eles.

Tem mais um milhão de pontos que eu queria citar, tanto plot, tanta coisa aconteceu nesse livro! Como disse ali em cima, foi história pra 3 partes. A única coisa que digo é: vai ser difícil de ler no começo, mas vai valer muito a pena. Com a Cassandra Clare e os nossos Caçadores de Sombras sempre vale a pena.

Acho que no final das contas isso aqui ficou realmente com cara de resenha, uma coisa meio descoordenada, mas avisei né: muitos mixed feelings aqui.

Agora que junho começou e eu voltei pra minha rotina, vamos apenas esperar que meu ritmo de leitura melhore e que eu possa trazer um post recheado de muitos livros lidos no próximo mês!

Não deixem de me contar aqui nos comentários o que vocês andam lendo 😉

Anúncios

[2019] LEITURAS DE ABRIL

Literatura

Se eu estava achando ruim o inferno astral de março e como ele afetou as minhas leituras, vocês não imaginam o que a iminência das minhas férias e os preparativos pra minha viagem fizeram com as leituras de abril e com a minha escrita em geral.

Abril foi um mês de muita correria e piração, fui totalmente relapsa com o blog e mal abri meus arquivos de escrita. A leitura foi tão lenta que parecia um flashback de 2018. Consegui ler 2 livros nas duas primeiras semanas do mês e nas duas ultimas fiquei encalhada em “Rainha do Ar e da Escuridão”, e acreditem, ainda estou na metade desse livro, que tem quase 800 páginas e letras miúdas.

Agora, sem muito chôroro, vamos às leituras de abril:



1 ) “Uma Noite e a Vida” – Chris Melo

Virgínia é inconstante e sonhadora por natureza. Depois de largar tudo para viver como mochileira e retornar a São Paulo logo após a aventura não se desenrolar da maneira como havia imaginado, a jovem fotógrafa se conforma com uma rotina pacata e saudável e um emprego entediante, mas que paga suas contas. Ela deseja a todo custo provar aos pais (e a si mesma) que está pronta para encarar a vida adulta de forma independente e sem confusões, mesmo que isso signifique deixar seus sonhos e planos grandiosos para trás.

Caio é o típico garotão boa-praça, que sempre conquista a todos com seu charme, estilo despojado e bom papo. Apaixonado por música, festas, garotas, cigarros e muita farra, o jovem está prestes a se formar em publicidade, mas seus pensamentos escapistas o impedem de vislumbrar o futuro recheado de responsabilidades que se aproxima. E está bem assim – ele sempre acredita que está e que as portas vão sempre se abrir por onde quer que passe.

Quando o destino une a vida dos dois, Virgínia redescobre seu lado amoroso, divertido e sonhador. Caio, por outro lado, se dá conta de que nem todo o carisma do mundo é capaz de resolver alguns problemas. Entre conflitos pessoais e familiares, segredos que vêm à tona e momentos de insegurança, eles se apoiam na esperança de que a empatia seja maior do que todas as diferenças e que o sentimento que os envolve seja mais forte do que toda a realidade.

Em uma narrativa dinâmica, sensível e leve, esses dois jovens paulistanos descobrirão que crescer é mais do que contar aniversários e quitar boletos, que amadurecer dói e alivia na mesma medida, que sucesso pode, muitas vezes, ser um conceito totalmente distorcido e que amar está além do que as canções de amor são capazes de entoar.

Uma coisa que sempre digo sobre a escrita da Chris é que ela tem uma qualidade muito única: ela parece poesia em forma de prosa. Sua redação é mágica e nos leva de forma encantadora e reflexiva através da jornada de seus personagens. Ela sempre fala de amor, que se manifesta de diferentes formas em cada uma de suas histórias. Pode ser um romance épico, casual ou cotidiano, uma certeza nós sempre temos: vai ser arrebatador acompanhar uma narrativa pela visão da Chris, e neste novo romance não poderia ser diferente.


2 ) “Todo o Tempo do Mundo”- Maurício Gomyde

E se você um dia descobrisse que viaja ao passado toda vez em que fica muito feliz? E que vai ao futuro toda vez em que fica muito triste? Pois isso é o que acontece com Vitor Pickett.
Tudo começou na noite em que ele beijou Amanda, e Vitor nunca teve chance de descobrir se aquilo é dádiva ou maldição, porque, ao fim daquela festa, Amanda foi embora para outro canto do mundo, para nunca mais voltar.
Vinte anos depois, ele é um recluso dono de vinícola numa cidadezinha do Sul do Brasil, e acha que ela morreu num atentado; Ela, entretanto, é casada e gerente da livraria mais bonita do mundo, em Buenos Aires.
Mas um reencontro inesperado poderá mudar tudo. Vitor entenderá por que viaja no tempo? Amanda revelará que não é quem ele sempre imaginou? Aquele amor renascido será mais poderoso do que tudo que os separa? 
As respostas dependerão de Vitor subverter a lógica insana de seu corpo e conseguir alterar um fato do passado. Porque, se é verdade que quando a primeira lágrima desce do olho esquerdo, o choro é de tristeza, e quando desce do direito o choro é de felicidade, aquele poderá ser o sinal mais poderoso de suas vidas…

Eu sou apaixonada pelos romances do Maurício Gomyde, ele é um desses escritores que te prendem desde a primeira página e te deixam completamente viciada na história. Nunca é apenas um romance, suas histórias sempre têm um background super rico, com personagens tremendamente reais e verdadeiros. Tudo acontece por um motivo e os encontros e desencontros desse livro quase me levaram a loucura.



3 ) “Carta aos Astros”- Ray Tavares

Aos 21 anos, todos estamos perdidos, mas Diego Neves acredita ser o mais perdido de todos. Preso a um curso de graduação pelo qual não se interessa, sem sucesso na carreira que gostaria de seguir e perdidamente apaixonado pela melhor amiga, ele não sabe exatamente como foi que a sua vida ficou tão complicada. Incapaz de conseguir desfazer o nó que ele próprio formou na cabeça, Diego decide escrever uma carta para cada mulher que passou pela sua vida, redimindo-se de todo mal que um dia já causou. Coincidentemente (ou não), cada garota possui um signo diferente. E ele vai descobrir o que exatamente a astrologia lhe reserva.

Esse aqui eu li a maior parte em março, pelo Wattpad, mas como só foi finalizado no final de abril, acabei por ler a última página só agora, então ele vai entrar como leitura neste mês pra eu não me sentir tão inútil sobre as minhas leituras. Gente, essa história é um spin-off de “Os 12 Signos de Valentina” e é incrível demais! Li a maior parte dele (os 38 capítulos disponíveis naquele momento) em uma sentada, é tão incrível que eu não quis levantar pra comer até chegar ao final! Agora ele já está completinho lá no Wattpad, e vocês podem acompanhar por esse link 😀


Enfim, eu tenho o pressentimento de que talvez o mês de maio vá ser tão fraco em leituras quanto foi o de abril, primeiro por que sigo encalhada no mesmo livro e segundo por que estou viajando e a leitura têm sido a ultima das minhas preocupações, mas espero que pelo menos a parte da escrita receba uma atenção mais especial 😀

E vocês, pessoal? O que andam lendo?

[2019] Leituras de Março

Literatura, Na Estante

Março sempre é um mês meio tenebroso pra mim. Digam o que quiserem, mas o Inferno Astral sempre me pega de jeito e avacalha a maior parte dos meus planos.

Entre batidas de carro, golpes do destino e toda sorte de pequenas coisas desagradáveis que antecederam meu aniversário, também enfrentei uma barrigada tremenda na parte literária da minha vida, tanto na escrita quanto na leitura.

O terceiro mês do ano foi aquele em que mal escrevi pro blog, salvo alguns textinhos feitos nas coxas (desculpa gente!), pra não dizer que não publiquei nada. Também foi o mês que tropecei na escrita do meu livro novo (um que faz parte dos meus projetos pra 2019, que ainda tô devendo texto aqui), e acabei não escrevendo nem uma frase sequer.

E março também foi o mês em que li menos páginas este ano. Me senti bem triste com isso, já que as Leituras de Fevereiro excederam expectativas e eu queria muito ter mantido o mesmo ritmo. Mas, como nem tudo são flores, principalmente no meu Inferno Astral, passemos a listinha (ligeiramente reduzida) com as leituras deste mês:


1) “Boa Noite” – Pam Gonçalves

Alina quer deixar seu passado para trás. Boa aluna, boa filha, boa menina. Não que tudo isso seja ruim, mas também não faz dela a mais popular da escola. Agora, na universidade, ela quer finalmente ser legal, pertencer, começar de novo. O curso de Engenharia da Computação – em uma turma repleta de garotos que não acreditam que mulheres podem entender de números -, a vida em uma república e novos amigos parecem oferecer tudo que Alina quer. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social. Quando Alina decide deixar de vez o rótulo de nerd esquisitona para trás, tudo se complica. Além de festas, bebida e azaração, uma página de fofocas é criada na internet, e mensagens sobre abusos e drogas começam a pipocar. Alina não tinha como prever que seria tragada para o meio de tudo aquilo nem que teria a chance de fazer alguma diferença. De uma hora para outra, parece que o que ela mais quer é voltar para casa.

É engraçado, por que eu achei que iria gostar muito mais deste livro do que do “Uma História de Verão”, também da Pam Gonçalves, que li em fevereiro. Não que tenha sido um livro ruim, foi muito bom e abordou um tema muito importante: o assédio contra mulheres dentro das faculdades. Mas achei esse livro menos profundo, apesar do assunto “mais pesado”.


2) “Bom Ano” – Pam Gonçalves

Pam Gonçalves traz de volta a Manu, de Boa noite, para falar sobre amor, amizade e aquele medo que dá quando precisamos encarar a vida adulta.

Um ano e meio depois dos acontecimentos de Boanoite e tudo o que Manu quer é reunir os amigos e ter uma noite de Ano-Novo divertida e inesquecível. Agora que todos estão se formando na faculdade, a vida parece um verdadeiro tsunami. E o mais inquietante é que todos parecem saber muito bem como lidar com a vida adulta. Todos, exceto Manu. Com Dani se recusando a conversar e os amigos ocupados com seus próprios dilemas, a garota investe toda a atenção na festa de Ano-Novo. Organiza comida, bebida, lugar… mas acaba querendo controlar um pouco mais que isso. Bom ano discute o papel dos amigos e amores em momentos cruciais da vida, com o tom sempre bem-humorado e sensível de Pam Gonçalves.

Esse conto, além de trazer de volta personagens de “Boa Noite”, também nos mostra um pouquinho como está da vida da Analu, protagonista de “Uma História de Verão”, então dizer que adorei foi pouco. Adoro esses crossovers. E mais, achei que a escrita da Pam evoluiu demais dos outros dois livros pra esse conto. 


3) “Tinderela e o Coração de Cristal – Vol. 2” – Bianca Briones

Beatriz é uma mulher na casa dos trinta, que coleciona decepções amorosas. Ela não se encaixa no padrão de beleza imposto pela sociedade e não se importa muito com isso, porém sente uma necessidade imensa de ser amada, essa carência a coloca em situações que a machucam emocionalmente cada vez mais.
Em uma brincadeira de amigos, ela acaba no Tinder, um pouco receosa a princípio, depois passa a crer que poderá, enfim, encontrar o amor.
Tinderela e o Coração de Cristal é uma história contada em 12 volumes, que serão lançados ao longo de 2019, um a cada mês, sempre na última semana. Na saga, acompanharemos um ano na vida de Beatriz, e sua busca desesperada por amor. E, assim como ela, descobriremos, aos pouquinhos, que antes de encontrar um grande amor, precisamos encontrar a nós mesmos.
No SEGUNDO VOLUME, a nossa Tinderela conhece Giovani, um jovem de 22, instrutor de academia, que a surpreende de formas que ela sequer poderia imaginar. Será que as inseguranças de Beatriz a permitirão que ela o deixe se aproximar?

O volume 2 da história da nossa Tinderela veio só pra deixar a gente mais curioso com o que o futuro reserva para Beatriz. Adoro a escrita da Bianca, e vou dizer isso pra sempre, é tão incrível que faz com que você leia o conto inteiro e nem se dê conta disso. Quando percebe já acabou e você ficou chupando o dedo, tendo que esperar até o mês seguinte pra ler a continuação.


4) “Heroínas” – Laura Conrado, Pam Gonçalves e Ray Tavares

Não faltam heróis. Dos clássicos às histórias contemporâneas os meninos e homens estão por todo lugar. Empunhando espadas, usando varinhas mágicas, atirando flechas ou duelando com sabres de luz. Mas os tempos mudam e já está mais do que na hora de as histórias mudarem também. Com discussões feministas cada vez mais empoderadas e potentes, meninas e mulheres exigem e precisam de algo que sempre foi entregue aos meninos de bandeja: se enxergar naquilo que consomem.
Este é o livro de um tempo novo, um tempo que exige que as mulheres ocupem todos os espaços, incluindo a literatura.
Laura Conrado imaginou as Três mosqueteiras como veterinárias de uma ONG, que de repente contam com a ajuda de uma estudante que não hesita em levantar seu escudo para defender os animais.
A Távola Redonda de Pam Gonçalves é liderada por Marina, que diante do sumiço do dinheiro que os alunos de sua escola pública arrecadaram para a formatura, desembainha a espada e reúne um grupo de meninas para garantirem a festa que planejaram.
E Roberta é a Robin Hood de Ray Tavares. Indignada com a situação da comunidade em que vive, a garota usa sua habilidade como hacker para corrigir algumas injustiças.
Este é um livro no qual as meninas salvam o dia. No qual elas são o que são todos os dias na vida real: heroínas. Finalmente.

Não vou mentir: eu tenho problemas com livros de contos. Principalmente quando são de autores diferentes, por que sempre acaba que uns contos são melhores do que outros, e no fim das contas você fica presa por dias num conto de 100 páginas não tão legal assim. Isso aconteceu com esse livro, mas juro que tudo valeu a pena quando cheguei no conto da Pam Gonçalves, e GENTE, essa talvez tenha sido a melhor história que ela escreveu até agora. Foi tão bom, tão bem executado e escrito que queria ver isso no cinema algum dia.


5) “Quando Saturno Voltar” – Laura Conrado

Conta história envolvente e divertida sobre aceitar mudanças inesperadas e seguir em busca da felicidade. Em seu novo romance, Laura Conrado conta a história de Déborah Zolini, uma jornalista sonhadora e fã de Pablo Neruda que trabalha como assessora de imprensa de um clube de futebol da segunda divisão e namora o médico Sérgio há quatro anos. Ela faz planos de construir uma vida a dois, arrumar um emprego melhor e correr atrás de desejos que ainda não realizou. Só que a vida, ou as estrelas, guardam surpresas para Déborah. Em uma viagem ao Chile, ela encontra uma mulher misteriosa que lhe fala sobre o retorno de Saturno. O planeta, que leva, em média, 29 anos para dar uma volta no sistema solar, voltará à posição em que se encontrava quando a jornalista nasceu. Para quem acredita em astrologia, esse é momento em que as pessoas passam por várias mudanças, que vão prepará-las para encarar o resto de sua vida. Déborah não leva a moça muito a sério, mas pede às estrelas que a ajudem a realizar seus desejos. No entanto, no voo de volta ao Brasil, um encontro inesperado começa a abalar a vida aparentemente certinha da protagonista. Aos poucos, Déborah começa a notar que seu namoro anda meio morno, a falta de reconhecimento no trabalho a incomoda. Ela começa a admitir que não está gostando do rumo que as coisas estão tomando. Será a hora de partir para novos desafios? Trocar aquele relacionamento confortável pelo frio na barriga? Sair de vez da zona de conforto e ver o que acontece?

Se o conto da Laura que eu li em “Heroínas” não me deixou muito animada, tudo foi esquecido quando li “Quando Saturno Voltar”. Tiveram umas pequenas coisas que me incomodaram, tipo a personagem depreciar outras por questões de aparência física, o que eu relevei, por que afinal de contas, na época em que o livro foi escrito, não estava tão em voga quanto está agora a sororidade e o feminismo, que admito mudaram muito a minha percepção sobre certas coisa. Se eu tivesse lido o livro no ano de lançamento isso não teria me incomodado, mas atualmente me deixou desconfortável. Porém, o que são uma ou duas cenas com esse tipo de situação, perto da perfeição desse livro INTEIRO? Sério, talvez “Quando Saturno Voltar” tenha sido meu livro favorito de Março, amei a escrita e a jornada da personagem! Além de ter me identificado demais com a Déborah, já que estou no meu Retorno de Saturno e cheia de coisas mal resolvidas na vida! Enfim, fiz até um post no Instagram falando sobre o livro, se vocês quiserem mais detalhes.


6) “Literalmente Amigas” – Laura Conrado, Marina Carvalho

Duas das mais populares autoras brasileiras da nova geração, as mineiras Laura Conrado e Marina Carvalho se juntaram pela primeira vez para escrever Literalmente Amigas.
Quando Gabi e Lívia, duas apaixonadas por livros, se conheceram em uma comunidade sobre literatura em uma extinta rede social, não imaginavam que se tornariam melhores amigas e que criaram um blog de resenhas literárias, o Literalmente Amigas. 
Desde então, elas são inseparáveis, apesar das personalidades muito diferentes! Gabi é um pouco avoada, desorganizada financeiramente, de riso fácil e vive uma história de conto de fadas com o namorado de longa data. Já Lívia é assertiva, firme e possui planos bem delineados para seu futuro, embora ainda não tenha encontrado o emprego dos sonhos nem um romance arrebatador como o de seus livros favoritos.
Juntas, elas enfrentam as dificuldades da juventude, seja na profissão, seja no amor, até tudo começar a mudar quando ambas são selecionadas para a mesma vaga — para a qual as duas se inscrevem, sem contar uma para outra — na principal editora do país. Será que a paixão pelos livros, que antes unia as amigas, agora se tornará o motivo do término da amizade?

Mais um livro que mexeu demais comigo. Como vocês acompanharam neste post aqui, conheci as minhas melhores amigas através da internet, “por culpa” da literatura. Então ler uma história sobre melhores amigas unidas pelo amor aos livros fez com que eu me identificasse demais com a história. Achei a escrita meio elaborada demais (daquelas que têm um pouco de palavras mais difíceis, sabe?) pro público-alvo: jovens adultos, o que me fez dar uma derrapada no começo, principalmente por que eu tinha acabado de sair de várias leituras leves e fáceis, mas depois de ajustar o ritmo a história fluiu super bem e fiquei encantada demais com o romance presente e a amizade tão bonita entre duas pessoas tão diferentes.


7) “O Livro Delas” – Bianca Carvalho, Carolina Estrella, Chris Melo, Fernanda Belém, Fernanda França, Graciela Mayrink, Leila Rego, Lu Piras, Tammy Luciano

Nove talentos da literatura nacional, que conquistaram os corações e mentes de leitores, em um livro de contos inesquecível. Organizado por Renata Frade, responsável pelo projeto LitGirlsBr, que visa a aproximar escritoras e leitoras e fomentar o debate sobre literatura nacional, O livro delas reúne histórias de Bianca Carvalho, Carolina Estrella, Chris Melo, Fernanda Belém, Fernanda França, Graciela Mayrink, Leila Rego, Lu Piras e Tammy Luciano, e apresenta o que há de mais representativo no estilo de cada escritora. Do sobrenatural ao chick-lit, passando por romance, aventura, drama e denúncia social, a coletânea agrada desde os leitores jovens adultos aos mais velhos. Em comum, o talento das nove autoras para contar belas histórias. O texto de orelha é assinado pelo escritor Maurício Gomyde.

Esse livro me fez ter certeza de que tenho problemas com antologias. É aquele probleminha de vários contos num livro só, escritos por autores diferentes, uns muito bons, uns mais ou menos e alguns ruins. Isso afetou bastante o meu ritmo de leitura, mas sou muito grata por ter lido esse livro. Primeiro por que a maioria dos contos eram bem bacanas, e com uma média de 50 páginas, ou seja, rapidinhos. Mas o principal motivo da minha gratidão foi o conto da Chris Melo, “Era Amor”. Teoricamente um conto banal, em forma de diário, com uma história bem cotidiana, sobre uma mulher tentando superar um divórcio. A premissa pode não parecer muito atraente, principalmente pra mim que nem namoro, imagina casar e se separar, nenhum tipo de identificação, certo? ERRADO! O conto fala de amor, com uma poesia que é bem característica da Chris. Chorei igual uma idiota dentro do ônibus e constatei algo que já sabia: Chris Melo é minha autora favorita. Isso que ela fez não é nem escrever, é magia.


Bom pessoal, essas foram as minhas leituras de março, composta apenas por escritoras nacionais que eu adoro, com histórias maravilhosas! Inclusive esse ano eu só estou lendo bons livros! 2019 tá saindo melhor que a encomenda!

Além desses 7 livros, também li os 37 capítulos disponíveis no Wattpad de “Carta aos Astros” (QUE É INCRÍVEL, VOCÊS PRECISAM LER!!!), spin-off do livro “Os 12 Signos de Valentina”, escrito pela Ray Tavares. Acabei não colocando ele aqui no meio por que a história ainda não foi finalizada, mas provavelmente ele deve entrar nas Leituras de Abril 😀

Agora é torcer pra voltar pro ritmo de leitura de Fevereiro e deixar a barrigada e o Inferno Astral em Março.

E vocês, o que estão lendo?? Contem pra mim aqui nos comentários 🙂

[2019] Leituras de Fevereiro

Literatura, Na Estante

Minha gente, esse ano tá voando! Pisquei e fevereiro já chegou ao fim. Parece que foi ontem que eu vim aqui contar sobre as minhas Leituras de Janeiro e falar a respeito da minha resolução cheia de projetos pessoais.

O post com essas resoluções e o resumo das minhas metas de 2019 ainda vou ficar devendo, mas as minhas Leituras de Fevereiro já estão entre nós!

Na correria que foi esse segundo mês do ano acabei não resenhando nenhum livro aqui no blog, mas vou deixar vocês com o resumão de tudo o que fez a minha cabeça no quesito literatura:


1) “Tinderela e o Coração de Cristal” – Bianca Briones

Beatriz é uma mulher na casa dos trinta, que coleciona decepções amorosas. Ela não se encaixa no padrão de beleza imposto pela sociedade e não se importa muito com isso, porém sente uma necessidade imensa de ser amada, essa carência a coloca em situações que a machucam emocionalmente cada vez mais.

Em uma brincadeira de amigos, ela acaba no Tinder, um pouco receosa a princípio, depois passa a crer que poderá, enfim, encontrar o amor. 

Tinderela e o Coração de Cristal é uma história contada em 12 volumes, que serão lançados ao longo de 2019, um a cada mês, sempre na última semana. Na saga, acompanharemos um ano na vida de Beatriz, e sua busca desesperada por amor. E, assim como ela, descobriremos, aos pouquinhos, que antes de encontrar um grande amor, precisamos encontrar a nós mesmos.

Eu nunca canso da escrita da Bianca Briones, é incrível como ela consegue criar personagens tão reais e atuais. O único defeito dessa história é que é curta demais e eu já estou mais do que ansiosa pra ler o volume 2!


2) “Em Pedaços (Recomeços #1)” – Lauren Layne

Uma garota com segredos corrosivos. Um ex-soldado com cicatrizes externas e internas. Um amor que pode salvar ambos… ou destrui-los de vez.

Aos vinte e dois anos, Olivia Middleton tem Nova York aos seus pés. Por fora, ela é a garota perfeita — linda, inteligente e caridosa — mas, por dentro, guarda um segredo terrível: um erro que a afastou das duas únicas pessoas que realmente importavam na sua vida. Determinada a esquecer o passado, ela deixa Manhattan e vai trabalhar como cuidadora de um soldado recém-saído da guerra. O que ela não esperava era que seu paciente seria um jovem enigmático de vinte e quatro anos tão amargurado quanto atraente.

Paul Langdon está furioso — com o mundo, com a vida, com o seu pai e, principalmente, consigo mesmo. Depois de sofrer na pele os horrores da Guerra do Afeganistão, a última coisa que ele quer é a companhia de uma princesinha nova-iorquina linda, mimada e irritante. A presença de Olivia parece tóxica para Paul: ela o incomoda, mas ele não consegue afastá-la, por mais que tente.

Nessa recontagem moderna de A Bela e a Fera, Lauren Layne nos traz uma história irresistível de perdão, cura e, acima de tudo, amor.

Me descobri obcecada pelos livros da Lauren Layne! São histórias absurdamente clichês, que você sabe exatamente todos os pontos de virada e o final, nada surpreendente. Entretanto a escrita dela é completamente viciante e você não consegue largar o livro até chegar à página final. Terminei esse numa sentada só e em seguida já estava obcecada procurando pelo próximo.


3) “Como Num Filme (Recomeços #0.5)” – Lauren Layne

As regras são claras… até o momento em que são quebradas. Neste livro da série Recomeços, conheça a história de Ethan. As únicas coisas que o mauricinho Ethan e a rebelde Stephanie têm em comum são o curso de cinema na Universidade de Nova York e o roteiro que precisam desenvolver juntos. Mas, quando a proposta de recriar clássicos de Hollywood se confunde com a realidade, eles acabam se tornando os protagonistas de uma história de amor digna de Oscar! Ela quer um quarto confortável em uma boa casa. Ele quer ficar longe de sua ex. Eles precisam de uma boa nota.

Convencidos a ajudar um ao outro, os dois entram em um acordo: Stephanie será a namorada de mentirinha de Ethan enquanto ele a deixa morar em seu apartamento. Para isso, ela deverá fingir ser uma perfeita lady: discreta, arrumadinha e, claro, completamente apaixonada… igualzinha à personagem do filme que estão criando. Contudo, à medida que os dois se aproximam, Ethan se vê completamente apaixonado pela garota cheia de mistérios e contradições ao seu lado. Agora, ele vai ter que decidir: será que seus sentimentos são pela Stephanie de verdade? Ou apenas pela versão que ele criou?

Esse livro se passa antes dos acontecimentos de “Em Pedaços”, mas deve ser lido só após o término do primeiro. A história deste romance segue o mesmo padrão do anterior: clichê, previsível e sem nenhuma surpresa, mas também mantêm a mesma qualidade de seu predecessor: é impossível desgrudar das páginas até chegar ao final! Você consegue lê-lo de uma vez só e é aquele livro ideal para espairecer entre uma leitura mais pesada e outra.


3) “Os 27 Crushes de Molly” – Becky Albertalli

Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos dezessete anos, a menina acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, vive dizendo que ela precisa ser mais corajosa, mas Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas.

Tudo muda quando Cassie começa a namorar Mina, e Molly pela primeira vez tem que lidar com uma solidão implacável e sentimentos muito conflitantes. Por sorte, um dos melhores amigos de Mina é um garoto hipster, fofo e lindo, o vigésimo sétimo crush perfeito e talvez até um futuro namorado. Se Molly finalmente se arriscar e se envolver com ele, pode dar seu primeiro beijo e ainda se reaproximar da irmã.

Só tem um problema, que atende pelo nome de Reid Wertheim, o garoto com quem Molly trabalha. Ele é meio esquisito. Ele gosta de Tolkien. Ele vai a feiras medievais. Ele usa tênis brancos ridículos. Molly jamais, em hipótese alguma, se apaixonaria por ele. Certo?

Em Os 27 Crushes de Molly, a perspicácia, a delicadeza e o senso de humor de Becky Albertalli nos conquistam mais uma vez, em uma história sobre amizade, amadurecimento e, claro, aquele friozinho na barriga que só um crush pode provocar.

Eu amei muito esse livro! Terminou e eu só queria pegar a Molly e colocar ela dentro de um potinho! Eu queria virar amiga dela e dos amigos dela! Amo a escrita da Becky (mesma autora de “Simon vs. a Agenda Homo Sapiens”), amo que seus personagens são super bem construídos e como existe toda uma preocupação em retratar a inclusão de diversas etnias e tipos de opção sexual entre os seus personagens. O nome disso é representatividade e a escritora faz com maestria enquanto nos guia por uma história completamente envolvente! 

P.S.: esse livro se passa no mesmo Universo dos outros livros 
da autora, então você pode ter um infarto ou dois com a 
citação à personagens que já conhecemos e amamos!


5) “Leah Fora de Sintonia (Creekwood #2)” – Becky Albertalli

Sequência do sucesso Com Amor, Simon.

Leah odeia demonstrações públicas de afeto. Odeia clichês adolescentes. Odeia quem odeia Harry Potter. Odeia o novo namorado da mãe. Odeia pessoas fofas e felizes. Ela odeia muitas coisas e não tem o menor problema em expor suas opiniões. Mas, ultimamente, ela tem se sentido estranha, como se algo em sua vida estivesse fora de sintonia. No último ano do colégio, em poucas semanas vai ter que se despedir dos amigos, da mãe, da banda em que toca bateria, de tudo que conhece. E, para completar, seus amigos não fazem ideia de que ela pode estar apaixonada por alguém que até então odiava, uma garota que não sai de sua cabeça.

Nesta sequência do sucesso “Com Amor, Simon”, vamos mergulhar na vida e nas dúvidas da melhor amiga de Simon Spier. Em um livro só dela, mas com participações mais do que especiais dos personagens do primeiro livro, vamos acompanhar Leah em sua luta para se encontrar e saber com quem dividir suas verdades e seus sentimentos mais profundos.

Em Leah fora de sintonia, Becky Albertalli mostra por que é uma das vozes mais importantes e necessárias de sua geração. Sem nunca soar didática, a escritora lança mão dos mesmos ingredientes que tornaram “Com Amor, Simon” um sucesso mundial: a leveza, o senso de humor, a representatividade e a certeza de que vale a pena contar histórias sobre jovens que podem até estar perdidos, mas estão determinados a encontrar seu caminho.

Esse livro dividiu muitas opiniões! Principalmente por que mostra um outro lado da Leah, um bem diferente do que foi mostrado em “Simon vs. a Agenda Homo Sapiens” e eu não sei se foi por que as pessoas não entenderam bem, mas eu adorei demais essa história. A Leah não é uma personagem fácil e estar dentro da cabeça dela por 320 páginas pode não ser uma missão fácil se você não compreender a personagem. Existem motivos pra ela ser como é e, conforme a gente se aprofunda na história dela, vai compreendendo melhor suas ações. Essa é a magia desse livro e dos outros escritos pela Becky: ela não cria personagens perfeitos! Todo mundo é cheio de defeitos e dramas e tem sua própria jornada de descoberta pra percorrer. É sempre uma honra poder acompanhá-los por todo esse caminho.

P.S.: é ideal que esse livro seja lido depois do da Molly, pois têm acontecimentos relacionados.


6) “O Natal dos Neves” – Ray Tavares

A família Neves é… peculiar. Grande, barulhenta e cheia de opiniões, é exatamente o oposto do ambiente em que Isadora cresceu. Talvez seja por isso que Andrei esteja tão receoso em apresenta-la aos pais e aos irmãos durante a data mais caótica do ano: o Natal. Ou talvez seja porque ele está 100% pronto para dizer as temerosas três palavrinhas para a namorada, “eu te amo”, mas precise encontrar o momento perfeito para isso.

Observação: o conto se passa após o final de “Os 12 Signos de Valentina”, porém, antes do epílogo do livro.

Aquele conto curtinho pra matar a saudade de personagens tão queridos! Foi ótimo acompanhar a história pelo ponto de vista do Andrei e ficar suspirando a cada página pelo jeito como ele vê a Isadora. Que amor lindo! Além do romance, não podia faltar muita comédia, afinal é uma história da Ray Tavares, e se ela não me fizer gargalhar pelo menos uma vez por capítulo tem alguma coisa errada!


7) “Dumplin'” – Julie Murphy

Especialmente para os fãs de John Green e Rainbow Rowell, apresentamos uma destemida heroína e sua inesquecível história sobre empoderamento feminino, bullying, relação mãe e filha, e a busca da autoaceitação.

Sob um céu estrelado e ao som de Dolly Parton, questões como o primeiro beijo, a melhor amiga, a perda de alguém que amamos demais e “estou acima do peso e ninguém tem nada com isso” fazem de Dumplin’ um sucesso que mexerá com o seu coração. Para sempre.

Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo… até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular… e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca. Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela.

Puta que pariu! Esse livro é incrível! Uma das melhores coisas que li na minha vida e acho que deveria ser lido PELO MUNDO INTEIRO! Alguém coloca ele nas pautas das escolas, todo mundo deveria conhecer a história da Will. Adorei a narrativa da Julie Murphy e se pudesse teria lido o livro inteiro de uma vez só. Ainda não conferi a adaptação para as telas, mas quero muito fazer um comparativo assim que assistir o filme na Netflix.


8) “Amor Plus Size” – Larissa Siriani

Maitê Passos é uma garota linda, de dezessete anos e mais de cem quilos. Ela passou a infância e a adolescência sendo resumida ao peso. Mas e quando é justamente esse o fator que pode mudar completamente a sua vida?

Em meio ao turbilhão do ensino médio, com uma mãe obcecada por dietas, um crush antigo por Alexandre, o cara mais gato da escola, e uma amizade deliciosa com Isaac, fotógrafo amador, Maitê vai descobrir que não precisa ser igual a todas as outras meninas para ser feliz.

Neste romance corajoso e cheio de reviravoltas, Larissa Siriani narra a história de uma jovem descobrindo seu lugar no mundo, construindo uma jornada incrível de autoconhecimento, aceitação e empoderamento.

A mensagem desse livro é maravilhosa! Se no que li anterior à ele a protagonista já era completamente empoderada, nesse a gente acompanha de perto a jornada de auto-conhecimento da personagem central, ao se dar conta que é linda exatamente do jeito que é e só precisa enxergar isso e tomar o poder para si. Adorei a história e acho que deveria ser pauta nas escolas também. Esse é um livro muito importante, que dá voz e representatividade à um público que precisa de atenção e relevância na nossa sociedade também.


9) “Um Dia dos Namorados (im)Perfeito” – Larissa Siriani

Tudo o que Isaac quer é dar à namorada um primeiro Dia dos Namorados perfeito, com direito a flores, jantar e, quem sabe, se ele der sorte, uma noite inesquecível. Mas quando tudo começa a dar errado e ele é forçado a improvisar. Isaac percebe que o mais importante não é como vai passar o dia 12 de Junho – é com quem.

Um contro amorzinho de “Amor Plus Size” que vem pra matar a saudade de personagens super queridos! Adorei que ele é do ponto de vista de Isaac e a gente pode dar uma espiadinha nos pensamentos dele! Super romântico e com pitadas de humor, não pode ficar de fora da sua lista de leituras!


10) “O Amante da Princesa” – Larissa Siriani

Um romance sensual e divertido sobre as escolhas que são feitas por nós — e sobre tomar as rédeas da vida nas próprias mãos.

Maria Amélia de Bragança é princesa do Brasil, prometida a Maximiliano Habsburgo, arquiduque da Áustria. Mas não há nada que ela deseje menos do que esse casamento: como alguém pode querer que ela se case com um homem que nem sequer conhece? O que Amélia não esperava é que seu noivo chegasse ao Palácio das Janelas Verdes, em Lisboa, acompanhado do amigo Klaus Brachmann, um homem charmoso e experiente que se sente compelido a seduzir a princesa apenas pelo prazer da conquista. Uma viagem inesperada que Maximiliano precisa fazer se mostra a oportunidade perfeita para que Klaus ensine uma coisinha ou outra a Amélia entre quatro paredes… E, conforme o jogo avança, a possibilidade de casamento se torna cada vez mais remota para a princesa, que agora precisa proteger seu coração a todo custo.

Eu fiquei completamente arrasada com o final desse livro! Sério, floi um romance arrebatador! Me apaixonei completamente por todos os personagens, torci e me identifiquei com eles, ri e me diverti, chorei e sofri e ainda me emocionei pra caramba. ESSE É UM LIVRO COMPLETO, MINHA GENTE! Esse é aquele romance histórico nacional (que ainda por cima é inspirado por personagens reais) que falta na sua estante! Amém Larissa Siriani, já quero toda uma série de livros de época inspirados em personagens reais!


11) “O Natal dos Brachmann” – Larissa Siriani

Klaus Brachmann é um homem recluso, que não quer nada além de criar sua filha em paz. Mas o Natal é uma data para ser celebrada em família, e nada impedirá Berta Prilgsheim de ver seu querido irmão este ano. E quando um desastre transforma as festas em desespero, os Brachmann precisarão se unir mais do que nunca para superarem suas dores juntos e descobrirem o verdadeiro sentido do Natal.

O conto se passa alguns anos após o livro ” O Amante da Princesa” e aqui a gente consegue visualizar como alguns personagens tão amados estão depois daqueles eventos traumáticos. Não vou mentir, chorei praticamente o conto inteiro, ainda de coração partido. Mas achei a história muito importante por dar um background pra vilã do livro e fazer a gente perceber que ela não era má só por ser, haviam motivos e aqui ela se redime.


12) “Uma História de Verão” – Pam Gonçalves

É o último verão de Analu perto de casa antes da faculdade. Entre a dificuldade de se entender com seus pais, que queriam que ela cursasse Direito e não Cinema, e as persistentes comparações com seu irmão gêmeo, André Luiz, o grande exemplo de filho que faz tudo para agradar, a garota está cansada de tanta hipocrisia e da cobrança de todos e só quer aproveitar suas férias com os amigos. O lugar é lindo, o clima está ideal e não faltam lembranças em cada cantinho da praia. Pena que nem todas são boas: a primeira decepção amorosa e grande paixão de Ana Luísa, Murilo, está de volta com o sorriso cafajeste de sempre e novas promessas. De um lado, o futuro em uma nova e incrível cidade, São Paulo; do outro, os amigos, a família e um amor traiçoeiro que ao mesmo tempo machuca e envolve.

Eu tô besta com esse livro! Foi o primeiro que li da minha xará, a Pam Gonçalves, e senti como se estivesse lendo uma das histórias da Meg Cabot, só que ambientada no nosso BRzão. Além de ser um romance para Jovens Adultos, super leve e fluído, que aborda diversos assuntos, também é uma história cotidiana, que pode estar sendo vivida por diversos jovens. O que mais amei foi o final inesperado, nem um pouco clichê, mas completamente verdadeiro. Aprendi aqui algumas lições com a Analu e vou levar essa história de verão comigo pra sempre.


Bom gente, sigo muito feliz com as minhas leituras de 2019 até agora. Todos os livros foram maravilhosos e me mantiveram nesse ritmo incrível!

Adorei que esse mês li vários livros representativos, com personagens que são gordas e empoderadas! Acho muito importante ter espaço para esse tipo de literatura nos dias de hoje, assim a gente conscientiza todas essas jovens impressionáveis que não precisa existir um padrão de beleza imposto pela sociedade, VOCÊ É LINDA SIM! O importante é se amar do jeitinho que você é!

Mês que vem eu volto com as Leituras de Março!

E vocês, o que andam lendo?

[2019] Leituras de Janeiro

Literatura, Na Estante

Todo mundo já sabe que a leitura é um dos meus maiores hobbies, entretanto o ano passado e o anterior foram meio confusos nessa área da minha vida, e acabei vacilando um pouco com a minha meta de leituras nesses anos.

Como resolvi comigo mesma que 2019 seria um ano diferente em um monte de pontos, resolvi começar colocando meus objetivos literários em ordem e criando um cronograma de leitura diário pra conseguir cumprir com todos os desafios propostos (não apenas os literários, mas vamos falar disso em um outro post).

Janeiro foi um sucesso no quesito leituras, inclusive estava numa fase maravilhosa lendo vários romances LGBT em sequência, porém, com a correria do dia a dia, não consegui resenhar aqui todos os livros que li, então resolvi compartilhar todos eles num único post, com sinopses e comentários ocasionais.

Assim sendo, confiram abaixo a lista com as Leituras de Janeiro de 2019:

1 .”Minha Vida não é uma Comédia Romântica” – Lola Salgado

Chloe Tavares não aguenta mais assistir de camarote seus planos indo por água abaixo. Já desistiu de três faculdades, cansou de lidar com as implicâncias de tia Célia e, para piorar, ser atendente de telemarketing na CarreTel está longe de ser o emprego dos sonhos (o tarado que telefona diariamente é um dos motivos). Ela precisa tomar uma atitude e dar um jeito em sua vida. Por que, então, não começar com um amor como o das comédias românticas? É o item mais fácil da lista, certo? Porém, ela nem podia sonhar que acabaria sendo amaldiçoada no caminho. E, dentre todas as coisas saindo do controle, talvez a pior seja o fato de o seu melhor amigo, Tales Gentil, começar a provocar coisas esquisitas em seu coração.

A resenha completa deste livro vocês encontram aqui 😀


2. “O Primeiro Natal – Um conto da série Batidas Perdidas” – Bianca Briones

O Primeiro Natal é um conto da série Batidas Perdidas, em que Rafael e Viviane retornam para mostrar seu primeiro Natal como pais.
Nessa época tão linda e encantadora do ano, veremos como está a vida dos dois, como estão lidando com as perdas que tiveram ao longo dos anos e o quanto seu amor é forte para sustentá-los.



Este livro acabei não conseguindo resenhar, mas é sempre uma delicia poder reencontrar esses personagens que a gente tanto ama, principalmente num conto tão cheio de emoção quanto esse.


3. “Quinze Dias” – Vitor Martins

Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática. 

Mas as coisas fogem um pouco do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele estão viajando. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho. 

Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

A resenha completa deste livro vocês encontram aqui 😀


4. “Um Milhão de Finais Felizes” – Vitor Martins

Jonas não sabe muito bem o que fazer da vida. Entre suas leituras e ideias para livros anotadas em um caderninho de bolso, ele precisa dar conta de seus turnos no Rocket Café e ainda lidar com o conservadorismo de seus pais, sua mãe alimenta a esperança de que ele volte a frequentar a igreja, e seu pai não faz muito por ele além de trazer problemas.
Mas é quando ele conhece Arthur, um belo garoto de barba ruiva, que Jonas passa a questionar por quanto tempo conseguirá viver sob as expectativas de seus pais, fingindo ser uma pessoa diferente de quem é de verdade. Buscando conforto em seus amigos (e na sua história sobre dois piratas bonitões que se parecem muito com ele e Arthur), Jonas entenderá o verdadeiro significado de família e amizade, e descobrirá o poder de uma boa história.

Gente, esse livro! Eu não consigo nem explicar o turbilhão de emoções em que entrei ao ler esse livro! A única coisa que posso dizer é que quero ler Sereios Gays, então providenciem! 
(e se vocês não sabem do que estou falando, é por que está na hora de lerem essa história maravilhosa!)


5. “Você tem a Vida Inteira” – Lucas Rocha

As vidas de Ian, Victor e Henrique se encontram de uma forma inesperada.
Ian conhece Victor no dia em que recebe o resultado de seu teste rápido de HIV. Os dois são universitários. Victor está envolvido com Henrique. Ian está solteiro. Os três são gays.
Dois deles têm a vida atingida pela notícia de um diagnóstico positivo para o HIV. Um não tem o vírus. Um está indetectável. Dois estão apaixonados. Henrique é mais velho e, depois de Victor, pensou que poderia acreditar de novo em alguém. Victor têm medo do que o amor pode trazer para a sua vida. Ian sequer sabe se será capaz de amar. Os três são, ao mesmo tempo, heróis e vilões de uma história que não é sobre culpa, mas sim sobre amor, amigos e sobre como podemos formar nossas próprias famílias.

Eu fiquei tão impactada com esse livro. Só soube chorar com aquele final maravilhoso. E a mensagem mais importante, acima de tudo é: “Está tudo bem”.


6. “O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude” – Mackenzi Lee

Uma aventura romântica do século XVIII para a era moderna. Simon Versus a Agenda Homo Sapiens, encontra os anos 1700.

Henry “Monty” Montague nasceu e foi criado para ser um cavalheiro, mas nunca foi domado. Os melhores internatos da Inglaterra e a constante desaprovação do pai não conseguiram conter nenhuma das suas paixões – jogos de azar, álcool e dividir a cama com mulheres e homens.

Mas agora sua busca constante por uma vida cheia de prazeres e vícios está em risco. O pai quer que ele tome conta dos negócios da família. Mas antes Monty vai partir em seu Grand Tour pela Europa, com a irmã mais nova, Felicity, e o melhor amigo, Percy – por quem ele mantém uma paixão inconsequente e impossível. Monty decide fazer desta última escapada umafesta hedonista e flertar com Percy de Paris a Roma. Mas quando uma de suas decisões imprudentes transforma a viagem em uma angustiante caçada através da Europa, isso faz com que ele questione tudo o que conhece, incluindo sua relação com o garoto que ele adora.

Este, com certeza, foi um dos livros mais apaixonantes que já li em toda a minha vida! Fiquei muito impactada com a história, não apenas o romance me tirou o chão, mas toda a aventura e o mistério me deixaram sem fôlego.


7. “Apenas uma Garota” – Meredith Russo

Prestes a entrar na vida adulta, Amanda Hardy acabou de mudar de cidade, mas a verdadeira mudança de sua vida vai ser encarar algo muito mais importante: a afirmação de sua identidade. Tudo que ela mais quer é viver como qualquer outra garota. E, embora acredite firmemente que toda mudança traz a promessa de um recomeço, ainda não se sente livre para criar laços afetivos. Até que ela conhece Grant, um garoto diferente de todos os outros. Ela não consegue evitar: aos poucos, vai permitindo que Grant entre em sua vida. Quanto mais eles convivem, mais ela se sente impelida a se abrir e revelar seu passado, mas ao mesmo tempo tem muito medo do que pode acontecer se ele souber toda a verdade. Porque o segredo que Amanda esconde é que ela era um menino.

Em seu romance de estreia, Meredith Russo retrata o processo de transição de uma adolescente transexual, parcialmente inspirada em suas próprias experiências. Enquanto traz à tona questões difíceis como dilemas existenciais, preconceito e bullying, o livro também fala de forma esperançosa e leve sobre amizade, descobertas e autoaceitação.

Achei esse livro muito importante. Embora a história tenha me parecido um pouco fraca e superficial, a gente não pode negar a importância de um livro escrito por uma mulher trans, com uma protagonista trans e uma modelo trans na capa, abrindo caminho para muitos outros livros com este tema.


8. “Fera” – Brie Spangler

Dylan não é como a maior parte dos garotos de quinze anos. Ele é corpulento, tem quase dois metros de altura e tantos pelos no corpo que acabou ganhando o apelido de Fera na escola. Quando ele conhece Jamie, em uma sessão de terapia em grupo para adolescentes, se apaixona quase instantaneamente. Ela é linda, engraçada, inteligente e, ao contrário de todas as pessoas de sua idade, parece não se importar nem um pouco com a aparência dele. O que Dylan não sabe de início, porém, é que Jamie também não é como a maioria das garotas de quinze anos – ela é transgênera, ou seja, se identifica com o gênero feminino, mas foi designada com o sexo masculino ao nascer. Agora Dylan vai ter que decidir entre esconder seus sentimentos por medo do que os outros podem pensar ou enfrentar seus preconceitos e seguir seu coração.

Enquanto minha leitura anterior à essa foi um tanto quanto rasa, este livro, mesmo não tendo a protagonista trans, foi muito mais intenso e impactante. Nós não temos em nenhum momento o ponto de vista da Jamie, mas é possível sentir suas emoções e ter uma empatia gigantesca pela personagem. Além de falar sobre uma adolescente transgênera, o livro também aborda o bullying, o medo, o preconceito e a aceitação do próprio corpo, seja você transgênero ou não.


Enfim gente, essas foram as minhas leituras de janeiro. Preciso dizer que estou bem orgulhosa de ter voltado ao meu antigo ritmo, já que fiquei bem chateada comigo mesma quando vi que a minha lista de leituras de 2018 contou apenas com 30 livros 💔

Agora é só manter o ritmo e voltar no final de fevereiro com a minha listinha de livros do mês 😉

E aí, o que vocês estão lendo?

“Quinze Dias”

Literatura, Na Estante

Acho que já devo ter comentado aqui como tenho muita raiva de mim mesma quando fico muito tempo com um livro espetacular esquecido na prateleira.

Pois é, aconteceu de novo.

Comprei o “Quinze Dias” na Bienal do Livro do Rio de Janeiro de 2017, por puro consumismo, depois de conhecer o Vitor Martins, autor dessa obra prima contemporânea, no estande da Globo Alt e ele narrar pra mim a premissa de sua história:

Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática. 

Mas as coisas fogem um pouco do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele estão viajando. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho. 

Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

Por mais que “Quinze Dias” pareça ser um livro com uma jornada “mundana”, sobre duas pessoas se conhecendo e se apaixonando durante 15 dias, havia algo de muito especial nessa premissa, uma coisa que a gente não vê por aí com muita frequência: um romance LGBT, leve e gostoso, como se fosse um desses filmes românticos, e sem final trágico (segundo o próprio Vitor Martins me informou antes da minha compra).

“E então, para quebrar o silêncio, eu digo a verdade. Porque quem diz a verdade abre o caminho para as coisas boas. Acho que foi minha mãe quem disse isso uma vez. Ou Dumbledore.”

Não me entendam mal, mas eu tô cansada de assistir filmes LGBT em que no final as duas pessoas nunca conseguem ser felizes, sempre tem uma delas que morre, ou não consegue sair do armário, ou um milhão de outros dramas. Eu só queria uma história leve e engraçada, cheia de amor e com um final maravilhoso e eu finalmente encontrei!

E essa é a minha coisa favorita sobre “Quinze Dias”.

Minha outra coisa favorita é que, mesmo o Felipe sendo gay, esse não é o “problema” da vida dele, pelo contrario, o personagem é muito bem resolvido sobre sua sexualidade, porém enfrenta muitos problemas de auto-estima e é assombrado pelas inseguranças que só um adolescente gordo, que sofre diariamente com bullying na escola, é capaz de entender.

“Terapia não é coisa de maluco! Na verdade, tem muita gente que fica maluca por falta de terapia!”

Nesses “Quinze Dias”, além de conviver com Caio, Felipe também vai amadurecer e aprender a se amar e a se achar lindo, exatamente do jeito que ele é. É notável a evolução do personagem durante a história. Como ele passa da pessoa que não consegue trocar duas palavras com Caio, para o garoto que conversa com o outro apenas no escuro, até enfim, depois de muito trabalho na terapia, conseguir falar com seu crush e mostrar quem realmente é.

“Eu já assisti a comédias românticas e frequentei sessões de terapia por tempo demais para saber que a minha felicidade não pode depender de outra pessoa. Mas ainda assim eu queria ter alguém que me chamasse de Vida e me convencesse a entrar na piscina e dissesse que me ama baixinho, de um jeito que só dá pra ouvir bem de perto.”

Todos os personagens são muito bem construídos, e muito bem aproveitados no decorrer da história, e eu me apaixonei por cada um deles de um jeito muito único e especial, principalmente pela mãe do Felipe. Que mulher maravilhosa, gente! Que personagem carismática e incrível.

“Todas as mães são, Felipe. Está na nossa genética. É difícil não ficar doida depois que um ser humano sai de dentro de você.”

Também me apaixonei pela pluralidade de seres humanos habitando as 208 páginas de “Quinze Dias”. Obrigada, Vitor, por me dar gays, lésbicas, gordos e gordas, e por trazer essa mensagem tão importante:

“Você não deveria ter vergonha de ser quem você é.”

O livro é super leve e gostoso de ler, Deus sabe que, se tivesse tido tempo nessa vida corrida, teria lido numa sentada só, por que não queria e mal conseguia parar de ler! Apesar de abordar homossexualidade, bullying, preconceito e as diferentes relações familiares, a trama flui de maneira natural e suave, com todos os temas sendo bem explorados, mas sem sufocar o leitor.

“Gente babaca vai existir sempre, mas a gente aprende a resistir. E isso é o mais importante. Não abaixar a cabeça e lutar pelo que você acredita.”

Chorei e me emocionei com os diálogos mais tocantes e também dei risadas muito altas no transporte público com inúmeras situações vividas por esses personagens tão queridos. Fiquei estupidamente empolgada com todas as referências à Cultura Pop e morri de amores por esse casal fofo e maravilhoso. Eu queria muito ser amiga deles. Sério.

“Conversas que nos ensinam coisas novas são as melhores conversas.”

No mais, a escrita do Vitor Martins é muito especial. Em momento algum senti que estava lendo um livro. A cada página, mais parecia que um amigo estava me contando essa história. Fiquei fascinada com a narrativa, com a simplicidade do enredo e das situações cotidianas, tão bem orquestradas, que mais pareciam a vida real. Só posso desejar que algum dia eu consiga escrever desse jeito.

“O mundo inteiro é seu.”

Enfim, “Quinze Dias” é um livro espetacular, a comédia romântica LGBT que todos nós pedimos à Deus, e ainda têm o bônus de ter sido escrito por um autor nacional mais do que talentoso!

E aí, já leu essa história?

Me conta aqui nos comentários 😉

“Minha vida (não) é uma comédia romântica”

Literatura, Na Estante

No ano passado tive o prazer imenso de conhecer a escrita da autora Lola Salgado, através de seu livro “Sol em Júpiter“, publicado pela Harlequin. Lembro de ter sido fisgada primeiramente pela capa maravilhosa, pelo nome, que me remetia à astrologia (e todos sabemos que esse é meu calcanhar de Aquiles – vejam aqui), e, por fim, me apaixonei pela sinopse. Devorei o livro em pouquíssimo tempo e ele virou um dos meus favoritos de 2018.

Sério, eu fiquei tão obcecada pela história, e consequentemente pela autora, que minha primeira parada na Bienal do Livro de 2018 foi no estande da HarperCollins pra poder conhecê-la e dizer o quanto “Sol em Júpiter” tinha sido importante pra mim. Os detalhes desse encontro, vocês podem ler neste post aqui.

Sendo assim, a minha primeira leitura de 2019 não poderia deixar de ser o novo livro da autora, lançado em e-book pela Amazon, “Minha vida (não) é uma comédia romântica” entrou pra minha lista de desejos assim que a Lola liberou a capa no seu Instagram, em outubro, junto com a sinopse:

Chloe Tavares não aguenta mais assistir de camarote seus planos indo por água abaixo. Já desistiu de três faculdades, cansou de lidar com as implicâncias de tia Célia e, para piorar, ser atendente de telemarketing na CarreTel está longe de ser o emprego dos sonhos (o tarado que telefona diariamente é um dos motivos). Ela precisa tomar uma atitude e dar um jeito em sua vida. Por que, então, não começar com um amor como o das comédias românticas? É o item mais fácil da lista, certo?
Porém, ela nem podia sonhar que acabaria sendo amaldiçoada no caminho. E, dentre todas as coisas saindo do controle, talvez a pior seja o fato de o seu melhor amigo, Tales Gentil, começar a provocar coisas esquisitas em seu coração.

Pela sinopse pode parecer só mais um daqueles livros super clichês sobre se apaixonar pelo melhor amigo, mas gente, GENTE, não é! NÃO É SÓ ISSO NÃO! Eu ainda diria que o romance, mesmo sendo o foco principal da protagonista, acaba ficando em segundo plano quando a gente analisa o livro como um todo. “Minha vida (não) é uma comédia romântica” na verdade é sobre se descobrir e encontrar o seu lugar no mundo.

A Chloe tá perdidinha gente. Ela não sabe o que quer pra si mesma e nem qual rumo seguir na vida dela. A garota tá totalmente frustrada por trabalhar num telemarketing, ainda morar com os pais e não conseguir encontrar um curso na faculdade que vai realiza-la. O problema é que ela acha que arrumar um namorado vai fazer ela se sentir completa de novo e acaba ficando obcecada com isso, se metendo nas maiores enrascadas que vocês puderem imaginar.

Durante a leitura muitas vezes me vi na própria Chloe. Várias situações, inúmeras frases e incontáveis atitudes da personagem já aconteceram comigo, e me peguei as vezes rindo demais e as vezes chorando também, por que entendia muito bem os dramas pelos quais ela estava passando e sabia como certas coisas doíam.

A escrita da Lola é tão maravilhosa, que quando me dei conta estava percebendo as coisas junto com a Chloe. Por exemplo: no inicio da trama, a protagonista enxerga seu melhor amigo apenas assim, como um amigo, e eu também só o via assim. Chegou um ponto do livro em que fiquei morrendo de medo de não conseguir shippar o casal quando o momento chegasse. Mas então, quando Chloe começa a ter aqueles sentimentos conflitantes por Tales, GENTE, eu também comecei! Fiquei babando por ele igual ela!

Fora isso, todos os personagens são tão verdadeiros, tão tangíveis. É como se você virasse a esquina e pudesse dar de cara com eles, pois são pessoas comuns, com defeitos e qualidades. Eu desafio qualquer um a ler essa história e não enxergar na própria família uma Tia Célia, aquela pessoa que te ama sim (do jeito dela), mas não consegue deixar de fazer comentários mordazes, que fazem você se sentir um lixo, só pra poder se sentir melhor consigo mesma. Ou então uma Thais, aquela amiga que te entende por completo e nunca te julga.

A autora ainda foi super inclusiva, nos presenteando com uma variedade étnica enorme nesse livro, inclusive a própria protagonista é negra. Também amei que ela abordou a transição capilar e como a Chloe encontrou a própria identidade através dela, e ainda inspirou outras pessoas a passarem pelo processo.

“Minha vida (não) é uma comédia romântica” é aquele livro delicioso, que você termina de ler em uma sentada (se tiver tempo), que te faz rir loucamente, te faz chorar de emoção e de ódio em algumas situações, mas principalmente, é um livro que deixa o coração quentinho quando termina. Além de te fazer pensar um bocado na vida e nas suas escolhas.

Eu não poderia ter começado meu 2019 melhor ♥

E vocês, gente? O que estão lendo nesse 2019?

Me contem aqui nos comentários 🙂

“Estilhaça-me”

Literatura, Na Estante

A resenha de hoje vem lá o fundo do meu bau, ou da minha estante, e vai falar de um dos livros distópicos mais apaixonantes que já li!

Encantador, poético e vertiginoso são apenas alguns adjetivos que uso para me referir à “Estilhaça-me”, de Tahereh Mafi.

Como todos sabem, ou não, tenho um enorme fraco por romances distópicos que costumam ser mais platônicos que qualquer outra coisa. Normalmente se passando em sociedades opressoras, onde um simples toque é um crime, e o amor proibido dos protagonistas te faz devorar páginas e mais páginas sem se dar conta do tempo. Esses romances me conquistam e fazem meu coração doer, mesmo sendo muito parecidos entre eles, com elementos já conhecidos, eles têm suas diferenças e características que os fazem únicos.

No romance de Tahereh Mafi, Juliette não toca alguém há exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez (que foi por acidente) foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é letal, mas o Restabelecimento tem planos para ela. Planos para usá-la como arma. E Juliette tem seus planos. Após uma vida inteira sem liberdade, ela descobriu uma força para lutar contra todos pela primeira vez — e para obter um futuro com o único garoto que ela pensou que fosse perder para sempre.

Acho que o que faz de “Estilhaça-me” um romance único é o jeito com que Tahereh Mafi escreve. Nunca li nada parecido. No começo pareceu confuso, mas a partir do momento em que você entra no embalo das frases e sentenças tudo parece fazer mais sentido, fluir melhor, soa mais verdadeiro. É como se você estivesse sob pele da protagonista, com as emoções a flor da pele. Não acho que algum dia uma personagem tenha sido tão desnudada aos olhos do leitor quanto Juliette Ferrars foi nesse primeiro romance da autora.

A história se passa num futuro não muito distante, onde a Terra está morrendo, arrasada e devastada pela inconsequência do homem. As nuvens são das cores erradas, os pássaros não voam mais, os animais estão doentes e a população está morrendo de fome, sendo controlada pel’O Restabelecimento, que prometeu fazer a sociedade voltar a ser o que era antes.

Não é surpresa nenhuma quando tudo o que O Restabelecimento faz é oprimir os cidadãos, matar os fortes demais para uma rebelião, desprezar idosos e crianças. Vamos conhecendo essa realidade no decorrer do livro, morrendo de curiosidade para saber mais e descobrir o que aconteceu, já que a protagonista (nossos olhos e ouvidos nessa história) está presa em um manicômio há cerca de 3 anos e há 264 dias não toca ninguém.

2ng4lc0

Juliette é uma garota de 17 anos, e um dos únicos personagens essencialmente bons a quem me afeiçoei. Normalmente tenho uma queda por personagens com desvios de caráter e os bonzinhos demais chegam a me irritar. Mas foi diferente com a mocinha de Tahereh Mafi, talvez por causa de seu dom, que me lembrou tanto a minha personagem favorita dos X-Men, que foi impossível não gostar.

fe07a1ff8cb54e371665502a4ac230c81b36276a_hq

O toque de Juliette é letal, até mesmo fatal. Seus próprios pais lhe viraram as costas e ela sempre sofreu com o preconceito e a culpa de ser quem é. No inicio da trama é possível pensar que a personagem tenha até enlouquecido durante os anos de confinamento. A repetição de palavras, uma atrás da outra, as sentenças riscadas, o querer e não poder querer, ela é um livro aberto para o leitor, insana e esquecida de quem é. Pelo menos até ganhar um colega de cela, que faz perguntas demais e não responde nenhuma das dela.

tumblr_miu8864Cmf1qlbk36o1_500

Adam é um garoto que deve ter a idade dela, com tatuagens nos braços, olhos profundamente azuis e um sorriso fácil. O motivo de ele estar ali é um mistério e não sei dizer se é por que vemos tudo pelos olhos de Juliette (e tudo com ela é tão intenso e real que você acaba assimilando suas emoções), mas simplesmente não tem como não se apaixonar por ele.

E como dito anteriormente, costumo ter um fraco por personagens com desvios de caráter. Nesse livro não é diferente. Nosso vilão é o líder do Setor 45, que têm uma obsessão por Juliette e pelo poder dela. Apesar de ter apenas 19 anos, Warner é implacável, gosta de poder e está disposto a tudo para obtê-lo e mantê-lo. Ele pode ser bem desprezível, mas vou confessar, gostei muito dele.

Outra coisa que também gostei muito nesse livro é o crescimento da personagem principal. Conforme a história evolui, a própria Juliette evolui também. Conforme ela vai ficando mais sã as frases riscadas vão ficando mais raras no decorrer das páginas. Há verdade em seus pensamentos sobre si mesma, sobre as situações em que ela se encontra, sobre Adam e até mesmo sobre Warner.

Este primeiro livro fecha um ciclo de autoconhecimento para Juliette e nos dá um formidável gancho para a continuação, “Liberta-me”. Antes deste, ainda temos um e-book do ponto de vista de Warner, uma espécie de “1.5” intitulado “Destrua-me”, e disponibilizado gratuitamente. E esse e-book, juro, mexeu com todos os meus feelings em relação ao vilão que adorava odiar e agora adoro amar!

Além de “Liberta-me” a série ainda conta com “Incendeia-me”, o 3º livro, e um e-book com o ponto de vista de Adam, o “2,5”, “Fragmenta-me”.

Essa ano a autora resolveu ressuscitar a série com uma nova trilogia. O 4º livro, “Restaura-me”, foi lançado aqui no Brasil pela Universo dos Livros, e a Tahereh já divulgou a capa do 5º volume, “Shadow Me”, que deve ser lançado em março de 2019 nos Estados Unidos.

Screenshot_5.png

Sinceramente, eu ainda não tenho certeza se quero ler essa segunda trilogia. Sou terrivelmente traumatizada com “segundas trilogias” (obrigada por isso, Cassie Clare), e li algumas resenhas bem negativas sobre “Restaura-me”.

Enfim, quem aí já leu “Estilhaça-me”? O que acharam?

Me contem aqui nos comentários 😉

“Mensageira da Sorte”

Literatura, Na Estante

Eu ando extremamente preocupada com todos os desastres políticos pelo qual nosso país vem passando nas últimas semanas… acho que nunca estive tão engajada com uma eleição como estou nesse 2018, do tipo que não consegue nem dormir direito e tem pesadelos, entre outras coisas.

A literatura pra mim sempre foi um escape, e nesse show de horrores em que o Brasil se transformou, não podia existir melhor fuga do que um bom livro, e eu não poderia ter escolhido um título melhor pra me ajudar a espairecer nessa semana sombria!

Mensageira da Sorte” é o primeiro romance nacional publicado pela Plataforma21, um selo da V&R Editoras, e foi escrito por ninguém mais, ninguém menos que Fernanda Nia.

E se vocês nunca ouviram falar dessa autora maravilhosa, vem comigo que conto tudo!

FERNANDA NIA.png

A Fernanda Nia mora no Rio de Janeiro e se formou em Publicidade e Propaganda pela ESPM. No último período da faculdade, criou o site de tirinhas “Como eu realmente” como forma de extravasar a sua criatividade. Por causa da boa recepção do público, mantém até hoje o portal com o compromisso de postar duas tirinhas inéditas por semana, e em 2014 conquistou uma série de livros publicados pela Editora Nemo.

topo2012animado (2)

Além de autora, é também publicitária, ilustra e cria conteúdo para outros projetos do mercado editorial e publicitário, ou para clientes em geral. E nesse ano ela lançou seu primeiro romance YA, o “Mensageira da Sorte“:

A SORTE É IMPREVISÍVEL.

Em pleno Carnaval carioca, durante uma confusão em um protesto contra a AlCorp – uma corporação que controla o preço dos alimentos e medicamentos no país – Cassandra Lira, ou Sam, passa a ser uma mensageira temporária no Departamento de Correção de Sorte (DCS), uma organização extranatural secreta incumbida de nivelar o azar na vida das pessoas. 

Para manter esse equilíbrio, os mensageiros devem distribuir presságios de sorte ou azar para alguns escolhidos. O primeiro “cliente” de Sam é justamente o seu vizinho e colega de classe, Leandro. O garoto é um youtuber em ascensão e a ajuda dela, na forma de uma mensagem sobre nada menos que paçocas, impulsiona Leandro a fazer um vídeo que o levará para o auge da fama. O que Sam não sabe é que o rapaz também é um ávido participante dos protestos contra os abusos da AlCorp, comprometido a expô-los em seu canal, independentemente dos riscos que possa correr, e a garota se vê obrigada a usar a sorte do DCS para protegê-lo. 

Mesmo que não entenda por que foi escolhida para trabalhar para o Destino, logo ela se vê no meio de uma rede de intriga, corrupção e poder. 

Ainda lidando com a culpa pela morte do próprio pai e com seus sentimentos por Leandro, Sam embarcará na jornada de desmascarar a quadrilha que está deteriorando o sistema da Justiça, tanto a natural quanto a extranatural, e fazer com que a balança do Destino se equilibre outra vez.

Gente, primeiramente eu queria dizer que conheci a Fernanda na Bienal do Livro desse ano, inclusive menciono ela nesse post aqui. O engraçado é que eu não fazia ideia de quem ela era ou sobre o que se tratava seu livro. E agora só queria agradecer a Nicole com todas as minhas forças por ter insistido pra eu ficar na fila de autógrafos com ela e consequentemente adquirir meu “Mensageira da Sorte” e conhecer a autora no evento, por que essa história foi uma das melhores que eu li em 2018!

img_7747

Segundamente, a escrita leve e divertida da Fernanda te prende desde o primeiro paragrafo! Eu fiquei totalmente envolvida com a história logo de cara, apaixonada por todos os personagens, que inclusive são muito bem construídos, com características únicas e marcantes. Existe aquela coerência e fidelidade a si mesmos, que alguns autores as vezes esquecem de colocar nos personagens em nome das conveniências da história.

Também adorei toda a diversidade étnica presente no livro, e o fato das mulheres serem muito empoderadas! Quero destacar aqui a Ivana e a Cecilia, QUE GUERREIRAS, meus amigos! Amei a personalidade de cada uma delas, sua força interior e sua confiança nas próprias crenças. Essas duas lutaram pelo que acreditavam até o fim.

tumblr_nkxbcjUdsQ1qi23pgo1_500.gif

O casal principal também é só amor. Ambos, Sam e Leandro, têm seus demônios para lidar e cada um lida de um jeito totalmente diferente. Enquanto Sam se fecha em si mesma, Leandro se esconde atrás de piadas e um humor ácido. Existe uma dinâmica perfeita entre os dois, que conseguem ser fofos sem serem melosos. Os dois são bons e lutam pelo que é certo sem parecer aqueles protagonistas chatinhos, que nunca tem um pensamento ruim, ou nunca erram.

Inclusive, Sam entrou pra minha lista de mocinhas favoritas. Ela é a heroína, apesar de seus medos, inseguranças e limitações, é quem corre pra salvar os amigos, não a princesa na torre esperando o resgate.

O romance é um ponto muito bem abordado no livro. Não está em primeiro plano e não é aquela coisa forçada, sendo jogada na nossa cara a cada página. As coisas se desenvolvem num ritmo perfeito, tá ali num plano de fundo, acompanhando os plots principais, que são a missão da Sam como Mensageira Estagiária do DCS e todo o esquema de corrupção da Alcorp e os protestos.

mulheres_paulista.gif

Outra coisa executada com maestria por Fernanda Nia em “Mensageira da Sorte” são as piadas, o humor sarcástico e todas as referências nerds inseridas de forma muito elegante na história. Perdi as contas de quantas gargalhadas dei durante a leitura e de quantas referências me empolgaram entre os capítulos.

Agora, apesar do tom leve, a história trata de alguns assuntos mais delicados, como: a morte de entes queridos, depressão, opressão social, corrupção e a luta pelos direitos da população. Existem diversos momentos em que somos convidados a refletir sobre a vida, sobre o bem e o mal e sobre como nada é assim preto no branco, que existem milhares de tons de cinza misturados e como é muito fácil apontar o dedo e criticar as atitudes das pessoas sem conhecer a história completa.

C3E.gif

Acho que o que eu mais gostei em “Mensageira da Sorte” foi o fato de os vilões terem motivações plausíveis. Apesar de se tratar de um YA com um pézinho lá no sobrenatural, os personagens são tremendamente reais, bem gente como a gente, inclusive os vilões! Suas atitudes não são motivadas apenas pela maldade em seus corações e a vontade de dominar o mundo! Todo mundo chegou onde chegou devido à escolhas difíceis e movidos por sentimentos bem legítimos.

Essa história foi tão real que, quando terminei o livro, fiquei esperando um Mensageiro vir me trazer um presságio de sorte pra equilibrar a minha balança, que ta pendendo ridiculamente pro lado do azar. Como diria um amigo meu, parece que a Sorte olha pra mim e desvia, então alô, Mensageiros da Sorte, tá na hora de me ajudar aqui!

giphy (8)

Enfim, “Mensageira da Sorte” é um livro completo! Possui ação, aventura, mistério, comédia e romance na medida certa. É um livro leve, perfeito pra se desintoxicar daquela leitura mais pesada, ou sair da fossa naquela semana mais tenebrosa, e, apesar disso, ainda te faz refletir muito sobre as coisas importantes da vida, sobre solidariedade, sobre certo e errado e sobre felicidade e finais felizes.

E não posso deixar de exaltar essa capa maravilhosa, com detalhes incríveis que fazem alusão à peças importantíssimas dessa história! A diagramação da Plataforma21 também é de fazer chorar de tão bonita! Amei que o livro tem aquelas páginas mais amarelinhas e com uma gramatura bem leve, parecida com a de jornal.

Pra finalizar, fica aqui esse pequeno quote do livro, um dos meus favoritos:

“Não existem finais felizes. Felicidade é uma busca constante”

E ai gente, bateu aquela vontade de ler “Mensageira da Sorte”?

Pra quem já leu, me conta aqui nos comentários o que achou 😉

A Semana e os Últimos Dias de Bienal: O Que Teve?

Literatura

Continuando nossa saga pelos Jogos Vorazes Literários, depois do primeiro sábado e do primeiro domingo exaustivos da 25ª Bienal do Livro de São Paulo, quem poderia me culpar por mal conseguir andar na segunda-feira pós-evento, e seguir tentando me recuperar dessa maratona na terça?

Totalmente fora de combate depois das correrias do fim de semana, só voltei a dar as caras no Pavilhão de Exposições do Anhembi na quarta-feira (08). Como já sou macaca velha de Bienal, compreendi que essas idas à noite (depois do meu expediente de trabalho), durante a semana, seriam essenciais se eu quisesse tirar fotos nos estandes das editoras e garimpar em busca de promoções, pois essas incursões se provaram impossíveis no primeiro fim de semana, e todo mundo sabe como o segundo é infinitamente mais cheio e consequentemente pior.

Sendo assim, concentrei as fotos e as compras durante a semana e deixei para o sábado e o domingo apenas a missão de pegar filas para autografar livros, o que foi, modéstia a parte, a coisa mais sábia que fiz.

Com um tempo infinitamente mais curto, na quarta consegui apenas passar pelo estande da Intrínseca e adquirir os livros “O Dia da Morte de Denton Little” pela bagatela de 5 golpinhos, e “Caçadores de Trolls”, por R$ 10,00, na prateleira de promoções. Estava louca pra achar “Vida e Morte” da Stephenie Meyer, aquela edição especial do aniversário de 10 anos de “Crepúsculo”, onde o sexo dos personagens é invertido, e que eu tinha visto via Instagram da editora nessa parte de promoções, por apenas R$ 5,00. Infelizmente na quarta-feira ele já tinha esgotado, mas eu não iria desistir assim tão fácil, principalmente depois que uma das moças do estande me disse que os livros eram repostos todos os dias.

Na saída do estande aproveitei a baixa movimentação pra finalmente tirar fotos na entrada maravilhosa que eles montaram.

Da Intrínseca parti em direção ao estande da Pólen para tirar fotos na famigerada poltrona de leitura, o lugar que ficou mais lotado que o Trono de Ferro nessa Bienal. Mesmo durante a semana e na parte da noite, ainda havia fila pra fotografar, mas menor, então eu fiquei lá bem bonitinha esperando a minha vez.

Depois disso ainda dei uma garimpada pelos Book Outlets da feira, mas não encontrei nada que fizesse meu coração bater mais forte, então parti em direção à minha casa.


Na quinta me recusei a tirar fotos (estava acabada demais pra isso) e me concentrei na garimpagem de livros. Não que eu tenha sido muito feliz nessa missão. Só voltei à Intrínseca e alcancei a vitória ao botar as mãos no exemplar de “Vida e Morte” que eu tanto queria, além de adquirir também o livro “Apenas Uma Garota”, da Meredith Russo, por R$ 10,00.

Dali fui até o estande da Companhia das Letras com o intuito de comprar o meu “Tempestade de Guerra”, quarto volume da série “Rainha Vermelha”, que eu autografaria no sábado com a Victoria Aveyard. Eu estava com o coração na mão de pagar 45 golpinhos no livro, principalmente depois que perdi uma promoção dele por R$ 30,00 na Livraria Cultura do Conjunto Nacional na semana anterior. Por sorte o estande estava com promoções e acabei pagando mais ou menos o valor da promoção perdida.

Pra não dizer que não tirei nenhuma foto na quinta, eis que passei pelo estande da Amazon para clicar a parede maravilhosa de lambe-lambes deles.


Na sexta-feira consegui sair mais cedo do trabalho, pois tinha uma sessão de autógrafos com o Soman Chainani, autor da série de livros “A Escola do Bem e do Mal”, às 16h.

A sexta se mostrou um dos dias mais produtivos de toda essa Bienal, a começar pelo momento em que cheguei ao evento, fui para fila de autógrafos e já dei de cara com a maravilhosa Larissa Siriani ali pelas redondezas:

Depois, eu, a Sarah e a Nicole, assistimos ao bate-papo com o Soman ali da fila mesmo enquanto aguardávamos a nossa vez de autografar nossos livros.

img_8237

O banho de água fria rolou enquanto eu mantinha os 4 livros da série nos braços, esperando ansiosamente para autografá-los quando alguém da organização da Bienal olhou bem nos meus olhos e disse “Só pode um”.

Fiquei estupidamente frustrada. Primeiro de tudo por que eu tinha arrastado uma bolsa cheia de livros até ali pra nada. Segundo por que, graças a Deus haveria uma sessão extra de autógrafos com o autor no dia seguinte e eu poderia autografar o resto dos meus livros, mas isso ia foder totalmente a minha agenda de sábado.

Estresse à parte, autografei o primeiro volume da série e garanti ao autor que voltaria no dia seguinte para assinar os outros. Ele pareceu meio surpreso, acho que não existem fãs tão loucos como os brasileiros lá fora.

Na saída da Arena Cultural, eu e as meninas acabamos tropeçando na maravilhosa Érica Imenes, co-autora do livro “K-Pop: Manual de Sobrevivência” e mediadora do bate-papo com o autor. Gente, a Érica é muito incrível! Eu não tenho nem palavras pra descrever essa pessoa, então vou deixar aqui só as fotos:

Depois da sessão do Soman, eu e a Sarah partimos para o estande da Submarino para tirar algumas fotos. Havia ali uma cabine de telefone bem interessante e um cosplay de Jason que valia muito a pena.

Além disso, quase infartei ao dar de cara com uma super promoção dos livros ilustrados de Harry Potter. Sério, pessoas do lado de fora do estande puderam ouvir meus gritos quando coloquei as mãos em “Harry Potter e a Pedra Filosofal” e descobri que estava custando apenas 40 golpinhos! Sem pensar duas vezes embolsei ele e os outros dois, totalizando R$ 200,00. Mas se a gente for pensar que só o “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban” ilustrado tá custando R$ 160,00, acho que fiz um ótimo negócio.

De lá fui até o estande do Grupo Editorial Record e tirei fotos sentada no gabinete do Presidente dos Estados Unidos HAHAHAHHAHAHAH, era um espaço para divulgar o livro “O Dia em que o Presidente Desapareceu”, de Bill Clinton e James Patterson.

Depois passei em outro Book Outlet e adquiri algumas preciosidades por apenas R$ 10,00! São elas “Excalibur”, do Bernard Cornwell, “Em Águas Sombrias”, da Paula Hawkins, “Rich e Mad”, do William Nicholson e “A Falta Que Me Faz”, quinto e ultimo volume da série “Desaparecidos”, da Meg Cabot.

Como não podia faltar, também fizemos nossa tradicional foto no Trono de Ferro, no estande da Editora Leya.

img_8327

No meio do caminho trombamos com o ícone acessível, Vítor Martins, autor de “Quinze Dias” e “Um Milhão de Finais Felizes”, no estande da Universo do Livros, e por que estávamos todos muito cansados, sentamos ali no chão mesmo e passamos HORAS jogando conversa fora sobre livros e pessoas.

img_8384

Dali, visitamos o quarto da Lara Jean, de “Para Todos os Garotos que já Amei”, na editora Intrínseca:

img_8359

E fizemos mais uma parada na entrada maravilhosa desse estande que precisa ser exaltada todos os dias!

Pra finalizar minha sexta, dei uma corridinha no estande das Livrarias Loyola e comprei a edição de colecionador de “A Rainha Vermelha” para autografar no dia seguinte, pela bagatela de R$ 50,00!

Saí da Bienal quebradíssima e com a sombra do último fim de semana pairando como uma ameaça sob a minha cabeça.


Minha missão no sábado e no domingo era basicamente simples: entrar na feira, sentar numa fila, autografar livros, ir pra outra fila, autografar mais livros e assim por diante. Isso me permitiria descansar um pouco depois do desgaste todo que tive durante a semana, mas logo no início do sábado percebi que as coisas não seriam lá muito fáceis pra mim.

Cheguei bem cedo, pois queria correr até o estande da Record para garantir uma das primeiras senhas para a sessão da Carina Rissi. Na semana anterior só consegui autografar um livro dela e ainda tinha mais dois no aguardo da assinatura dessa escritora maravilhosa.

Tive minhas esperanças frustradas logo que coloquei o pé no evento. A entrada de credenciados estava um verdadeiro caos. A fila para entrar dava no estacionamento do Anhembi, perto do local onde pegamos os ônibus para ir embora.

bee49cec-f3c8-48e8-83c1-e5410d2f5221

Como resultado, só fui entrar na Bienal depois das 10h30, mas graças a Deus consegui uma senha pra sessão da Carina, quase no número 200, o que requeria todo um replanejamento do meu dia.

Com minha senha na mão, parti para a Arena Cultural à espera da Victoria Aveyard. O lugar estava tão cheio que fomos encaminhados diretamente pra esperar na Arena de Autógrafos e nem vimos o bate-papo. Por sorte fui uma das primeiras a chegar e logo, uma das primeiras a conseguir meu autógrafo.

A Victoria foi a unica autora que liberou mais de 200 senhas (no caso foram 400, e posteriormente mais 200 no domingo em uma sessão extra) e que iria autografar mais de um livro (no caso todos os 4 livros da série Rainha Vermelha).

Como eu estava com 5 livros, os 4 originais e mais a edição de colecionador do primeiro (deixei o livro de contos “Coroa Cruel” em casa, pois sacrifícios precisavam ser feitos), fiz amizade com o pessoal na fila e consegui que uma menina (que INFELIZMENTE não lembro o nome) autografasse o primeiro volume da série pra mim, já que ela estava apenas com um livro.

Quando chegou a hora de conhecer essa fada em forma de autora (que devemos mesmo exaltar, por que imagino que não deva ser fácil autografar 2.400 livros), ela foi incrivelmente simpática, elogiando meu cabelo e sendo extremamente humilde com os elogios que disparei para ela e seus livros. Sério, queria levar a Victoria pra minha casa e servir um cafézinho com bolo de fubá pra ela.

Depois de conhecer essa ídola, veio o segundo golpe doloroso desse sábado.

Eis que a menina que iria autografar meu exemplar de capa comum de “Rainha Vermelha” desaparecera sem deixar vestígios. Com o meu livro. Com o meu livro autografado. GENTE, quem faz um negócio desses? Quem rouba o livro de um colega leitor numa fila de autógrafos? Em todos os meus anos de eventos literários nunca vi nada assim acontecer. Fiquei primeiramente incrédula, depois em choque, depois muito muito muito triste mesmo e, por fim, extremamente pistola. O que me consola é que o karma ta por aí e que vai voltar pra ela mais cedo ou mais tarde, porém se eu trombar com a mau caráter de novo, juro que vou dar um pau nela.

Frustrada, mas correndo contra o tempo, deixei minhas magoas de lado e parti para o estande do Grupo Autêntica, peguei uma das ultimas senhas para ver o Soman Chainani novamente e autografar o resto dos meus livros. Nesse sábado ele estava absolutamente chocado com o tanto de gente visitando a Bienal e lembrou do nosso encontro no dia anterior.

Gente, vocês não imaginam como essa Bienal estava abarrotada de gente nesse ultimo sábado. Mal dava pra andar. Parecia um show de rock.

Depois corri novamente, me espremendo entre as milhares de pessoas, em direção à Arena Cultural, pois a sessão com o David Levithan se aproximava e eu precisava ser mais uma vez uma das primeiras da fila para autografar o meu “Todo Dia” e partir pra outra sessão.

Mal me lembro de ver o bate-papo na Arena e o encontro com o David passou como um borrão de tão rápido. Me lembro apenas agradecer pela história e dizer como tinha adorado o livro, ele assinou meu exemplar, ali de pé mesmo, foi muito simpático e então acabou.

Eu já estava tão exausta à essa altura do campeonato que praticamente me arrastei em direção ao Espaço Suzano para enfrentar minha ultima sessão do dia, com a Carina Rissi.

Fui uma das ultimas da fila, mas em compensação consegui autografar todos os meus livros e ainda bater um papo super bacana com a autora e com o pessoal da Record, que parecia tão morto quanto eu.

img_8528

Quando o relógio bateu 23h, encontrei meus bebês, Sarah e Isa, novamente no estande da Intrínseca e batemos a ultima foto do dia:

img_8537


No domingo eu não faço ideia como consegui sair da minha cama. Acho que um único pensamento em impulsionava: MARISSA MEYER.

Era a única sessão de autógrafos que eu teria no dia e era a que eu mais ansiava. Quem acompanha o blog notou como me encantei pelas “Crônicas Lunares” e a perspectiva de encontrar a criadora da série foi o bastante pra me jogar cedo pra fora da cama.

O fato de ser Dia dos Pais e eu estar esperando um dia mais tranquilo de evento também ajudou, e como eu já havia decidido que não ficaria por lá o dia todo, apenas autografaria meus livros e depois iria pra casa descansar, ousei ainda mais, super confiante no fato da minha Estrela da Morte ter visitado um mecânico recentemente, resolvi ir de carro pra Bienal.

E essa, meu amigos, tinha tudo pra ser uma das minhas decisões mais equivocadas, pois conhecemos bem meu carro e a mania dele de me deixar na mão em momentos de necessidade, principalmente em eventos. Entretanto foi a MELHOR coisa que fiz nessa bienal.

Cheguei rápido e cedo ao evento. Graças a Deus a fila de credenciados estava tranquila. Quando entrei fui direto para a Arena Cultural, esperar na fila pelo bate-papo que começaria às 11h.

Como o estande da Pólen era ali do lado, resolvi tirar a barriga da miséria, aproveitar que as pessoas ainda não tinham chegado e tava tudo vazio, pra pegar todos os lambe-lambes que eles estavam dando no estande.

Depois, o bate-papo com a Marissa foi incrível e cheio de novidades. Foi ótimo conhecer um pouco mais sobre o processo criativo dela, as influências e inspirações. Como a história de Cinder, Scarlett, Cress e Winter surgiu, e ainda como ela teve a ideia para o novo romance, lançado recentemente pela Editora Rocco, “Sem Coração”. Além disso ainda tivemos a confirmação de que a série de super heróis da autora, “Renegades”, chegará em breve aqui no BR.

img_8589

Na Arena de Autógrafos eu posso ter dado uma pequena surtada, agarrado a Marissa e disparado elogios às Cronicas Lunares e a como ela e os livros eram espetaculares. Talvez eu tenha até chorado um pouquinho.

Antes de jogar a toalha e ir embora, quis passar no estande do Grupo Editorial Record, pois tinha ouvido boatos sobre baixa nos preços. Os boatos eram reais e eu consegui botar as mãos em “A Construção de Noah Shaw”, primeiro volume da série spin-off de Michelle Hodkin, que se passa no mesmo universo da trilogia “Mara Dyer”, por apenas R$ 20,00. Também garanti o meu “É Assim que Acaba”, da Collen Hoover, pelo mesmo valor.

Enquanto garimpava enlouquecida pelo estande da Record, passei uma das maiores vergonhas da vida. Eis que estava procurando alguns livros em especifico e comecei a perguntar para um mocinho ali perto sobre esses livros. Ele, super solicito, foi me dando todas as informações: “esse já esgotou”, “esse não baixou o preço”, “ih, esse acabou ontem”, e por aí vai. Só quando ele resolveu me indicar um livro, O DELE PRÓPRIO, foi que eu percebi que estava diante de Lucas Rocha, autor do romance “Você Tem a Vida Inteira”. Olha gente, eu não sabia onde enfiar minha cara. Ele foi um amor, um show de humildade e carisma, tão abençoado que além de levar o livro dele, ainda voltei pra autografar.

Pra finalizar, dei mais um pulo no estande da Amazon pra garantir mais um lambe-lambe pra minha coleção e tirar uma foto naquele mural maravilhoso. A última foto da Bienal do Livro SP 2018.

img_8637

O saldo dessa ultima semana de evento, vocês conferem abaixo:

  • 15 livros comprados;
  • 14 livros autografados;
  • Inúmeros brindes sensacionais;
  • Muitos abraços quentinhos em muita gente querida;

Olha gente, foi um evento incrível. Cheio de altos e baixos. Dias bom e dias ruins, mas principalmente cheio de magia. Não tenho palavras pra descrever a sensação de estar cercada de pessoas com a mesma paixão que você, de dividir esses momentos com os amigos, conhecer nossos ídolos e receber tanto amor de volta.

Minha conta bancária esta estupidamente mais vazia, e minha estante muito mais cheia do que de costume. Ao todo foram 35 livros adquiridos nesses 10 dias de Bienal do Livro e apesar de estar me achando velha demais até pra esse “rolê nerd”, cara, como eu tô feliz e realizada:

img_8746

Acho que a melhor sensação do mundo é aquela da missão cumprida e eu consegui cumprir todos os desafios à que me propus nesse evento maravilhoso.

Então que venha a próxima!

E vocês, gente? Contem pra mim qual evento faz o coração de vocês bater mais forte!