O Rei Leão (2019)

Cinema, Nas Telonas

Chegou aos cinemas do mundo inteiro nesta semana a adaptação em “live action” de uma das animações mais aclamadas de todos os tempos: “O Rei Leão”.

O filme de 1994, vencedor de 2 Oscars, é um dos meus favoritos da vida. Passei a minha infância perdida em locadoras de VHS, sempre levando pra casa a mesma fita cassete. Chegou ao ponto dos meus pais comprarem o filme pra mim. Dito isso, da pra perceber que minhas expectativas estavam bem altas para conferir a releitura dirigida por Jon Favreau.

E daí a gente volta para a velha história das expectativas e como elas são extremamente tóxicas. Gente, sempre que forem fazer qualquer coisa na vida, não vão com expectativas altas. Por que quase sempre a coisa não vai ser tão boa quanto você imagina e daí você se frusta e acaba ficando mais chateado do que se tivesse ido preparado para o pior.

O caso com esse novo “O Rei Leão” não é a qualidade dos efeitos visuais ou do CGI. A trilha sonora também não é problema, já que está impecável, inclusive foi a responsável por me fazer chorar desde os primeiros acordes de “Circle of Life“. Todas as canções, instrumentais ou não, me remetiam ao longa original, e eu não fui capaz de segurar a emoção em nenhum momento onde aquele tema dos “Grandes Reis do Passado” (realmente não sei o nome dessa música, mas é aquela que sempre toca quando Simba tem um momento com seu pai) começava a tocar, já que me lembrava da morte injusta de Mufasa e da falta que ele fazia ao seu filho.

A sequência inicial do filme foi perfeita. A emoção foi sem tamanho, com a sala de cinema inteira aplaudindo até mesmo a abertura com o logo da Disney. As cenas do inicio são exatamente iguais às da animação original, repetindo até mesmo os enquadramentos.

Fora isso, infelizmente, não tenho mais elogios.

A palavra pra definir os personagens deste longa é: APATIA.

Minha impressão foi a de que ficaram tão preocupados em fazer os animais parecerem animais de verdade, que se esqueceram de adicionar aquela pitada de emoção nas expressões dos bichos.

Apesar de ter chorado igual um bebê basicamente o filme inteiro (e isso única e exclusivamente graças à trilha sonora), sai do cinema com a mesma sensação de quando assisti “A Bela e a Fera”: não gostei. Não consegui sentir uma ligação com nenhum personagem, parecia tudo muito raso e superficial, quase como se eu estivesse assistindo um documentário do Animal Planet e ouvindo a trilha sonora no Spotify.

Até mesmo o Scar, um dos vilões mais icônicos do cinema, aquele personagem super debochado e caricato, com um carisma dos diabos e frases celebres que até hoje fazem parte da minha vida (“Perdoe-me por não pular de alegria, as minhas costas doem.”, “Eu estou cercado de idiotas.”, “Era hoje? Me desculpe, devo ter perdido a memória.”), foi deturpado nessa versão. Nada de vilão sarcástico e astuto aqui, apenas um leão meio detonado, invejoso e, novamente, APÁTICO (desculpem, não consigo encontrar outra palavra pra definir esse filme).

Timão e Pumba nem se fala: super apagados. Aquele trechinho no final do ultimo trailer deles cantando “The Lion Sleeps Tonight” foi um dos únicos momentos dos dois que realmente valeu a pena. Ainda estou bem chateada de Timão não aparecer fantasiado dançando a hula.

Tem também o fato de ser bem difícil diferenciar as leoas. Fiquei muito confusa durante o filme, sem saber quem era Sarabi, quem era Nala ou quem era Sarafina. Todas elas pareciam exatamente iguais e o roteiro não facilitou pra gente conseguir identificar as personagens, já que não deu nenhuma construção mais profunda pra nenhuma delas.

Nem o Donald Glover foi capaz de trazer o Simba à vida. Não me entendam mal, não acho que tenha sido um problema de dublagem, por que as vozes estavam ótimas. Mas parecia que elas não saiam de dentro dos personagens. Na real, me lembrei daqueles filmes onde cachorros falavam nos anos 80, sabe? Que pegavam os bichos e davam algo pra eles mastigarem enquanto dublavam? A sensação é a mesma!

Nessa onda de tentar fazer as coisas mais reais a magia se perdeu. “A Just Can’t Wait to Be King” ficou pobre, sem cor, sem animação. Sem falar que DESTRUÍRAM Be Prepared“, uma das minhas canções favoritas do original, que teve sua letra e seu ritmo totalmente alterados, ficou totalmente sem carisma e sem emoção, e pra mim isso aí foi imperdoável.

Apesar de tudo, gostei do arco do Scar com as hienas, achei que foi mais bem explorada aqui essa relação dos personagens do que no original. Mas talvez essa tenha sido a única parte do roteiro que fez algum sentido. Eu sei que no desenho as coisas acontecem num ritmo muito mais acelerado, mas já que se propuseram a fazer um “live action”, essa coisa mais realista, deviam ter se atentado e levado essa realidade ao roteiro.

Os diálogos são bem fraquinhos e os argumentos meio fracos. As coisas acontecem num ritmo estranho pra um filme que se propõe a não ser uma animação. Novamente me lembrou muito da adaptação de “A Bela e a Fera”, onde eu não via muitos motivos pra Bela se apaixonar pela Fera, mesmo que as cenas fossem iguais às da animação, faltou muita química. Tive a mesma sensação à respeito da relação Nala x Simba, e acho que com todas as relações apresentadas na tela. “Aladdin” teve muito mais sucesso nesse ponto, construindo relações verossímeis, fugindo um pouco do roteiro original, mas sem deixar de se ater ao assunto principal.

Também detestei as cores desse filme. A fotografia te prende em um tom pastel infinito. O negócio se passa no meio da savana africana sabe, onde poderiam ter explorado todo tipo de tons quentes e fortes, cores vivas! Em vez disso tudo parece meio embalado num filtro Valencia do Instagram.

Enfim, sinto que esse post foi mais um desabafo do que uma critica. Ainda pretendo assistir ao filme mais uma vez, desta vez com a dublagem BR pra poder ouvir a rainha IZA arrasando em “Nesta Noite o Amor Chegou“, e até pra tentar digerir melhor a história toda, quem sabe sem o peso das expectativas a coisa não melhora?

De todo jeito, queria muito saber a opinião de quem já assistiu o filme. Será que fui só eu que odiou tudo, exceto as músicas?

Me contem aqui nos comentários 😉

“As Crônicas Lunares: Cinder”

Literatura, Na Estante

Todo mundo já teve aquele livro que comprou há muito tempo, mas que, por algum motivo desconhecido, acabou meio que deixado de lado, pegando poeira na estante e depois, quando finalmente foi lido, deixou aquela sensação de: “Meu Deus, como eu fui burra! Por que não li isso antes? Por que perdi todo esse tempo?”

Cinder” – uma releitura do clássico da Cinderela –, primeiro volume da série “As Crônicas Lunares”, escrito pela genial Marissa Meyer, e publicado aqui no BR pela Editora Rocco, foi um desses livros pra mim.

cinderela-gifs linda lima (33)

É importante salientar que eu quis ele por muito, muito tempo mesmo. A Cinderela pode nunca ter sido uma das minhas princesas favoritas (algo entre ser uma empregada em sua própria casa, o instantly love durante o baile e a parte em que o príncipe mal lembra da cara da mulher por quem supostamente está perdidamente apaixonado, sempre me incomodou nessa história), mas eu tenho um fraco enorme por adaptações de contos de fadas, e quando alguém resolve misturar isso com ficção-científica, que é um dos meus gêneros favoritos tanto na literatura, quanto no cinema, é praticamente impossível o desejo por essa história não virar a minha cabeça.

Enfim, depois de querer esse livro tão profundamente e por tanto tempo, e não ter adquirido esse bonitinho devido aos preços EXORBITANTES praticados pela editora, quando finalmente coloquei as mãos nessa belezinha (depois de uma Black Friday particularmente sangrenta) botei o danado na minha estante e fiquei olhando pra ele com carinho. Por dias. Por semanas. Por meses. E depois por anos. Não sei bem o motivo, provavelmente foi a pressão de querer algo por tanto tempo e, depois de tê-lo, ficar com medo de não ser tão bom, por causa das expectativas altíssimas. O fato é que, chegou um ponto em que eu apenas fiquei esperando a editora lançar o restante da série aqui no Brasil, pra eu poder comprar todos e ler tudo de uma vez.

cinderella-disney-classic-era-leading-females-24491953-499-374

O que finalmente me fez tirar “Cinder” da prateleira foi a confirmação da vinda da Marissa Meyer para a 25ª Bienal do Livro de São Paulo, e preciso confessar o quão arrependida estou por ter deixado essa história espetacular pegando poeira por tanto tempo na minha estante.

Num mundo dividido entre humanos e ciborgues, “Cinder” é uma cidadã de segunda classe. Com um passado misterioso, esta princesa criada como gata borralheira vive humilhada pela sua madrasta e é considerada culpada pela doença de sua meia-irmã. Mas quando seu caminho se cruza com o do charmoso príncipe Kai, ela acaba se vendo no meio de uma batalha intergaláctica, e de um romance proibido, neste misto de conto de fadas com ficção distópica. Primeiro volume da série As Crônicas Lunares, Cinder une elementos clássicos e ação eletrizante, num universo futurístico primorosamente construído.

Neste conto de fadas cibernético, que pode ser classificado como uma distopia, mas que tem todas as características de um cyberpunk intergalático de tirar o fôlego, somos apresentados à jovem ciborgue Cinder, uma mecânica brilhante que vive intimidada pela Madrasta sem coração, na cidade de Nova Pequim, a capital da Comunidade das Nações Orientais, um “país” erguido sobre os escombros da antiga Ásia, após a Quarta Guerra Mundial, num mundo assolado por uma misteriosa e contagiosa praga, a letumose.

PresentWavyKrill-max-1mb

Este universo futurista não é habitado apenas por humanos e ciborgues, sendo que estes últimos são mal vistos pela sociedade em geral e tratados como párias, mas também por androides (robôs com Inteligência Artificial avançada), e os temidos lunares. Na história, gerações antes, a Lua foi colonizada e seus habitantes deixaram de ser humanos há muito tempo, inclusive possuem a habilidade de manipular os pensamentos, emoções e ações dos outros, utilizando uma espécie de glamour tão natural à eles quanto respirar. Aqui, a Terra e a Lua têm uma relação tênue, com a ameaça de guerra iminente por parte da rainha lunar, a cruel Levana, pairando sobre a União Terráquea.

image

Com esse background, é impossível não enaltecer a genialidade da autora. Se a gente parar pra pensar, com todos esses elementos, essa história poderia ter dado muito errado. O brilhantismo de Marissa Meyer ao reger e guiar o enredo de forma instigante e natural faz com que essa seja uma leitura rápida, divertida e que prende o leitor do inicio ao fim.

Uma das minhas coisas favoritas presentes nesse livro foi a diversidade étnica apresentada. É muito difícil ler uma história onde os personagens fujam do esterótipo caucasiano, e aqui nós temos um livro inteiro ambientado no que seria a nossa Ásia, com uma gama de personagens orientais.

Falando neles, os personagens são todos muito bem construídos e coerentes, fazendo jus à suas idades, vivências e motivações. A minha maior surpresa foi me apaixonar tanto pelo androide Iko, que faz as vezes de ajudante e melhor amiga de Cinder.

tenor (1)

Todos os elementos principais do conto da Cinderela estão presentes de algumas formas inesperadas dentro dessa adaptação, inclusive o romance, que aqui fica quase como que subentendido: ele está presente, porém é mais como um plano de fundo, um coadjuvante numa história muito maior.

Acredito que o único ponto negativo que vi na obra (e nem sei se da pra chamar assim, já que ultimamente isso tem acontecido muito comigo, e não apenas na literatura), foi que acabei  matando o plot twist, que foi revelado nas ultimas 50 páginas, nas 50 primeiras.

giphy (1)

Pra finalizar, “Cinder” é apenas a ponta do iceberg de uma trama muito maior, e que continua em “Scarlet”, o segundo livro da série, que vai nos apresentar uma releitura da história da Chapeuzinho Vermelho, e cruzar o destino dessas duas personagens. Tenho certeza que ainda tem muita água pra rolar nessa saga, que conta com mais dois exemplares: “Cress” e “Winter”, todos lançados aqui no BR e que serão lidos e devidamente resenhados aqui no blog nas próximas semanas.