“Homem-Aranha no Aranhaverso”

Cinema, Nas Telonas

Durante a CCXP de 2017 pude acompanhar o painel da Sony Pictures e assistir em primeira mão a entrevista com os produtores Christopher Miller e Phil Lord, que nos apresentaram, com exclusividade, o primeiro teaser de “Homem-Aranha no Aranhaverso”.

Desde então estou completamente obcecada com a ideia desse filme e praticamente fiz um calendário mental para contar os dias até sua estreia.

A espera acabou na última quinta-feira, 10 de janeiro, quando chegou aos cinemas de todo Brasil a mais nova animação do Teioso.

Situada no Universo Ultimate, a trama acompanha os passos do jovem Miles Morales, que se tornou o Homem-Aranha inspirado no legado de Peter Parker, já falecido. Entretanto, ao visitar o túmulo de seu ídolo em uma noite chuvosa, ele é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói aracnídeo sob um sobretudo. A surpresa fica ainda maior quando Miles descobre que ele veio de uma dimensão paralela, assim como outras versões do Homem-Aranha.

“Homem-Aranha no Aranhaverso” é um respiro delicioso depois de todos os longas centrados em Peter Parker. Parece que a Sony finalmente entendeu que o público já estava meio cansado da mesma história de origem e resolveu investir em um novo protagonista, com uma nova história, novos dilemas e novos problemas.

A animação é uma das coisas mais bonitas e diferentes que já vi. Não EXISTE nada assim na história do cinema e parece que estamos assistindo a um quadrinho animado em três dimensões. Sério, a Direção de Arte desse filme é inacreditável, tudo nele é visualmente impressionante.

Além do visual belíssimo, que mistura diversos estilos de animação, o filme ainda faz várias referências aos quadrinhos, com os quadros de pensamento e os sons e barulhos. Fora todas as homenagens sutis aos Aranhas anteriores, não só os animados, mas também os live-actions e até os memes da internet.

O design é impecável e equilibra muito bem os traços em 2D dos Aranhas secundários com os em 3D do trio principal. Amei a clara referência aos animes com a Peni Parker e aos cartoons com o Porco Aranha, e tudo isso sem forçar a barra, é muito natural e bonito na tela.

Falando em coisas naturais e bonitas na tela, a interação entre os personagens é fantástica e cada um deles têm seu espaço para brilhar. Até mesmo os vilões, que tem pouco tempo em tela, são apresentados com uma profundidade palpável.

Outro ponto alto da animação é a trilha sonora, que estou escutando desde que sai do cinema:

O roteiro é impecável e muito bem desenvolvido, com diálogos coerentes e uma trama super convincente. O longa sabe equilibrar perfeitamente as sequências de ação, com a comédia e os momentos mais emocionantes. Perdi as contas de quantas vezes gargalhei no cinema, quantas vezes vibrei e gritei pelos personagens, e também quantas chorei em momentos de emoção pura.

“Homem-Aranha no Aranhaverso” não é apenas a melhor animação que já assisti, quiça o melhor filme do Homem-Aranha já feito. Talvez seja também o melhor longa de Super Heróis da atualidade.

Além de cair no gosto do público, o filme ainda levou o Globo de Ouro e o Critics Choice Movie Awards de Melhor Animação e estou com os dedos cruzados e torcendo muito para que ele receba também uma estatueta do Oscar

E aí, já foi aos cinemas conferir a nova aventura do Cabeça de Teia?

Me conta o que achou aqui nos comentários 😉

P.S.: a animação conta não apenas com uma, mas com duas cenas pós-créditos e, acredite em mim, você não vai querer sair do cinema sem assisti-las!

Anúncios

“As Provações de Apolo: O Labirinto de Fogo”

Literatura, Na Estante

Parece que o bicho pegou no terceiro livro da série “As Provações de Apolo”, de Rick Riordan.

E se você não faz ideia do que estou falando, vem comigo que vou te contextualizar:

“As Provações de Apolo” é a nova série do autor best-seller responsável pelo sucesso “Percy Jackson e os Olimpianos”. A história se passa no mesmo universo de sua antecessora, mais precisamente logo após o final de “Os Heróis do Olimpo”, quando, após despertar a fúria de Zeus, o deus do Sol acaba sendo castigado e expulso do Olimpo, caindo na Terra (mais especificamente numa caçamba de lixo em Nova Iorque) como um mero mortal, desprovido de seus poderes e, mais importante, de seu abdômen tanquinho.

Aqui Apolo precisa aprender a sobreviver como um adolescente espinhento e barrigudinho, descobrir um jeito de voltar às boas graças de Zeus e reconquistar sua divindade.

1000

Mas isso tudo rolou lá no primeiro livro, “O Oráculo Oculto” e desde então muita água rolou e a gente percorreu um longo caminho.

Vou confessar que essa era a série de livros do tio Rick que eu menos estava levando a sério. E tudo bem que o Rick Riordan é tipo o Dan Brown dos livros de fantasia infanto-juvenil… e isso quer dizer que, basicamente, não importa o titulo que estivermos lendo, sempre estaremos vendo a mesma história, só que com personagens diferentes…

Mas, mesmo estando sempre lendo a mesma história, eu sou completamente apaixonada pela escrita do Rick Riordan e o modo como ele consegue adaptar mitologia grega, romana, egípcia e nórdica para os dias atuais e fazer com que crianças e adolescentes do mundo inteiro se encantem e aprendam com essas histórias.

Então, acho que não importa o livro que ele lançar, eu vou sempre ler… e mesmo que nos primeiros livros eu não estivesse sentindo tanta firmeza em “As Provações de Apolo”, persisti quando a Editora Intrínseca lançou em maio deste ano a terceira parte dessa aventura, “O Labirinto de Fogo”:

No terceiro livro da série, o deus Apolo vai ser posto à prova ao enfrentar uma perigosa armadilha

Apolo, o deus mais glorioso e belo que já existiu, causou a ira de Zeus e foi expulso do Olimpo. Ele foi parar na terra, mais precisamente em uma caçamba de lixo em Nova York. Agora, ele é Lester Papadopoulos, um mortal desajeitado e sem poderes divinos. Para reconquistar seu lugar ao lado do todo-poderoso, Apolo terá que libertar cinco oráculos desaparecidos.

Com a ajuda de alguns amigos semideuses, como Percy Jackson, Leo Valdez e a desbocada Meg McCaffrey, Apolo conseguiu sobreviver às duas primeiras provações de sua temporada terrena. Agora, ele vai ter que enfrentar mais um componente do triunvirato do mal formado por antigos imperadores romanos e deve descer até o Labirinto de Dédalo para impedir que o terceiro imperador destrua o próximo oráculo da lista.

Olha gente, uma das coisas que mais curti dessa série é que ela revisita praticamente todos os protagonistas dos livros anteriores do autor e, eu não sei vocês, mas eu amo muito rever meus personagens favoritos e ver como anda a vida deles depois de todas as tretas que enfrentaram anteriormente. E normalmente é bem bom, por que nossos queridos estão super felizes e se dando bem na vida, certo? ERRADO!

“Os heróis têm que estar sempre prontos para fazer sacrifícios”. 

Rick Riordan nos presenteia com uma escrita jovial e divertida, como de costume, mas ela também ficou muito mais madura neste volume. Mesmo com todas as referências que me fizeram gargalhar, dessa vez, os personagens e eu sofremos pra valer. Eu não me lembro quando foi a ultima vez que chorei em um livro do autor, mas ele pegou bem pesado nesse.

Apesar do começo cheio daquela enrolação característica dos livros do tio Rick, rapidamente a leitura engrena e entra num ritmo frenético.

Foi com prazer que vi uma evolução incrível do Apolo nesse volume. Logo ele, que começou totalmente egoísta e cagando para a maior parte dos personagens (bem como um deus deve ser mesmo), aqui começa a apresentar um lado mais humano. Ele começa a pensar e a sentir como um mortal e a entender o abismo que há entre ser um deus e um humano. Como os deuses às vezes tratam a vida mortal como sendo algo descartável e, com isso, percebe como ele mesmo tratou tantas pessoas ao longo de sua vida imortal, e agora, sendo um mortal, enfrenta as consequências de muitas dessas atitudes.

“Os deuses não costumam sentir a dor da perda de um grifo, de algumas dríades ou mesmo de um ecossistema inteiro. Ah, eu não tenho nada a ver com isso, pensaríamos. 
Mas, quanto mais tempo eu passava naquele corpo mortal, mais me abalava com até mesmo a menor das perdas.”

Este é, com certeza, o melhor livro da série até agora, que fez, inclusive, com que eu finalmente me conectasse com alguns personagens que não tinham conseguido me fisgar durante toda a série anterior.

A história teve tudo: o desenvolvimento de personagens que precisavam crescer, ação, morte, drama e a inclusão de personagens antigos sem parecer forçado.

Riordan finalmente fez coisas que ele estava com muito medo de fazer em livros anteriores. Ele matou personagens protagonistas, colocou os mocinhos para apanhar, nos deu mais realidade de uma batalha do que em livros anteriores, onde era tudo fácil para nossos protagonistas.

Enfim, toda a carga dramática elevou o nível da série a outro patamar e agora só nos resta esperar pela sequência e morrer de ansiedade para saber como a história vai se desenrolar a partir de agora, e quais serão as consequências dos eventos desastrosos que presenciamos neste livro.

E você, já conferiu algum livro do Rick Riordan? Me conta o que achou nos comentários!