[2019] Leituras de Maio, ou a resenha de “Rainha do Ar e da Escuridão”

Literatura, Na Estante

Não é surpresa pra ninguém que o mês de maio foi O PIOR MÊS DE LEITURA pra mim, desde 2018. Eu já esperava por isso, já que estava e férias e viajando.

A parte boa é que finalmente consegui ler o livro que me tomou metade do mês anterior.

A parte ruim é que só li metade de um livro em maio.

Vocês acompanham abaixo o resuminho do livro e a minha opinião sobre ele. Prometo explicar o porquê de ter demorado tanto nessa leitura:


1) “Rainha do Ar e da Escuridão” – Cassandra Clare

Rainha do Ar e da Escuridão é a conclusão épica para outra grande trilogia do universo de Instrumentos Mortais da autora best-seller Cassandra Clare.

Sangue inocente foi derramado nos degraus do Salão do Conselho, e o mundo dos Caçadores de Sombras se encontra à beira de uma guerra civil. Parte da família Blackthorn foge para Los Angeles, em uma tentativa de descobrir a origem da doença que está acabando com os bruxos. Enquanto isso, Julian e Emma tomam medidas desesperadas e embarcam em uma perigosa missão para o Reino das Fadas a fim de recuperar o Volume Negro dos Mortos. O que encontram é um segredo capaz de destruir o Mundo das Sombras e abrir um caminho tenebroso para um futuro que nunca poderiam ter imaginado. Em uma corrida contra o tempo, Emma e Julian devem salvar o mundo dos Caçadores de Sombras antes que o poder mortal da maldição parabatai destrua tudo o que amam.


Vou até mudar um pouco o formato desse post pra poder falar mais um pouco sobre o livro, já que foi o único concluído nesse mês. Não vai ser bem uma resenha, pois não vou detalhar nem nada, mas vou falar dos meus sentimentos a respeito.

Obviamente eu tenho uns mixed feelings aqui.

Entendam, Cassie Clare é uma das minhas autoras favoritas e eu passei os últimos 12 anos lendo as histórias dos Shadowhunters, então meio que sempre vou amar tudo o que ela escreve.

Minhas expectativas estavam altíssimas para ler a conclusão da trilogia de Os Artifícios das Trevas e o encerramento do arco de Julian e Emma em “Rainha do Ar e da Escuridão”, mas acabei quebrando a cara ao ir com muita sede ao pote e as coisas não serem tão perfeitas quanto eu achei que seriam.

Tipo, não foi ruim! Foi muito bom, mas tiveram coisas que me atrapalharam bastante e o primeiro problema é que esses livros demoram demais para serem lançados.

Eu havia lido “Senhor das Sombras”, o livro 2 da trilogia, em 2017, ou seja, HÁ DOIS ANOS ATRÁS. E acreditem, isso impactou muito a minha leitura. Claro que tiveram acontecimentos no final do livro anterior que foram inesquecíveis, mas grande parte daquele conteúdo se perdeu na minha memória e eu passei os primeiros capítulos do livro 3 completamente perdida.

Não bastasse estar super perdida no começo da história, o livro também começa com um ritmo bem lento e 84 pontos de vista diferentes.

Ok, não são realmente 84 POVs, mas a impressão que dá é essa, por que são muitos e nem todos eram tão interessantes assim. Pra mim isso é meio que um problema e impacta diretamente no meu ritmo de leitura. Acho que isso explica muito o por que de eu ter demorado 15 dias pra ler 300 páginas.

Deixando de lado o fato do livro enrolar demais e demorar pra pegar ritmo, ter todos aqueles pontos de vista que achei meio inúteis e que acho que poderiam ser facilmente cortados, quando ele entra nos trilhos a história suga a sua alma.

“Rainha do Ar e da Escuridão” é dividido em 3 partes e a coisa começa a ficar boa a partir da parte 2. Se eu demorei 15 dias pra ler 300 páginas, as outras 442 foram lidas basicamente em 2 dias e me deixou completamente desnorteada.

Mesmo com esses problemas no começo, é uma história muito bem estruturada e que aborda diversos plots. Acho que ali tinha história pra 2 ou 3 livros em vez de apenas 1.

Particularmente eu curto muito o arco d’A Tropa. Apesar de me deixar sempre muito puta quando lia (e ser até meio chato de ler, confesso), acho muito importante e muito legal quando autores fazem essa metáfora sobre problemas reais do governo atual dentro de seus livros. Infelizmente vivemos no Brasil um momento muito parecido com o que os norte-americanos vivem nos Estados Unidos, o que sempre faz com que a gente reflita e se identifique quando algo assim acontece. Nesse post sobre a série Supergirl eu falo um pouquinho sobre isso.

Claras referências à esses dois senhores

Apesar de ter gostado muito desse arco, detestei o final dele. Não vou dar nenhum tipo de spoiler aqui, mas a resolução pareceu meio forçada. Achei meio sem pé nem cabeça e bem conveniente (não pros mocinhos da história, sabe? por que deu merda e tal). Pareceu que a autora estava forçando uma situação que poderia ser resolvida de mil outras formas, mas que ela precisava que fosse dessa maneira. Provavelmente o final de “Rainha do Ar e da Escuridão” ficou como ficou devido à necessidade do plano de fundo da trilogia final que vai fechar as Crônicas dos Caçadores de Sombras: Os Poderes Perversos.

Fora os pontos negativos, a escrita da Cassie é impecável. Ela consegue misturar com maestria uma trama politica, caça à demônios e romance. Aconteceu tanta coisa nesse livro que me fez pirar que eu poderia ficar escrevendo aqui a noite inteira. Vou destacar algumas coisas pra vocês não acharem que só falei mal da história:

  • Toda a trajetória de Emma e Julian tem uma conclusão arrebatadora que me fez gritar e chorar, mas acredito que esse seja um dom da Cassie: seus protagonistas sempre sofrem de formas inimagináveis por amor. Você não conheceu o verdadeiro amor impossível até ler um livro da Cassandra Clare, meu bem;
  • Ty e Kit, e não vou falar mais pra não dar spoiler, mas o plot deles nesse livro foi uma das coisas que mais me causaram nervoso e me fizeram passar mal até o final. Além do mais eu shippo muito esses dois, aff…
  • Christina e todo o romance que a envolveu. Eu não quero falar demais pra não estragar a experiência de quem vai ler esse livro e berrar de excitação em certas partes, POR QUE O NEGÓCIO É BOM! Partiu meu coração no final? Partiu. Mas todo o percurso e descoberta foram incríveis! Amo como a Cassie consegue ser pioneira em inserir todas as formas de amor em seus livros de maneira super natural e verídica, sem forçar a barra. E amo e odeio o quanto ela faz até os personagens coadjuvantes sofrerem por amor;
  • Thule. Marquem esse nome, não vou dizer o que significa, mas tem todo um arco nesse livro e suspeito que ainda vá ser muito importante na última trilogia;
  • Os Blackthorn. Que família, amigos! Eles são completamente apaixonantes e já passaram por tanta merda que eu só queria que a próxima trilogia não fosse focada neles POR QUE JÁ CHEGA DE FAZER MEUS BEBÊS SOFREREM. Mas obviamente vai e com certeza não vai ser fácil pra eles.

Tem mais um milhão de pontos que eu queria citar, tanto plot, tanta coisa aconteceu nesse livro! Como disse ali em cima, foi história pra 3 partes. A única coisa que digo é: vai ser difícil de ler no começo, mas vai valer muito a pena. Com a Cassandra Clare e os nossos Caçadores de Sombras sempre vale a pena.

Acho que no final das contas isso aqui ficou realmente com cara de resenha, uma coisa meio descoordenada, mas avisei né: muitos mixed feelings aqui.

Agora que junho começou e eu voltei pra minha rotina, vamos apenas esperar que meu ritmo de leitura melhore e que eu possa trazer um post recheado de muitos livros lidos no próximo mês!

Não deixem de me contar aqui nos comentários o que vocês andam lendo 😉

“As Provações de Apolo: O Labirinto de Fogo”

Literatura, Na Estante

Parece que o bicho pegou no terceiro livro da série “As Provações de Apolo”, de Rick Riordan.

E se você não faz ideia do que estou falando, vem comigo que vou te contextualizar:

“As Provações de Apolo” é a nova série do autor best-seller responsável pelo sucesso “Percy Jackson e os Olimpianos”. A história se passa no mesmo universo de sua antecessora, mais precisamente logo após o final de “Os Heróis do Olimpo”, quando, após despertar a fúria de Zeus, o deus do Sol acaba sendo castigado e expulso do Olimpo, caindo na Terra (mais especificamente numa caçamba de lixo em Nova Iorque) como um mero mortal, desprovido de seus poderes e, mais importante, de seu abdômen tanquinho.

Aqui Apolo precisa aprender a sobreviver como um adolescente espinhento e barrigudinho, descobrir um jeito de voltar às boas graças de Zeus e reconquistar sua divindade.

1000

Mas isso tudo rolou lá no primeiro livro, “O Oráculo Oculto” e desde então muita água rolou e a gente percorreu um longo caminho.

Vou confessar que essa era a série de livros do tio Rick que eu menos estava levando a sério. E tudo bem que o Rick Riordan é tipo o Dan Brown dos livros de fantasia infanto-juvenil… e isso quer dizer que, basicamente, não importa o titulo que estivermos lendo, sempre estaremos vendo a mesma história, só que com personagens diferentes…

Mas, mesmo estando sempre lendo a mesma história, eu sou completamente apaixonada pela escrita do Rick Riordan e o modo como ele consegue adaptar mitologia grega, romana, egípcia e nórdica para os dias atuais e fazer com que crianças e adolescentes do mundo inteiro se encantem e aprendam com essas histórias.

Então, acho que não importa o livro que ele lançar, eu vou sempre ler… e mesmo que nos primeiros livros eu não estivesse sentindo tanta firmeza em “As Provações de Apolo”, persisti quando a Editora Intrínseca lançou em maio deste ano a terceira parte dessa aventura, “O Labirinto de Fogo”:

No terceiro livro da série, o deus Apolo vai ser posto à prova ao enfrentar uma perigosa armadilha

Apolo, o deus mais glorioso e belo que já existiu, causou a ira de Zeus e foi expulso do Olimpo. Ele foi parar na terra, mais precisamente em uma caçamba de lixo em Nova York. Agora, ele é Lester Papadopoulos, um mortal desajeitado e sem poderes divinos. Para reconquistar seu lugar ao lado do todo-poderoso, Apolo terá que libertar cinco oráculos desaparecidos.

Com a ajuda de alguns amigos semideuses, como Percy Jackson, Leo Valdez e a desbocada Meg McCaffrey, Apolo conseguiu sobreviver às duas primeiras provações de sua temporada terrena. Agora, ele vai ter que enfrentar mais um componente do triunvirato do mal formado por antigos imperadores romanos e deve descer até o Labirinto de Dédalo para impedir que o terceiro imperador destrua o próximo oráculo da lista.

Olha gente, uma das coisas que mais curti dessa série é que ela revisita praticamente todos os protagonistas dos livros anteriores do autor e, eu não sei vocês, mas eu amo muito rever meus personagens favoritos e ver como anda a vida deles depois de todas as tretas que enfrentaram anteriormente. E normalmente é bem bom, por que nossos queridos estão super felizes e se dando bem na vida, certo? ERRADO!

“Os heróis têm que estar sempre prontos para fazer sacrifícios”. 

Rick Riordan nos presenteia com uma escrita jovial e divertida, como de costume, mas ela também ficou muito mais madura neste volume. Mesmo com todas as referências que me fizeram gargalhar, dessa vez, os personagens e eu sofremos pra valer. Eu não me lembro quando foi a ultima vez que chorei em um livro do autor, mas ele pegou bem pesado nesse.

Apesar do começo cheio daquela enrolação característica dos livros do tio Rick, rapidamente a leitura engrena e entra num ritmo frenético.

Foi com prazer que vi uma evolução incrível do Apolo nesse volume. Logo ele, que começou totalmente egoísta e cagando para a maior parte dos personagens (bem como um deus deve ser mesmo), aqui começa a apresentar um lado mais humano. Ele começa a pensar e a sentir como um mortal e a entender o abismo que há entre ser um deus e um humano. Como os deuses às vezes tratam a vida mortal como sendo algo descartável e, com isso, percebe como ele mesmo tratou tantas pessoas ao longo de sua vida imortal, e agora, sendo um mortal, enfrenta as consequências de muitas dessas atitudes.

“Os deuses não costumam sentir a dor da perda de um grifo, de algumas dríades ou mesmo de um ecossistema inteiro. Ah, eu não tenho nada a ver com isso, pensaríamos. 
Mas, quanto mais tempo eu passava naquele corpo mortal, mais me abalava com até mesmo a menor das perdas.”

Este é, com certeza, o melhor livro da série até agora, que fez, inclusive, com que eu finalmente me conectasse com alguns personagens que não tinham conseguido me fisgar durante toda a série anterior.

A história teve tudo: o desenvolvimento de personagens que precisavam crescer, ação, morte, drama e a inclusão de personagens antigos sem parecer forçado.

Riordan finalmente fez coisas que ele estava com muito medo de fazer em livros anteriores. Ele matou personagens protagonistas, colocou os mocinhos para apanhar, nos deu mais realidade de uma batalha do que em livros anteriores, onde era tudo fácil para nossos protagonistas.

Enfim, toda a carga dramática elevou o nível da série a outro patamar e agora só nos resta esperar pela sequência e morrer de ansiedade para saber como a história vai se desenrolar a partir de agora, e quais serão as consequências dos eventos desastrosos que presenciamos neste livro.

E você, já conferiu algum livro do Rick Riordan? Me conta o que achou nos comentários!