Séries Assistidas em Janeiro

Na TV

Janeirão foi o mês de recuperar o tempo perdido. E que mês longo, amigos… posso jurar que ele teve pelo menos 184 dias, e só por isso esse post com todas as séries assistidas nesse inicio de ano vai fazer sentido, já que foi temporada pra caramba e DE JEITO NENHUM eu vou conseguir manter esse ritmo pelo resto do ano.

Ao todo, desde o dia 1 de janeiro, consegui botar em dia 9 séries, maratonando temporadas completas sem dó nem piedade e honrando uma das minhas metas para 2020: assistir pelo menos um episódio, de alguma série, por dia.

Abaixo vocês conferem tudo que assisti em ordem, com uma nota (de acordo com meu Banco de Séries) e um breve resumo sobre o que achei de cada temporada, sem spoilers, claro! Vale lembrar que é a minha opinião, sem nenhum embasamento profissional. Ou seja, posso ter amado ou odiado e no fim do dia isso não dita se a série é realmente boa ou não.

Sem mais delongas, vamos começar:


His Dark Materials
BBC One | 2019
Nota: 9.19

Inspirada na trilogia “Fronteiras do Universo” (que eu ADORO) de Philip Pullman, essa série veio para adaptar os livros de forma decente!

Vocês já devem ter ouvido falar da primeira adaptação dessa história, esta para o cinema e com nomes como Nicole Kidman e Daniel Craig encabeçando o elenco. Tô falando de “A Bússola de Ouro” de 2007.

Não preciso nem dizer que o filme foi uma das adaptações mais porcas que já assisti e eu amargava esse desgosto até 1 de janeiro de 2020 (TREZE ANOS DE RANCOR, MINHA GENTE), quando resolvi maratonar a primeira temporada de “His Dark Materials”, a nova adaptação de uma das minhas histórias favoritas!

Com nomes tão grandes quanto os do cinema (aqui falamos de James McAvoy, Lin-Manuel Miranda, Dafne Keen e Ruth Wilson), essa série foi tudo o que eu pedi e mais um pouco.

Extremamente fiel aos livros, a série explora todo o Universo e a mitologia abordada na história criada por Philip Pullman em 1996. A fotografia e a trilha sonora são belíssimas e a entrega do elenco é absurda. Mal posso esperar pela segunda temporada, que já foi confirmada, mas ainda não tem uma data de estreia definida.


The Mandalorian
Disney+ | 2019
Nota: 9.12

Me segurei horrores pra conseguir esperar todos os 8 episódios dessa série irem ao ar pra poder maratonar tudo de uma vez!

Sou meio obcecada por tudo referente ao Universo Star Wars e essa foi uma das séries mais esperadas de 2019 pra mim. Inclusive, foi meio que um bálsamo assistir depois de conferir o fiasco da “Ascensão Skywalker”.

Infelizmente, quando você opta por esperar uma série lançar todos os episódios semanalmente, pra poder assistir tudo de uma vez, você acaba sujeita aos spoilers da vida e, o segredo mais bem guardado da Disney, o Baby Yoda, acabou não sendo uma surpresa pra mim, quando finalmente comecei a ver a série. Mas sabe o melhor de tudo? Isso não fez a mínima diferença.

A série acompanha a jornada de um Mandaloriano após a queda do Império e antes do surgimento da Primeira Ordem, ou seja, trás muito da nostalgia da primeira trilogia de Star Wars. Provavelmente isso, fora o Baby Yoda, foi o que mais me encantou.

Se o gênero Sci-Fi e o Faroeste tivessem um filho, esse filho seria The Mandalorian. Adorei o ritmo em que essa história foi contata, a fotografia, a trilha sonora e o elenco arrasaram demais! A gente nem consegue ver a cara do Mando, mas Pedro Pascal arrasa tanto na atuação que consegue te arrastar por um turbilhão das mais diversas emoções. Fora isso, esse formato de 30 minutos fez toda diferença, acabei assistindo a série numa sentada só e foi divertido e emocionante na medida certa!

The Mandalorian é tudo o que aquele filme do Han Solo queria ser (no caso uma aventura espacial fodida de tão boa), mas não conseguiu e veio pra provar que Star Wars ainda pode ser incrível, mesmo na mão da Disney.

A segunda temporada já tem data de estréia e a gente vai poder conferir a continuação da história de Mando e da Criança a partir de setembro de 2020.


Watchmen
HBO | 2019
Nota: 9.44

Essa foi, na minha mais humilde opinião, a melhor série de 2019.

Não vou mentir, quando comecei tava mais perdida que cego em tiroteio, mal me lembrava do filme e acho que não me liguei que a série era uma continuação direta da HQ. O primeiro episódio fez ZERO sentido pra mim, mas ver a Regina King, de Sister Night, descendo o cacete num bando de supremacista branco ganhou meu coração na hora!

O mais engraçado é que eu passei todos os 9 episódios da série perdida e sem saber que diabos estava acontecendo. Como a maior parte das séries da HBO (alô, Westword), o show entregava muitas perguntas e poucas respostas. Quando eu achava que estava entendendo os plots, vinha algo novo e aparentemente sem sentido só pra me confundir mais, porém, a qualidade de cada episódio era inegável e eu seguia louca e obcecada pra saber O QUE DIABOS ESTAVA ACONTECENDO!

E valeu a pena, amigos! Ô se valeu! Quando fui acertada por um dos maiores plot twists DA HISTÓRIA, tive certeza que essa era uma das melhores coisas já vistas na TV (depois daquela decepção toda com Game of Thrones e tal). E daí, quando eu achei que nada mais poderia me surpreender, veio aquela última ponta solta, aquele plot que não encaixava e não fazia sentido nenhum, e PEI PEI PEI, tiro pra todo lado, FOMOS SURPREENDIDOS NOVAMENTE, caralho, que série, QUE SÉRIE!

Acho que não tenho mais condições de falar sobre Watchmen sem surtar e sem soltar uns spoilers cabeludos. Qualquer informação que eu der vai estragar toda a sua experiência com essa série. Apenas saiba, se você está começando e tá achando o desenvolvimento lento e os episódios arrastados e tá cansado de não ter respostas, aguente, apenas AGUENTE, vai valer a pena no final. EU PROMETO.

A série está marcada como FINALIZADA, ou seja, aparentemente não teremos uma segunda temporada e, na moral? É melhor assim. Esses episódios foram perfeitos demais para serem estragados pela ambição humana de ganhar mais dinheiro com uma continuação desnecessária (alô, Big Little Lies).


The Witcher
Netflix | 2019
Nota: 8.88

Acho que o meu problema com a série do Bruxão foram as expectativas. Eu sempre digo que as expectativas podem foder com qualquer projeto. E mesmo assim não aprendo com meus erros. E meu erro com The Witcher foi esperar pela bunda do Henry Cavill.

Não me levem a mal, eu tô ligada que a série é baseada nos livros (que não li) e não nos jogos (que não joguei), mas de uma coisa eu sabia: Geraltão tava sempre mostrando a bunda no jogo. É assim tão ruim esperar ver a bunda dele na série também? Porra, Netflix, o que custava pagar um pouco mais pro Cavill mostrar a traseira pra gente??

Brincadeiras (ou não) a parte, fora a ânsia pela bunda do Henry, o negócio é que tava um hype gigantesco em cima da série. A galera tava dizendo que superaria Game of Thrones, e desculpa, mesmo com as últimas temporadas cagadas do show inspirado na obra de George R. R. Martin, The Witcher passou bem longe. Não é ruim. Só não é incrível. Não vou dizer aqui os porquês de eu não ter achado incrível, por que isso implicaria em alguns spoilers que podem acabar com a experiência de quem for assistir, mas assim… esperava bem mais dessa série.

O negócio agora é esperar pela segunda temporada, que já foi confirmada, mas ainda não tem data de estréia, e torcer para que seja melhor do que essa foi.


The Morning Show
Apple TV+ | 2019
Nota: 9.25

Eu assinei o Free Trial da Apple TV+ só pra ver essa série e, detalhe, não fazia ideia do que se tratava, mas né, produzida por Jennifer Aniston e Reese Whiterspoon, contando com as duas encabeçando o elenco e o plus do Steve Carell, não tinha nem o que fazer, só ir. E olha, valeu muito a pena.

A série revela os bastidores de um programa matutino de TV, em um cenário altamente competitivo e, além disso, gira em torno do escândalo onde o âncora principal do programa é acusado de ser um predador sexual.

Gente, digam o que disserem, essa série é muito necessária. Ela aborda esse tema onde homens com poder dentro de empresas acham que tudo bem assediar suas colegas de trabalho, já que é consensual, mas queridos, quando o outro lado pode perder o emprego, NÃO É CONSENSUAL.

Durante todos os episódios vai sendo explorada a conduta de todos os funcionários do programa e vemos uma cultura de silêncio e machismo, vindo por parte até mesmo de mulheres.

Só posso dizer que passei os últimos segundos do último episódio gritando com a TV. Mal posso esperar pela segunda temporada e pelo desenrolar das consequências de tudo o que explodiu nessa primeira. A série já foi renovada, mas ainda não tem data para retorno.


You
Netflix | 2018
(Segunda Temporada)
Nota: 8.60

Lembro de pensar, quando foi anunciado que essa série teria uma segunda temporada, que eles iriam cagar. E eu não estava totalmente errada. Na minha concepção “You” era uma daquelas séries de uma temporada só, mas, como sempre, a ambição humana não sabe parar quando tem uma máquina de fazer dinheiro na mão.

Teve gente que ainda curtiu essa segunda temporada por causa do plot twist, mas como manjei essa virada logo no começo, acabou não me fisgando e só achei tudo bem esquizofrênico e desnecessário. Meu problema aqui é o roteiro fraco e preguiçoso, cheio de conveniências, onde um sociopata, com zero talento para esconder rastros, sempre acaba escapando de ser pego das formas mais ridículas possíveis.

Eu, sinceramente, ainda não sei como tem gente que romantiza o Joe. Entendo o porquê de ele ser como é, da dó dos flashbacks mostrando a infância merda dele, mas não justifica as monstruosidades cometidas por uma pessoa claramente desequilibrada. O ponto positivo da série é conseguir humanizar esse monstro e, apesar do enredo pesado, ter sucesso em dar certa leveza a alguns episódios, chegando ao ponto de deixá-los divertidos e fazer o telespectador dar boas risadas (????).

Infelizmente, a série foi renovada pra mais uma temporada e eu não sei se vou ter pique pra acompanhar mais uma season com a mesma história, os mesmos furos e as mesmas soluções burras.


American Gods
Starz | 2017
(Segunda Temporada)
Nota: 8.42

American Gods é o típico cão que muito ladra e não morde. Lembro de assistir a primeira temporada empurrando com a barriga, por que os episódios eram muito arrastados e pouco acontecia. Ou fazia sentido. Porém a série era belíssima, com uma fotografia de fazer inveja, diálogos coesos pra te fazer pensar sobre as inúmeras coisas erradas dessa vida, e teve uma season finale de fazer o cu cair da bunda. Fora que o plot todo é bem interessante.

Logo, lá vamos nós pra mais uma temporada. O negócio é que a série manteve esse ritmo cansativo, nada, repito, NADA, aconteceu do episódio 1 ao episódio 8, os diálogos coesos ficaram cansativos e só o que salvou mesmo foi essa fotografia maravilhosa. É um absurdo passar uma temporada inteira e não sair do lugar. A Starz já renovou o show, mas ainda não tem data de estreia, e tenho quase certeza que se você assistir a primeira temporada e pular pra terceira vai continuar entendendo tudo, POR QUE NADA ACONTECEU NESSA SEGUNDA TEMPORADA.

Na moral, é melhor ir ler o livro pra saber logo como acaba, por que tão enrolando mais do que no Torneio de Artes Marciais de Dragon Ball Z3.


Titans
DC Universe | 2018
(Segunda Temporada)
Nota: 8.46

O engraçado com as expectativas é que elas são uma faca de dois gumes. Funciona tanto para o bem, quanto para o mal. Lembro que eu não estava dando nada para a primeira temporada de Titans, e comecei a assistir de forma despretenciosa, sendo surpreendida positivamente e amando a série.

O caso é que, gostei tanto da primeira temporada, que embarquei nessa segunda esperando algo muito melhor, já que anunciaram aparições de Bruce Wayne, Cadmus, Superboy, Krypto, Aqualad e a porra do vilão era o Deathstroke.

Olha gente, se decepção matasse…

Nunca lutei tanto na vida pra chegar numa season finale. Pouquíssimos episódios dessa segunda temporada se salvam. A série começou a abordar milhares de plots e não andou com nenhum, NADA ACONTECIA, os embates eram ridículos e o Dick Grayson deu no meu saco com tanto mimimi. Desperdiçaram um dos vilões mais fodas do Universo DC, o Bruce Wayne do Sor Jorah não me convenceu em nenhum momento e tô puta que alisaram o cabelo da Kory/Estelar por causa de racista filha da puta.

Enfim, a série foi renovada e eu provavelmente vou voltar pra terceira temporada na esperança de que melhore.


Knights of the Zodiac: Saint Seiya
Netflix | 2019
(Segunda Temporada)
Nota: 8.08

A faca de dois gumes ataca novamente aqui. Dessa vez para o bem. Eu acho. Quer dizer, a primeira temporada dessa nova animação foi tão ruim que eu comecei a segunda esperando o pior. Porém acho que o nível melhorou. Tá longe de ser melhor que o anime original, mesmo tendo resumido bem algumas coisas e criado soluções mais inteligentes para outras, ainda carece de desenvolver melhor seus personagens e fazer com que o publico se preocupe com eles.

Eu sinto falta da emoção das lutas, do sangue e de um desenvolvimento mais detalhado. Tudo bem que em algumas partes o anime era bem arrastado, mas aqui eles pecam novamente em cortar a maior parte das coisas, deixando sem explicação a relação dos personagens e sem sentido algumas ações tomadas pelos mesmos.

No todo, da primeira pra segunda, deu pra ver uma evolução e acho que a Netflix tá tentando acertar com seus erros, mas ainda falta MUITO pra ser incrível.

Vamos aguardar cenas da próxima temporada.


Whoaaaaaa, acabei! No total foram 80 episódios assistidos em janeiro e duvido muito que eu vá manter esse ritmo insano nos próximos meses, mas vou tentar trazer pra vocês pelo menos um resuminho de temporada por mês aqui no blog 😀

Enquanto isso, me contem quais séries vocês assistiram no começo desse ano e, se assistiram alguma dessas que citei acima, o que acharam 😉

Game of Thrones: Do Luxo ao Lixo

Na TV

Se você é um ser humano e vive num planeta chamado Terra, mesmo que não assista, com certeza sabe que no último domingo foi ao ar o episódio final da série Game of Thrones, baseada na saga de livros de George R. R. Martin.

Não vou me estender muito na introdução desse post, por que se você assistiu a série por tantos anos quanto eu, não vai precisar de um resumo sobre o show produzido por David Benioff e D. B. Weiss. E se você não assistiu nada da série, provavelmente odeia a galera obcecada que enche sua timeline toda semana com discussões sobre os episódios, e não vai se interessar nem um pouco pelo que tenho a dizer hoje.

E o que eu tenho a dizer, meus amigos, nada mais é do que um desabafo. Eu preciso falar sobre o final e sobre os meus sentimentos a respeito da trajetória desta que foi uma das minhas séries favoritas por tanto tempo.

Agora, você que é fã, assim como eu, não espere uma crítica com análise intrincada e profissional. Isso não é uma crítica. É só uma pessoa desabafando sobre sentimentos, muitas vezes confusos e contraditórios. E atenção, estejam preparados, por que não vou poupar spoilers abaixo:

Acho que o ideal é começar dizendo que não estou exatamente surpresa pelos acontecimentos deste último episódio. Todo mundo notou como a série decaiu a partir da sétima temporada, como todas aquelas tramas complexas e enigmáticas acabaram transformadas em plots fracos e preguiçosos. Sendo assim, minhas expectativas já estavam extremamente baixas, porém não da pra dizer que não fiquei decepcionada.

A impressão que tive foi a de que os produtores estavam mais interessados em chocar e surpreender o público do que em desenvolver com coerência o arco dos personagens e da própria série.

Tantos anos desenvolvendo Daenerys Targaryen como uma mulher forte, que lutava pelos fracos e oprimidos, que sempre batalhou contra o legado de seu pai louco e cruel, e que inclusive prendeu seus dragões, SEUS FILHOS, por que um deles matou uma criança inocente. De repente, essa mesma personagem começa a incinerar qualquer um que não dobre o joelho. De repente ela queima uma CIDADE INTEIRA CHEIA DE INOCENTES.

E não adianta vir me jogar a cartada de que ela enlouqueceu, de que ela estava com raiva e que ela sempre teve o temperamento explosivo. Primeiro que não deu tempo de enlouquecer, e segundo que nem nos momentos de maior fúria da personagem ela machucou inocentes sem motivo algum.

Mas David Benioff e D. B. Weiss não cagaram só na cabeça da Mãe dos Dragões. Não vamos nos esquecer que Jon Snow, lá na quinta temporada, quando a série ainda tinha algum embasamento nos livros, morreu com inúmeras facadas por defender o que era certo acima de tudo. Que descaracterização medonha nesta temporada, onde o personagem virou, com o perdão da expressão grosseira, um “escravo de buceta”, assistindo todas as barbaridades de cabeça baixa, justificando as atitudes hediondas de sua rainha, completamente cego de amor.

E desculpa, gente, mas nunca engoli esse romance forçado entre Daenerys e Jon. Nem quando ele estava com a Ygritte, em um relacionamento muito mais bem desenvolvido, ele deixou o amor ficar no caminho do que era certo. No final ele só fez alguma coisa quando o Tyrion o convenceu, ameaçando a segurança de suas irmãs.

Falando em Tyrion, cadê o personagem que sempre se guiou pela INTELIGÊNCIA e não pela EMOÇÃO? Onde foi parar o estrategista brilhante da Batalha do Água Negra, que previu com facilidade todos os movimentos do inimigo com uma frieza impressionante?

Aparentemente ele também estava muito ocupado ficando cego de amor para perceber a enorme bandeira de perigo balançando no horizonte. Nem nosso amigo Varys virando churrasquinho foi capaz de previnir o personagem mais inteligente da série de que tinha caroço nesse angu.

Não vou nem mencionar a Cersei e como ela não chorou nem na situação toda do “Shame”, onde humilharam ela de todas as formas possíveis, fazendo a mulher CAMINHAR PELADA PELA CIDADE INTEIRA ENQUANTO JOGAVAM FRUTAS PODRES E PEDRAS NELA!

Agora a personagem que sempre tinha uma carta na manga, aquela que estava disposta a ir até as ultimas consequências, ficou apenas chorando enquanto observava a cidade queimar? A personagem mais astuta, que cagou na cabeça de todo mundo, morreu soterrada, chorando e abraçada com o irmão? Desculpa, mas Cersei Lannister merecia uma morte melhor.

A impressão que fica é a de que os produtores estavam com muita preguiça de desenvolver todas as tramas e sub-tramas dessa história. É possível perceber isso ainda no final da sexta temporada, quando metade do elenco explodiu dentro do Septo de Baelor. O resultado foi esse final obtuso e, apesar de todos os esforços de D&D para surpreender, previsível.

Mas nem tudo são espinhos. Lá em cima eu disse que não detestei tudo, e é verdade. É possível apreciar algumas coisas dessa finale, na medida do possível. Como a primeira vez em que Emilia Clarke apareceu em cena nesse episódio. Foi belíssimo o abrir de asas de Drogon ao fundo, dando a impressão de que Daenerys estava abrindo suas asas ali.

O fato do dragão queimar o Trono de Ferro em vez de Jon quando encontra o corpo da mãe também foi poético. É como se Drogon soubesse que quem de fato matou Dany foi o seu desejo pelo Trono. Apesar de tudo, gostei muito dessa analogia.

O destino de Arya também não foi de todo ruim, aliás, foi um dos mais coerentes se a gente pensar na lambança toda que fizeram. Eu imagino que alguém que passou por tudo que ela passou não ia conseguir apenas voltar pra casa e brincar de casinha com a família. Muito menos se casar e virar a Lady de algum castelo. O destino de Arya ou era a morte ou esse que deram pra ela, correr livre por aí, como sua loba, Nymeria. Particularmente eu preferia a morte, acho que iria condizer muito mais e fazer sentido na jornada da personagem.

Agora, a coisa mais coerente que aconteceu nessa season finale foi a coroação de Sansa Stark como QUEEN IN THE NORTH (sim, eu falei isso gritando).

Entendam, eu sempre odiei a Sansa, e achava a personagem insuportável, irritante, mimada, egoísta e sonsa. Porém, no decorrer das últimas temporadas, acompanhando tudo o que ela passou, todo o sofrimento na mão de inúmeros homens, percebi como ela cresceu e aprendeu com os próprios erros. Talvez a Sansa tenha sido a personagem que mais cresceu e mais se desenvolveu na série, e seu final honrou toda a trajetória espetacular da personagem.

E foi só isso que eu gostei mesmo.

Pra mim a maior piada foi o Broken King de Bran Stark como soberano dos agora Seis Reinos. Essa foi a coisa mais sem pé nem cabeça de toda a história de Game of Thrones, ganhando inclusive da Arya matando o Night King. É nessas duas situações que podemos ver com absoluta certeza a preocupação dos produtores em apenas chocar e surpreender o público, se esquecendo completamente da coerência.

Onde foi parar aquela história de “Não sou Bran”, “Não sou Lorde” e “Sou o corvo de três olhos”? O segredo mais bem guardado de toda essa história, o maior plot twist da série, a verdadeira ascendência de Jon Snow e seu direito como herdeiro legitimo ao Trono de Ferro foi basicamente pra NADAAAAAAA!

Pra que tanto desenvolvimento, pra que toda essa trajetória preparando o personagem pra ser um grande líder, um guerreiro inspirador? Foi só pra ele voltar exatamente pro mesmo lugar em que estava no primeiro episódio da série? Se fosse pra ser assim, era melhor deixar ele morto lá na quinta temporada mesmo.

Pelo menos dessa vez, quando reencontrou o lobo que quase morreu por ele, o personagem não foi um cuzão e fez pelo menos um afago no Ghost. Não vou mentir, rever o lobo gigante sem orelha me fez chorar como um bebê e eu segui assim até bem depois dos créditos.

Chorei pelo lobo negligenciado desde o final da quinta temporada. Chorei pelo dragão que perdeu os irmãos e a mãe a troco de nada. Chorei pela Brienne que só ficou ali escrevendo sobre a morte do homem que amava. Chorei pela descaracterização de todos esses personagens tão brilhantemente construídos no inicio. Chorei por que acabou, pelo final, esse que foi porquíssimo e aquele que poderia ter sido. Poderia ter sido tão melhor, gente.

No fim das contas foi tão descabido. Uma desconstrução de tudo o que foi construído nas primeiras temporadas. Uma distorção dos personagens pra satisfazer as conveniências porcas desse roteiro chulo, que vem sendo feito nas coxas desde o finalzinho da sexta temporada. Sinceramente não fiquei surpresa com esse fim, depois de tudo que vimos nessa ultima temporada de bosta, ficou até condizente e não tive expectativas melhores, porém não teve como não ficar desapontada com o rumo que as coisas tomaram.

Só resta dizer que foi de partir o coração ver uma série com o potencial pra ser a melhor série de todos os tempos ter essa morte horrível e ir, literalmente, do luxo ao lixo.

E vocês? O que acharam dessa Series Finale?

Me contem aqui nos comentários 🙂