[2019] LEITURAS DE AGOSTO

Literatura, Na Estante

Finalmente, depois de muitos e muitos meses (na real, acho que desde o início do ano) eu venho aqui escrever um post de leituras do mês cheia de orgulho.

Mesmo estando um pouco atrasada, já que esse resumão era pra ter estourado por aqui na semana passada, me sinto incrível, pois o post atrasou por ótimos motivos: EU ESTAVA OBCECADA DEMAIS LENDO PRA VIR AQUI ESCREVER!

Infelizmente vocês só vão poder saber com o que eu estava obcecada no mês que vem, quando o post de Leituras de Setembro sair 😀

O motivo de tanto orgulho vocês conferem abaixo, na lista com ONZE LIVROS lidos no mês de agosto:


1) “A Missão Traiçoeira” – Erin Beaty

Sage Fowler abandona seu posto como aprendiz de casamenteira e se envolve em uma nova missão secreta ao lado do capitão Alex Quinn no segundo volume da série O Beijo Traiçoeiro.

Depois de se provar uma espiã habilidosa e uma casamenteira estrategista, Sage Fowler passou a ocupar uma posição confortável na alta sociedade, dando aulas para as princesas do reino de Demora. Quando surge a oportunidade de participar de uma nova missão secreta, porém, Sage quer aproveitar a chance para servir ao seu reino mais uma vez — e ficar mais próxima de seu noivo, o capitão Alexander Quinn. Alex não fica nada feliz com a ideia, já que está determinado a proteger a namorada de qualquer perigo.

A insistência de Sage em fazer parte da missão faz com que eles se desentendam cada vez mais e, quando um conflito com um reino vizinho resulta em uma tragédia, os dois acabam separados. Para completar a missão de Alex — e a sua própria —, Sage precisará contar com a ajuda de aliados inesperados para sobreviver em um território inimigo e salvar o reino de Demora mais uma vez.

Se vocês se lembram bem, eu finalizei o mês de julho com a leitura de “O Beijo Traiçoeiro” e não podia deixar de encaixar logo em seguida sua sequência, já que a autora estaria na Flipop desse ano. E gente, que história apaixonante! O segundo livro não consegue superar o primeiro, até por que é difícil se equiparar depois daquele plot twist INCRÍVEL, mas a história não perde o brilho, os conflitos são outros e mesmo que seja uma continuação, acaba sendo uma história completamente diferente. Gosto que aqui os personagens são ainda mais humanizados, os perigos são mais palpáveis e o protagonismo não tá salvando ninguém de se machucar. O livro acabou e eu só sabia implorar pra Editora Seguinte pelo 3º livro da trilogia!


2) “A Caçadora de Dragões” – Kristen Ciccarelli

Primeiro volume de uma trilogia fantástica, em que dragões e humanos estão em guerra — e cabe a uma garota matar todos eles.

Quando era criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a única solução que sua mãe encontrou foi lhe contar histórias antigas, que muitos temiam ser capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz de todos os dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas — um peso que a garota ainda carrega nas costas. Agora, aos dezessete anos, ela se tornou uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir frente a seu povo. Mas a garota não vai conseguir concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma — e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.

Outro livro que passei na frente das minhas leituras, já que a autora também estaria na Flipop, e vou dizer: NÃO ME ARREPENDO NEM UM POUQUINHO! Deus do céu! A Seguinte manda bem demais nos livros, NÃO PODE SER! Mesmo estranhando um pouquinho, já que vinha de uma leitura diferente, eu fui absolutamente sugada para o Universo da Trilogia Iskari! Fiz inclusive um post no Instagram pra resumir a paixão que foi ler esse livro (se quiserem ler uma resenha completa é só acessar o link), mas em resumo: amei todas as personagens femininas fortes, o romance delicado que se desenvolve em paralelo e não sufoca em nada o plot principal: uma intricada trama política, coroada por uma rede de intrigas. Foi tanta reviravolta nessa história que acabei nem vendo os plot twists me acertando! Vi bastante gente dizendo que demorou pra engrenar a leitura e que a coisa só andou a partir da metade do livro, mas “A Caçadora de Dragões” me prendeu do começo ao fim de forma surreal. LEIAM ESSE LIVRO, AINDA POR CIMA TEM DRAGÕES E É TOTALMENTE DIFERENTE DE TUDO O QUE VOCÊS JÁ VIRAM!


3) “A Rainha Aprisionada” – Kristen Ciccarelli

No segundo volume da trilogia Iskari, uma nova heroína entra em cena para lutar pela liberdade de seu povo ― e de sua irmã ― em meio a um conflito que apenas começou. Firgaard foi governada durante décadas por um rei tirano e manipulador, capaz de condenar povos inteiros apenas para aumentar seu poder.

Depois de uma grande batalha, Asha, sua filha, conseguiu derrotá-lo. E, assim, Dax, o primogênito, assumiu o poder ao lado de Roa, sua esposa. Roa é uma forasteira vinda das savanas ― um território sob o domínio de Firgaard, que há anos é oprimido e está prestes a entrar em colapso.

O maior desejo da nova rainha, mesmo sabendo que não é bem-vinda em seu novo lar, é mudar a vida de seu povo. O que ela não esperava era encontrar uma chance de alterar o curso do destino e trazer de volta à vida sua irmã gêmea, Essie, morta quando criança em um terrível acidente. O único obstáculo? O novo rei.

Quando terminei de ler o primeiro livro da Trilogia Iskari, mesmo todo mundo me dizendo que o segundo era ainda melhor, eu não acreditei que este superaria seu antecessor. Por que sério, O PRIMEIRO É BOM DEMAIS, como esse poderia ser MELHOR QUE AQUILO? Pois amigos, saibam, É POSSÍVEL! Tem uma resenha mais completa desse livro no mesmo link do Instagram, mas de novo, vou resumir aqui: essa é uma história completamente diferente da primeira, a protagonista é outra e a trama dela, mesmo sendo mágica e fantástica, passa longe do primeiro livro. Poderia ser mais um caso de love/hate, mas é melhor do que isso. É uma história de amor, em todas as suas formas, e sobre tudo que somos capazes de fazer em nome dele. Chorei bastante com a leitura, que me fez virar a noite de tão viciante, e, inclusive, chorei nos agradecimentos. Agora só me resta ficar aqui agonizando até o ultimo livro da trilogia ser lançado aqui no BR.


4) “Confidências de uma Ex-Popular” – Ray Tavares

Da autora de Os 12 Signos de Valentina. Mais de 4 milhões de leituras no Wattpad.

Beleza, poder, popularidade. O que mais uma garota pode querer? Renata acaba de ser expulsa de sua antiga escola. Perdeu seu status, seus amigos, seu namorado e sua antiga vida de privilégios. Agora, precisa recomeçar do zero, em um rígido internato católico.

Possessa e nada disposta a construir novos laços de amizade por conta das frustrações do passado, ela se vê, de repente, perdida. Sem largar sua essência, a garota se equilibra entre lidar com o desprezo constante dos alunos do colégio, recusar as investidas do presidente de um grupo misterioso e, nesse meio, administrar seu interesse por um aluno em particular.

Será que Renata vai conseguir superar seu passado e iniciar uma nova jornada mostrando uma nova versão de si mesma – ou insistirá em seus velhos erros?

Se vocês acompanharam os posts de leituras dos meses anteriores, puderam perceber que sou só um pouquinho obcecada pela Ray Tavares. Estive esperando o lançamento desse livro (que foi baseado em “Bola na Rede”, uma história que a autora lançou lá no Wattpad) loucamente, pra poder matar minha vontade de ler coisas que ela escreve. Assim que coloquei as minhas mãos nele, lá na Flipop, com direito à autógrafos e tietagem, comecei a ler. Foi tão empolgante que também fiz uma resenha completa lá no Instagram, que vocês podem ler aqui, mas, em resumo, é um livro juvenil, revigorante e inspirador, aquela leitura fácil e leve, mas recheada de questões sociais e políticas, com personagens super representativos e cativantes! É um daqueles livros completos: tem romance, tem mistério, tem esquema de corrupção, tem comédia (por que afinal de contas foi a Ray que escreveu e ela tem o melhor senso de humor do mundo), tem lições super importantes sobre família, amizade e amor em todas as suas formas. ENTÃO APENAS LEIAM E DEEM SUPORTE PRA NOSSA LITERATURA NACIONAL MARAVILHOSA!


5) “Amor em Manhattan” – Sarah Morgan

Um romance brilhante sobre três amigas que decidem abraçar a vida – e o amor – em Nova York. Calma, competente e organizada, Paige Walker adora um desafio. Depois de passar a infância em hospitais, ela quer mais do que tudo provar seu valor – e que lugar pode ser melhor para começar sua grande aventura do que Nova York? Mas quando ela perde seu emprego dos sonhos, Paige vai descobrir que o maior desafio será ser sua própria chefe! Só que abrir sua própria empresa de organização de eventos e concierge não é nada comparado a esconder sua paixonite por Jake Romano, o melhor amigo do seu irmão e o solteiro mais cobiçado de Manhattan. Mas quando Jake faz uma excelente proposta para a empresa de Paige, a química entre eles acaba se tornando incontrolável. Será que é possível convencer o homem que não confia em ninguém a apostar em um feliz para sempre? O primeiro livro da série para ‘Nova York, com amor’ traz um enredo empolgante e divertido, com personagens superando situações inusitadas em busca do seu final feliz.

Depois de ler romances fantásticos no começo do mês e engrenar um romance juvenil com questões bem importantes, quis dar aquela arejada na cabeça com um romance super clichê e acertei em cheio com esse livro, que é o primeiro de uma trilogia, cada um do ponto de vista de um membro de um grupo de amigas. O que gostei muito nessa história: o enfoque na amizade. Além do romance de fazer calcinhas caírem, o companheirismo da protagonista com suas duas melhores amigas é demais! As três são muito diferentes uma da outra, mas de um jeito muito incrível se completam. Morri de rir com os diálogos e me identifiquei um pouquinho com cada uma delas em diversas situações. Uma coisa que não gostei muito foi a escrita da autora: parecia muito com uma fórmula de bolo meio batida e todas aquelas descrições sobre como os mocinhos tinham mãos masculinas, e cheiro masculino, e voz masculina, enfim… mais tarde descobri que ela já tinha escrito milhões de livros publicados, então relevei esse ponto. A leitura flui que é uma beleza, e apesar do clichê e de sabermos como esse tipo de leitura termina, ainda é uma delicia de ler.


6) “Pôr do Sol no Central Park” – Sarah Morgan

Após o grande sucesso do livro Amor em Manhattan, Sarah Morgan retorna às livrarias brasileiras com este novo romance da série “Para Nova York, Com Amor”, que vai aquecer seu coração.

Frankie Cole e suas duas melhores amigas inauguraram um novo negócio em Manhattan que está sendo um sucesso. Frankie é designer e ama trabalhar com paisagismo de jardins suspensos nos telhados dos arranha-céus da cidade. Entre amizades verdadeiras e um trabalho gratificante, ela tem tudo para ser feliz. Frankie nunca deu muita atenção às relações românticas, sempre preferindo focar em si e no trabalho. Ela e Matt, irmão de sua melhor amiga, se conhecem há anos, mas nunca tiveram nada além de amizade. Até que ele descobre novas coisas sobre a mulher que pensou conhecer tão bem, e decide que não quer passar mais nenhum dia longe dela. Matt sabe que Frankie se mantém segura por trás de sua barreira emocional, mas fará de tudo para superar os bloqueios e conquistá-la.

O segundo livro da trilogia mantém o ritmo do primeiro, ainda me incomodou um pouco todas as características masculinas do mocinho, principalmente por que ele é o irmão da primeira protagonista e me vi com sentimentos conflitantes sobre ele. Mas gostei de verdade da personagem principal deste livro, todas as amigas são muito bem construídas e conseguimos ver isso nos livros, mas é diferente entrar dentro da cabeça dessas personagens e descobrir suas motivações a fundo. Tem algumas diferenças de ritmo deste para o primeiro, saindo um pouco do cenário onde as amigas se matavam para fazer o novo negócio decolar (já que era muito mais um plot da Paige) e indo explorar os fantasmas do passado da Frankie, o que nos leva à viagens para fora de Nova York e passeios no parque. Ainda não sei dizer de qual dos livros eu gostei mais, por que apesar das diferenças eles têm a mesma fórmula e a gente acaba sabendo de tudo o que vai acontecer, mas é um bom passatempo.


7) “Milagre na 5ª Avenida” – Sarah Morgan

O amor chega para todos ― seja sonhando com ele ou fugindo o máximo que pode. Após Amor em Manhattan e Pôr do Sol no Central Park, Sarah Morgan volta com outra história que vai fazer você suspirar.

Eva Jordan ama tudo que envolve o Natal. Romântica incurável, ela passará as festas sozinha esse ano, mas nada destrói sua fé inabalável no amor e nas coisas boas da vida. Quando ela tem a oportunidade de decorar a casa de um escritor rico e famoso na 5ª Avenida, aceita sem pensar duas vezes.

O que Eva não esperava, no entanto, é que a casa estaria ocupada por seu recluso ― e misterioso ― dono. Lucas Blade é especialista em escrever cenas aterrorizantes, mas é o Natal que está sendo seu maior pesadelo. Há poucas semanas do prazo final de entrega de seu próximo livro, ele ainda não tem uma história ― nem mesmo um personagem principal! Além disso, o aniversário da morte de sua esposa está chegando, o que o deixa imerso em uma névoa carregada de dor e luto. Eva vive em seu planeta particular e Lucas em um mundo de dor e desconfiança. O que a vida mostra a eles é que duas pessoas diferentes podem ter mais em comum do que imaginam ― incluindo uma atração inegável um pelo outro.

O terceiro e último livro me deixou um pouco confusa sobre se foi o que eu mais gostei ou o que eu menos gostei. Achei a história mais diferente nesse, mesmo sendo aquela coisa receita de bolo que citei sobre os anteriores, o cenário é diferente, o ritmo também. Em alguns momentos eu amava a mocinha, mas em outros eu queria espancar ela. Eva é muito boazinha, claro que ela tem falhas, mas ela suportou umas coisas que pelo amor de Deus. E eu não sei se compro essa coisa de escritor recluso super sarado. Aquela questão das descrições muito masculinas dos mocinhos seguiu me incomodando demais. Neste livro senti o plot que amava sobre a amizade meio apagado. Ao mesmo tempo teve um plot twist mais interessante que os anteriores. Então assim, fiquei confusa sobre gostar ou não, porém não é um livro que vá desafiar a inteligência de ninguém, é pra ler e se distrair mesmo, vale pra dar aquela refrescada nas ideias depois de uma leitura muito complexa.


8) “F*ck Love – Louco Amor” – Tarryn Fisher

Helena Conway se apaixonou. Contra sua vontade. Perdidamente. Mas não sem motivo.Kit Isley é o oposto dela desencanado, espontâneo, alguém diferente de todos os homens que conheceu. Ele parece o seu complemento. Poderia ser tão perfeito… se Kit não fosse o namorado da sua melhor amiga. Helena deve desafiar seu coração, fazer a coisa certa e pensar nos outros. Mas ela não o faz… Tentar se afastar da pessoa amada é como tentar se afogar. Você decide fugir da vida, pulando na água, mas vai contra a natureza não buscar o ar. Seu corpo clama por oxigênio sua mente insiste que você precisa de ar. Então você acaba subindo à superfície, arfando, incapaz de negar a si mesma essa necessidade básica de ar. De amor. De desejo ardente. Você pode pensar que já viu histórias parecidas, mas nunca tão genuínas como essa. Tarryn, a escritora apaixonada por personagens reais, heroínas imperfeitas, mais uma vez entrega algo forte, pulsante, que nos faz sofrer mas também nos vicia. Depois dela, todas as outras histórias começam a parecer como contos de fadas. Se você não quer se viciar, não leia a primeira página.

Eu só tenho uma coisa pra falar desse livro: PUTA MERDA QUE VIAGEM DA PORRA! Sério, só Deus sabe o que a Tarryn Fisher usou enquanto escrevia essa história. Essa sinopse faz parecer que o livro é um passeio no parquinho, quando na verdade é um chá de ayahuasca. Logo no primeiro capítulo você já fica “espera, mas o que…?”. Depois disso é só ladeira abaixo. Vou meter um spoiler aqui, por que preciso mesmo alertar as pessoas: GENTE, A PERSONAGEM TEM UM SONHO BIZARRO COM O NAMORADO DA MELHOR AMIGA E DAI FICA OBCECADA PELO CARA! Minha filha, você é uma amiga filha da puta. Não consegui em nenhum momento compreender e ficar do lado da protagonista. Não consegui torcer por ela. Não consegui shippar ela com o cara. Em muitos momentos torci pela morte dos dois. Rolaram umas viagens muito loucas no meio da história, um novelão mexicano, uma salada toda estranha, não sei explicar… a parte boa é que o livro só é grosso por causa do tipo de papel usado na impressão e tudo acaba em menos de 300 páginas. UFA!


9) “Imperfeitos” – Lauren Layne

Será que Michael conseguirá encontrar um final feliz depois de ser rejeitado por Olivia? Uma comédia romântica surpreendente sobre como recomeços podem ser a cura para um coração partido.

Quantas vezes um mesmo coração aguenta ser despedaçado? Essa é a pergunta que atormenta Michael St. Claire, o ex-bon vivant que, após ser rejeitado por Olivia e abandonado pelo melhor amigo, deixa o glamour nova-iorquino para trás e vai trabalhar num clube de tênis numa cidadezinha no Texas. Há um motivo secreto por trás dessa escolha geográfica: é lá que se encontram seu pai biológico e seu meio-irmão, Devon, que não fazem ideia de sua existência. O que o plano de Michael não previa era conhecer Chloe, a garota mais inteligente, sarcástica e original que ele já vira. Em pouco tempo, eles se tornam grandes amigos, e quando Michael descobre que Chloe é apaixonada por Devon ele resolve que irá ajudá-la. Mas será que dois corações rejeitados conseguem, juntos, construir um recomeço? Ou irão apenas se machucar, perdidos na eterna busca por aceitação e pertencimento?

Eu tava enlouquecida pra ler esse livro desde que li os dois primeiros: “Em Pedaços” e “Como num Filme”. Odeio muito ler séries/trilogias que ainda não foram lançadas completamente no Brasil, por que daí fico doida aqui esperando os livros saírem. Mas enfim, eu amo os livros da Lauren Layne, são clichês e tal, mas são tão incríveis! Tem resenha aqui no blog de “Mais que Amigos”, que foi o primeiro livro dela que eu li e falei sobre isso: a escrita é descontraída, rápida e enxuta, a autora não perde tempo com nada que não seja necessário para a história se desenvolver, SEM ENCHEÇÃO DE LINGUIÇA, mas mesmo assim consegue fazer a gente se conectar com os personagens de uma forma surreal. Me vi torcendo por eles, rindo com eles, chorando com eles e gritando com eles. Dos três livros (tenho certeza que falei deles aqui no blog em algum dos posts de leitura do mês) essa é a protagonista que mais gostei! Chloe não é a mocinha padrão e eu amei como a história dela foi desenvolvida. Fiquei com um pouco de raivinha do Michael no final, por que detesto o empecilho de “eu não mereço ela e por isso não vamos ficar juntos”, mas daí algum defeito esse livro precisava ter. Vale a pena gente, graças a Deus esse livro foi bom e delicioso e cumpriu seus propósitos de romance água com açúcar, com um quê de comédia, ideal para ser lido em um dia frio depois da bomba ali de cima.


10) “The Chase – A Busca de Summer e Fitz” – Elle Kennedy

Bem-vinda de volta aos jogos de hóquei e às festas da Universidade Briar! No primeiro spin-off da série Amores Improváveis, conheça a apaixonante e misteriosa Summer, irmã de Dean.

Todo mundo diz que os opostos se atraem. E deve ser verdade, porque não tem nada que explique minha atração por Colin Fitzgerald. Ele não faz meu tipo e, o pior de tudo, me acha superficial. Essa visão distorcida que ele tem de mim é o primeiro ponto contra. Também não ajuda que ele seja amigo do meu irmão.

E que o cara que mora com ele tenha uma queda por mim.
E que eu tenha acabado de me mudar para a casa deles.

Mas isso não importa. Estou ocupada o bastante com uma faculdade nova, um professor que não larga do meu pé e um futuro incerto. Além do mais, Fitzy deixou bem claro que não quer nada comigo, embora tenhamos uma química de dar inveja a qualquer casal. Nunca fui de correr atrás de homem, e não vou começar agora. Então, se o meu roommate gato finalmente acordar e perceber o que está perdendo…
Ele sabe onde me encontrar.

Bom, eu não queria mais errar com livro clichê (ainda traumatizada com a bomba que foi o nº8 dessa lista), então resolvi que era hora de ler o spin-off da série “Amores Improváveis”, da Elle Kennedy, pois sou totalmente obcecada por ela e NÃO TINHA COMO “BRIAR U” SER RUIM! E gente, que delicia! Que saudades que eu tava desses romances deliciosos com jogadores de hóquei super gostosos! Amei muito essa leitura, inclusive finalizei em um dia, a escrita da Elle é completamente viciante, a Summer é uma personagem super humana e maravilhosa, que a gente só viu de relance em “Amores Improváveis” e que tem uma profundidade intensa! Adorei como ela foi construída, super forte apesar dos esteriótipos, vulnerável de um jeito inteligente e super feminista! Destaquei vários discursos dela cheios de sororidade que se encaixavam perfeitamente nas situações, sem soarem forçados. Também adorei a construção do Fitz, ele é um idiota, mas não é por mal, o personagem claramente é um nerd que não sabe como agir e não sabe o que fazer na maior parte do tempo. Quis bater na cabeça dele em muitos momentos, mas as burradas dele o fizeram completamente real. E gente, o que são as cenas eróticas desse livro? Elle Kennedy sabe escrever uma cena de sexo como ninguém, PELO AMOR DE DEUS, ler esse livro no transporte público foi um desafio. Enfim, leitura mais do que recomendada, livro com ZERO DEFEITOS!


11) “The Risk: O Dilema de Brenna e Jake” – Elle Kennedy

Todo mundo diz que eu sou uma garota má. Deve ser porque faço o que bem entendo e não estou nem aí para o que os outros pensam de mim. Apesar disso, dormir com o inimigo não faz meu tipo. Como filha do técnico de hóquei da Briar, minha vida estaria arruinada se eu me relacionasse com um jogador de um time rival.

E essa é a definição de Jake Connelly. Estrela e capitão do time de Harvard, ele é arrogante, irritante e atraente demais pra ser verdade. E o pior é que eu preciso que ele tope fingir ser meu namorado para que eu consiga meu tão sonhado estágio na HockeyNet. Mas é claro que aquele gostoso idiota não vai facilitar: para cada encontro falso… ele quer um pra valer.

O que significa que estou em apuros. Isso de ficar saindo às escondidas com Jake Connelly não tem como dar certo. Embora esteja cada vez mais difícil resistir ao desejo e ao sorriso de Jake, me recuso a me apaixonar por ele.

Esse é o único risco que eu não vou correr.

Segundo livro do spin-off “Briar U” conta a história de Brenna, a melhor amiga de Summer, ali do “The Chase”. Eu acho que fui com muita sede ao pote com esse livro. Estava esperando algo na mesma linha do primeiro, mas não foi tão apaixonante. Obviamente o livro é ótimo, as cenas eróticas são de fazer a gente ficar ofegante lendo, mas não senti muita profundidade no Jake. E também não gostei muito da Brenna e dos dilemas dela. Claro que tiveram algumas revelações sobre o passado dela mais pro final que fazem total sentido nas ações da personagem, mas mesmo assim não consegui me identificar com ela o tanto que me identifiquei com a Summer, por exemplo. E, como sempre digo, esse é o problema com as expectativas: a gente sempre quebra a cara. Tenho certeza que eu teria achado o livro perfeito se não tivesse lido “The Chase” primeiro. Mas de todo jeito a história é muito bem orquestrada, adoro a relação dos personagens desse Universo, adoro as interações entre eles, os diálogos, é tudo muito verdadeiro e deixa a gente com vontade de virar amigo deles. Fora as cenas de sexo, eu já falei delas? Enfim, vale a leitura com certeza. Fico agora no aguardo do terceiro livro, “The Play”, que tem lançamento previsto pra outubro deste ano lá nos States. Vamos orar pra Paralela lançar logo por aqui!


Ufaaaa, acabou!

Ainda não bati o recorde de leituras por mês no ano, a coroa ainda é do mês de fevereiro, com 12 livros lidos, mas gente, eu cheguei muito perto em agosto! Finalmente voltei ao meu ritmo insano de leitura, aquele que perdi durante as férias e a sensação é maravilhosa.

Estou trabalhando firmemente pra bater o recorde agora em setembro, já adianto que nessa primeira semana consegui finalizei a leitura de 7 títulos 😀 então esperam um post bem recheado no mês que vem!

Agora me contem aqui nos comentários o que vocês andam lendo 😉

[2019] Leituras de Fevereiro

Literatura, Na Estante

Minha gente, esse ano tá voando! Pisquei e fevereiro já chegou ao fim. Parece que foi ontem que eu vim aqui contar sobre as minhas Leituras de Janeiro e falar a respeito da minha resolução cheia de projetos pessoais.

O post com essas resoluções e o resumo das minhas metas de 2019 ainda vou ficar devendo, mas as minhas Leituras de Fevereiro já estão entre nós!

Na correria que foi esse segundo mês do ano acabei não resenhando nenhum livro aqui no blog, mas vou deixar vocês com o resumão de tudo o que fez a minha cabeça no quesito literatura:


1) “Tinderela e o Coração de Cristal” – Bianca Briones

Beatriz é uma mulher na casa dos trinta, que coleciona decepções amorosas. Ela não se encaixa no padrão de beleza imposto pela sociedade e não se importa muito com isso, porém sente uma necessidade imensa de ser amada, essa carência a coloca em situações que a machucam emocionalmente cada vez mais.

Em uma brincadeira de amigos, ela acaba no Tinder, um pouco receosa a princípio, depois passa a crer que poderá, enfim, encontrar o amor. 

Tinderela e o Coração de Cristal é uma história contada em 12 volumes, que serão lançados ao longo de 2019, um a cada mês, sempre na última semana. Na saga, acompanharemos um ano na vida de Beatriz, e sua busca desesperada por amor. E, assim como ela, descobriremos, aos pouquinhos, que antes de encontrar um grande amor, precisamos encontrar a nós mesmos.

Eu nunca canso da escrita da Bianca Briones, é incrível como ela consegue criar personagens tão reais e atuais. O único defeito dessa história é que é curta demais e eu já estou mais do que ansiosa pra ler o volume 2!


2) “Em Pedaços (Recomeços #1)” – Lauren Layne

Uma garota com segredos corrosivos. Um ex-soldado com cicatrizes externas e internas. Um amor que pode salvar ambos… ou destrui-los de vez.

Aos vinte e dois anos, Olivia Middleton tem Nova York aos seus pés. Por fora, ela é a garota perfeita — linda, inteligente e caridosa — mas, por dentro, guarda um segredo terrível: um erro que a afastou das duas únicas pessoas que realmente importavam na sua vida. Determinada a esquecer o passado, ela deixa Manhattan e vai trabalhar como cuidadora de um soldado recém-saído da guerra. O que ela não esperava era que seu paciente seria um jovem enigmático de vinte e quatro anos tão amargurado quanto atraente.

Paul Langdon está furioso — com o mundo, com a vida, com o seu pai e, principalmente, consigo mesmo. Depois de sofrer na pele os horrores da Guerra do Afeganistão, a última coisa que ele quer é a companhia de uma princesinha nova-iorquina linda, mimada e irritante. A presença de Olivia parece tóxica para Paul: ela o incomoda, mas ele não consegue afastá-la, por mais que tente.

Nessa recontagem moderna de A Bela e a Fera, Lauren Layne nos traz uma história irresistível de perdão, cura e, acima de tudo, amor.

Me descobri obcecada pelos livros da Lauren Layne! São histórias absurdamente clichês, que você sabe exatamente todos os pontos de virada e o final, nada surpreendente. Entretanto a escrita dela é completamente viciante e você não consegue largar o livro até chegar à página final. Terminei esse numa sentada só e em seguida já estava obcecada procurando pelo próximo.


3) “Como Num Filme (Recomeços #0.5)” – Lauren Layne

As regras são claras… até o momento em que são quebradas. Neste livro da série Recomeços, conheça a história de Ethan. As únicas coisas que o mauricinho Ethan e a rebelde Stephanie têm em comum são o curso de cinema na Universidade de Nova York e o roteiro que precisam desenvolver juntos. Mas, quando a proposta de recriar clássicos de Hollywood se confunde com a realidade, eles acabam se tornando os protagonistas de uma história de amor digna de Oscar! Ela quer um quarto confortável em uma boa casa. Ele quer ficar longe de sua ex. Eles precisam de uma boa nota.

Convencidos a ajudar um ao outro, os dois entram em um acordo: Stephanie será a namorada de mentirinha de Ethan enquanto ele a deixa morar em seu apartamento. Para isso, ela deverá fingir ser uma perfeita lady: discreta, arrumadinha e, claro, completamente apaixonada… igualzinha à personagem do filme que estão criando. Contudo, à medida que os dois se aproximam, Ethan se vê completamente apaixonado pela garota cheia de mistérios e contradições ao seu lado. Agora, ele vai ter que decidir: será que seus sentimentos são pela Stephanie de verdade? Ou apenas pela versão que ele criou?

Esse livro se passa antes dos acontecimentos de “Em Pedaços”, mas deve ser lido só após o término do primeiro. A história deste romance segue o mesmo padrão do anterior: clichê, previsível e sem nenhuma surpresa, mas também mantêm a mesma qualidade de seu predecessor: é impossível desgrudar das páginas até chegar ao final! Você consegue lê-lo de uma vez só e é aquele livro ideal para espairecer entre uma leitura mais pesada e outra.


3) “Os 27 Crushes de Molly” – Becky Albertalli

Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos dezessete anos, a menina acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, vive dizendo que ela precisa ser mais corajosa, mas Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas.

Tudo muda quando Cassie começa a namorar Mina, e Molly pela primeira vez tem que lidar com uma solidão implacável e sentimentos muito conflitantes. Por sorte, um dos melhores amigos de Mina é um garoto hipster, fofo e lindo, o vigésimo sétimo crush perfeito e talvez até um futuro namorado. Se Molly finalmente se arriscar e se envolver com ele, pode dar seu primeiro beijo e ainda se reaproximar da irmã.

Só tem um problema, que atende pelo nome de Reid Wertheim, o garoto com quem Molly trabalha. Ele é meio esquisito. Ele gosta de Tolkien. Ele vai a feiras medievais. Ele usa tênis brancos ridículos. Molly jamais, em hipótese alguma, se apaixonaria por ele. Certo?

Em Os 27 Crushes de Molly, a perspicácia, a delicadeza e o senso de humor de Becky Albertalli nos conquistam mais uma vez, em uma história sobre amizade, amadurecimento e, claro, aquele friozinho na barriga que só um crush pode provocar.

Eu amei muito esse livro! Terminou e eu só queria pegar a Molly e colocar ela dentro de um potinho! Eu queria virar amiga dela e dos amigos dela! Amo a escrita da Becky (mesma autora de “Simon vs. a Agenda Homo Sapiens”), amo que seus personagens são super bem construídos e como existe toda uma preocupação em retratar a inclusão de diversas etnias e tipos de opção sexual entre os seus personagens. O nome disso é representatividade e a escritora faz com maestria enquanto nos guia por uma história completamente envolvente! 

P.S.: esse livro se passa no mesmo Universo dos outros livros 
da autora, então você pode ter um infarto ou dois com a 
citação à personagens que já conhecemos e amamos!


5) “Leah Fora de Sintonia (Creekwood #2)” – Becky Albertalli

Sequência do sucesso Com Amor, Simon.

Leah odeia demonstrações públicas de afeto. Odeia clichês adolescentes. Odeia quem odeia Harry Potter. Odeia o novo namorado da mãe. Odeia pessoas fofas e felizes. Ela odeia muitas coisas e não tem o menor problema em expor suas opiniões. Mas, ultimamente, ela tem se sentido estranha, como se algo em sua vida estivesse fora de sintonia. No último ano do colégio, em poucas semanas vai ter que se despedir dos amigos, da mãe, da banda em que toca bateria, de tudo que conhece. E, para completar, seus amigos não fazem ideia de que ela pode estar apaixonada por alguém que até então odiava, uma garota que não sai de sua cabeça.

Nesta sequência do sucesso “Com Amor, Simon”, vamos mergulhar na vida e nas dúvidas da melhor amiga de Simon Spier. Em um livro só dela, mas com participações mais do que especiais dos personagens do primeiro livro, vamos acompanhar Leah em sua luta para se encontrar e saber com quem dividir suas verdades e seus sentimentos mais profundos.

Em Leah fora de sintonia, Becky Albertalli mostra por que é uma das vozes mais importantes e necessárias de sua geração. Sem nunca soar didática, a escritora lança mão dos mesmos ingredientes que tornaram “Com Amor, Simon” um sucesso mundial: a leveza, o senso de humor, a representatividade e a certeza de que vale a pena contar histórias sobre jovens que podem até estar perdidos, mas estão determinados a encontrar seu caminho.

Esse livro dividiu muitas opiniões! Principalmente por que mostra um outro lado da Leah, um bem diferente do que foi mostrado em “Simon vs. a Agenda Homo Sapiens” e eu não sei se foi por que as pessoas não entenderam bem, mas eu adorei demais essa história. A Leah não é uma personagem fácil e estar dentro da cabeça dela por 320 páginas pode não ser uma missão fácil se você não compreender a personagem. Existem motivos pra ela ser como é e, conforme a gente se aprofunda na história dela, vai compreendendo melhor suas ações. Essa é a magia desse livro e dos outros escritos pela Becky: ela não cria personagens perfeitos! Todo mundo é cheio de defeitos e dramas e tem sua própria jornada de descoberta pra percorrer. É sempre uma honra poder acompanhá-los por todo esse caminho.

P.S.: é ideal que esse livro seja lido depois do da Molly, pois têm acontecimentos relacionados.


6) “O Natal dos Neves” – Ray Tavares

A família Neves é… peculiar. Grande, barulhenta e cheia de opiniões, é exatamente o oposto do ambiente em que Isadora cresceu. Talvez seja por isso que Andrei esteja tão receoso em apresenta-la aos pais e aos irmãos durante a data mais caótica do ano: o Natal. Ou talvez seja porque ele está 100% pronto para dizer as temerosas três palavrinhas para a namorada, “eu te amo”, mas precise encontrar o momento perfeito para isso.

Observação: o conto se passa após o final de “Os 12 Signos de Valentina”, porém, antes do epílogo do livro.

Aquele conto curtinho pra matar a saudade de personagens tão queridos! Foi ótimo acompanhar a história pelo ponto de vista do Andrei e ficar suspirando a cada página pelo jeito como ele vê a Isadora. Que amor lindo! Além do romance, não podia faltar muita comédia, afinal é uma história da Ray Tavares, e se ela não me fizer gargalhar pelo menos uma vez por capítulo tem alguma coisa errada!


7) “Dumplin'” – Julie Murphy

Especialmente para os fãs de John Green e Rainbow Rowell, apresentamos uma destemida heroína e sua inesquecível história sobre empoderamento feminino, bullying, relação mãe e filha, e a busca da autoaceitação.

Sob um céu estrelado e ao som de Dolly Parton, questões como o primeiro beijo, a melhor amiga, a perda de alguém que amamos demais e “estou acima do peso e ninguém tem nada com isso” fazem de Dumplin’ um sucesso que mexerá com o seu coração. Para sempre.

Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo… até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular… e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca. Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela.

Puta que pariu! Esse livro é incrível! Uma das melhores coisas que li na minha vida e acho que deveria ser lido PELO MUNDO INTEIRO! Alguém coloca ele nas pautas das escolas, todo mundo deveria conhecer a história da Will. Adorei a narrativa da Julie Murphy e se pudesse teria lido o livro inteiro de uma vez só. Ainda não conferi a adaptação para as telas, mas quero muito fazer um comparativo assim que assistir o filme na Netflix.


8) “Amor Plus Size” – Larissa Siriani

Maitê Passos é uma garota linda, de dezessete anos e mais de cem quilos. Ela passou a infância e a adolescência sendo resumida ao peso. Mas e quando é justamente esse o fator que pode mudar completamente a sua vida?

Em meio ao turbilhão do ensino médio, com uma mãe obcecada por dietas, um crush antigo por Alexandre, o cara mais gato da escola, e uma amizade deliciosa com Isaac, fotógrafo amador, Maitê vai descobrir que não precisa ser igual a todas as outras meninas para ser feliz.

Neste romance corajoso e cheio de reviravoltas, Larissa Siriani narra a história de uma jovem descobrindo seu lugar no mundo, construindo uma jornada incrível de autoconhecimento, aceitação e empoderamento.

A mensagem desse livro é maravilhosa! Se no que li anterior à ele a protagonista já era completamente empoderada, nesse a gente acompanha de perto a jornada de auto-conhecimento da personagem central, ao se dar conta que é linda exatamente do jeito que é e só precisa enxergar isso e tomar o poder para si. Adorei a história e acho que deveria ser pauta nas escolas também. Esse é um livro muito importante, que dá voz e representatividade à um público que precisa de atenção e relevância na nossa sociedade também.


9) “Um Dia dos Namorados (im)Perfeito” – Larissa Siriani

Tudo o que Isaac quer é dar à namorada um primeiro Dia dos Namorados perfeito, com direito a flores, jantar e, quem sabe, se ele der sorte, uma noite inesquecível. Mas quando tudo começa a dar errado e ele é forçado a improvisar. Isaac percebe que o mais importante não é como vai passar o dia 12 de Junho – é com quem.

Um contro amorzinho de “Amor Plus Size” que vem pra matar a saudade de personagens super queridos! Adorei que ele é do ponto de vista de Isaac e a gente pode dar uma espiadinha nos pensamentos dele! Super romântico e com pitadas de humor, não pode ficar de fora da sua lista de leituras!


10) “O Amante da Princesa” – Larissa Siriani

Um romance sensual e divertido sobre as escolhas que são feitas por nós — e sobre tomar as rédeas da vida nas próprias mãos.

Maria Amélia de Bragança é princesa do Brasil, prometida a Maximiliano Habsburgo, arquiduque da Áustria. Mas não há nada que ela deseje menos do que esse casamento: como alguém pode querer que ela se case com um homem que nem sequer conhece? O que Amélia não esperava é que seu noivo chegasse ao Palácio das Janelas Verdes, em Lisboa, acompanhado do amigo Klaus Brachmann, um homem charmoso e experiente que se sente compelido a seduzir a princesa apenas pelo prazer da conquista. Uma viagem inesperada que Maximiliano precisa fazer se mostra a oportunidade perfeita para que Klaus ensine uma coisinha ou outra a Amélia entre quatro paredes… E, conforme o jogo avança, a possibilidade de casamento se torna cada vez mais remota para a princesa, que agora precisa proteger seu coração a todo custo.

Eu fiquei completamente arrasada com o final desse livro! Sério, floi um romance arrebatador! Me apaixonei completamente por todos os personagens, torci e me identifiquei com eles, ri e me diverti, chorei e sofri e ainda me emocionei pra caramba. ESSE É UM LIVRO COMPLETO, MINHA GENTE! Esse é aquele romance histórico nacional (que ainda por cima é inspirado por personagens reais) que falta na sua estante! Amém Larissa Siriani, já quero toda uma série de livros de época inspirados em personagens reais!


11) “O Natal dos Brachmann” – Larissa Siriani

Klaus Brachmann é um homem recluso, que não quer nada além de criar sua filha em paz. Mas o Natal é uma data para ser celebrada em família, e nada impedirá Berta Prilgsheim de ver seu querido irmão este ano. E quando um desastre transforma as festas em desespero, os Brachmann precisarão se unir mais do que nunca para superarem suas dores juntos e descobrirem o verdadeiro sentido do Natal.

O conto se passa alguns anos após o livro ” O Amante da Princesa” e aqui a gente consegue visualizar como alguns personagens tão amados estão depois daqueles eventos traumáticos. Não vou mentir, chorei praticamente o conto inteiro, ainda de coração partido. Mas achei a história muito importante por dar um background pra vilã do livro e fazer a gente perceber que ela não era má só por ser, haviam motivos e aqui ela se redime.


12) “Uma História de Verão” – Pam Gonçalves

É o último verão de Analu perto de casa antes da faculdade. Entre a dificuldade de se entender com seus pais, que queriam que ela cursasse Direito e não Cinema, e as persistentes comparações com seu irmão gêmeo, André Luiz, o grande exemplo de filho que faz tudo para agradar, a garota está cansada de tanta hipocrisia e da cobrança de todos e só quer aproveitar suas férias com os amigos. O lugar é lindo, o clima está ideal e não faltam lembranças em cada cantinho da praia. Pena que nem todas são boas: a primeira decepção amorosa e grande paixão de Ana Luísa, Murilo, está de volta com o sorriso cafajeste de sempre e novas promessas. De um lado, o futuro em uma nova e incrível cidade, São Paulo; do outro, os amigos, a família e um amor traiçoeiro que ao mesmo tempo machuca e envolve.

Eu tô besta com esse livro! Foi o primeiro que li da minha xará, a Pam Gonçalves, e senti como se estivesse lendo uma das histórias da Meg Cabot, só que ambientada no nosso BRzão. Além de ser um romance para Jovens Adultos, super leve e fluído, que aborda diversos assuntos, também é uma história cotidiana, que pode estar sendo vivida por diversos jovens. O que mais amei foi o final inesperado, nem um pouco clichê, mas completamente verdadeiro. Aprendi aqui algumas lições com a Analu e vou levar essa história de verão comigo pra sempre.


Bom gente, sigo muito feliz com as minhas leituras de 2019 até agora. Todos os livros foram maravilhosos e me mantiveram nesse ritmo incrível!

Adorei que esse mês li vários livros representativos, com personagens que são gordas e empoderadas! Acho muito importante ter espaço para esse tipo de literatura nos dias de hoje, assim a gente conscientiza todas essas jovens impressionáveis que não precisa existir um padrão de beleza imposto pela sociedade, VOCÊ É LINDA SIM! O importante é se amar do jeitinho que você é!

Mês que vem eu volto com as Leituras de Março!

E vocês, o que andam lendo?

“Mais que Amigos”

Literatura, Na Estante

Sabe aquele clichêzinho delicioso? Aquele romance água com açúcar, com um quê de comédia, ideal para ser lido em um dia frio? Pois bem, já pode entrar, “Mais que Amigos”, da Lauren Layne!

O mais engraçado de tudo é que eu subestimei esse livro totalmente! Vi a capa, li o título, espiei a sinopse e sai julgando lindamente. E, se não fosse pela Karina Carvalho, que me deu a dica nesse post do Instagram, eu provavelmente nunca teria lido e nunca teria me apaixonado por essa história.

Lançado em abril deste ano, pelo selo Paralela, do Grupo Companhia das Letras, o livro gira em torno de dois melhores amigos, Parker Blanton e Ben Olsen, que, desafiando todas as probabilidades e opiniões alheias, são apenas amigos, muito obrigada.

Aos vinte e dois anos, a jovem Parker Blanton leva a vida que sempre sonhou. Tem um namorado inteligente e responsável, um emprego promissor e a companhia de seu melhor amigo, Ben Olsen, com quem divide um lindo apartamento.
Parker e Ben são tão grudados que muita gente duvida que eles morem sob o mesmo teto sem nunca ter vivido um caso, mas eles não se importam com o que as pessoas pensam. Sabem que não foram feitos um para o outro — pelo menos não para se envolver.
Por isso, quando um acontecimento inesperado faz com que Parker se veja sem namorado e com o coração partido, ela sabe que pode contar com Ben para ajudá-la a sacudir a poeira e partir para outra. Afinal, ninguém seria mais ideal do que seu melhor amigo para lhe mostrar os prazeres da vida de solteiro… certo?
Mais que amigos é uma comédia romântica irresistível!

Uma das coisas que mais gostei nesse livro é que os personagens são MUITO reais. Apesar do clichê já esperado de melhores amigos que se apaixonam, a Parker não tem nada de mocinha otária, do tipo donzela indefesa, e o Ben está bem longe de ser um príncipe no cavalo branco. São personagens muito bem desenvolvidos, com pontos positivos e negativos, aspirações, inseguranças e, graças a Deus, nada perfeitos.

A relação de amizade desses protagonistas é uma das coisas mais lindas que já vi na vida. Eles são companheiros demais, se apoiam, se respeitam, são extremamente leais e estão sempre disponíveis um pro outro. Isso faz ser totalmente compreensível que os dois tenham tanto medo dos sentimentos que começam a perceber em relação ao outro. Quem ia querer estragar esse tipo de amizade? Quem ia querer que ela mudasse?

A escrita da Lauren Layne é descontraída, rápida e enxuta, a autora não perde tempo com nada que não seja necessário para a história se desenvolver, mas mesmo assim consegue fazer a gente se conectar com os personagens de uma forma surreal. Me vi torcendo por eles, rindo com eles, chorando com eles e gritando com eles.

Narrado em primeira pessoa, com capítulos que revezam o ponto de vista de Ben e Parker, essa história apaixonante é a pedida certa pros intervalos entre leituras mais pesadas, ideal pra descontrair, se apaixonar, suspirar, desejar ter uma amizade dessas e um xodó como Ben Olsen.

E aí, alguém já leu esse livro? Me contem o que acharam nos comentários 😀