Throwback: New York, New York

Na Estrada, Throwback

Se tem um negócio que eu gosto de fazer é viajar. Normalmente não importa o lugar, se tenho a chance de botar o pé na estrada, não perco tempo: preparo minha mochila, compro minhas passagens, arranjo uma companhia (ou não) e parto em direção ao horizonte.

Na maior parte das vezes eu viajo sozinha, mas sempre tenho o costume de encontrar alguém no meu destino final. Como minha fama de perdida não me deixa mentir, acabo tendo um pouquinho de medo de me aventurar sozinha pelo desconhecido sem ter alguém pra me dar uma sensaçãozinha de segurança. Esse medo multiplica-se por mil se estivermos falando de uma viagem internacional, onde não conheço a cultura, os costumes e nem mesmo a língua falada no lugar.

action-adventure-blur-386009

Graças a Deus uma das minhas prirmãs (no caso aquela prima que é quase uma irmã) fez as malas e se mandou pros States há uns 10 anos, então, quando resolvi botar minha cara num sol gringo, não importou muito que meu inglês se resumisse à “the book is on the table“, quando a oportunidade surgiu apenas comprei minhas passagens, fiz minhas malas e parti em direção a uma das melhores viagens da minha vida.

O post de hoje é o ponta pé inicial de mais uma série aqui no blog: o Throwback pela minha viagem dos sonhos à Nova Iorque, que rolou no final de 2015 e começo de 2016 e me proporcionou, entre outras coisas, aquela experiência maravilhosa de conhecer o inverno e o natal mais famosos do mundo.

IMG_7456[1]

Inicialmente eu planejava fazer apenas um post e contar toda essa minha aventura de uma vez só pra vocês, mas, quando fui dar uma olhadinha no meu arquivo de fotos da viagem, tomei aquele sustinho básico com as mais de 1.200 imagens registradas pela câmera do meu iPhone 5, e percebi que não ia dar pra resumir tudo aquilo numa postagem só.

Então a partir de hoje, e pelas próximas semanas, vamos ter toda quinta-feira um #tbt muito especial, contando todas as peripécias que rolaram nessa viagem dos sonhos.

Apertem os cintos e brace yourselves, porquê winter is coming 😉

Anúncios

Então, eu finalmente criei um blog…

Eu Mesma

Eu não fui uma dessas crianças apaixonadas por leitura desde que se entendem por gente. Pra quem me conhece há algum tempo (ou até quem acabou de conhecer, pra falar a verdade) pode ser um choque, mas eu fui uma daquelas meninas que tinham horror a livros até a adolescência.

Meus pais nunca tiveram o costume de comprar revistinhas da Turma da Mônica pra mim, e o incentivo que a escola pública me dava era ler “Memórias Póstumas de Brás Cubas” pra fazer uma prova. Ninguém me apresentou o Harry Potter, o Percy Jackson ou a Mia Thermopolis, sabe?

Basicamente descobri o amor pela literatura por culpa da J. K. Rowling, quando coloquei as mãos em um exemplar de “Harry Potter e o Enigma do Príncipe” nas férias de 2005. A partir daí foi só ladeira abaixo. Ou acima, dependendo do ponto de vista.

O fato é que, eu posso não ter sido uma criança apaixonada pela leitura lá nos anos 90, mas teve uma coisa que eu sempre amei e que fazia desde que tinha aprendido a juntar letras e formar palavras: escrever.

Eu costumava comprar pequenos cadernos e escrever historinhas mirabolantes sobre sereias, fadas, bruxas e assassinos em série (muito obrigada às franquias cinematográficas “Pânico“, “Lenda Urbana“, “Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado” e afins, por terem inspirado uma criança a escrever sobre assassinatos). A cada capítulo dessas historinhas eu fazia um desenho pra ilustrar a coisa toda.

Conforme fui ficando mais velha, acabei abandonando as histórias nos caderninhos, mas sempre amei escrever redações na escola, e adorava as atividades onde precisávamos compor poesias, etc.

O interessante é que, depois da descoberta da leitura como um hobby, cair no mundo das Fanfics foi questão de meses, e daí pra redescoberta dessa minha paixão pela escrita não demorou muito.

Eu sempre quis escrever um blog, mas sempre tive medo da coisa toda virar uma obrigação e minha paixão virar uma enorme frustração. O caso é que, atualmente, minha maior frustração tem sido justamente não ter meu blog.

O Pamelisses nasceu para que eu pudesse dividir com o mundo as minhas paixões, que vão da literatura à astrologia. Aqui vocês vão poder encontrar críticas bem amadoras de cinema numa semana e na próxima, talvez, uma dica de produto para o cabelo. Vai ter resenha de livro, mas também vai ter post contando sobre a minha última viagem, ou aquela promoção maravilhosa de “compre 3, pague 2” na loja de “brusinhas” da esquina. Vou falar sobre as séries de TV que estou assistindo, sobre as músicas que estou ouvindo e, de vez em quando, sobre as coisas que estou sentindo.

Então, quem vem comigo nessa nova aventura?